As moratórias de crédito têm sido, para milhares de famílias portuguesas, a principal medida de apoio num momento pandémico, com uma redução dos rendimentos e um futuro incerto.

 

Em breve, chegará o momento em que deverão retomar o pagamento das suas prestações de crédito. Saiba como preparar o fim da sua moratória.

Como funciona a moratória e quando termina

Muito se tem falado sobre as moratórias de crédito e muita legislação foi publicada. Nas últimas semanas, foram noticiadas novas alterações à lei das moratórias, cujos contornos ainda estão a ser fechados pelo Governo e serão publicados em decreto-lei.

No entanto, para quem aderiu, é essencial perceber que existem diferentes tipos de moratórias e saber quando terminam as moratórias.

 

De acordo com a informação atual (que poderá vir a ser alterada por um novo decreto-lei), os prazos são os seguintes:

  • Moratória do Estado: 30 de setembro de 2021
  • Moratória privada:
    • Para créditos habitação e outros créditos hipotecários: 31 de março de 2021
    • Para créditos pessoais: validade de 12 meses até à data limite de 30 de junho de 2021

Como preparar o seu orçamento para o fim da moratória

A moratória de crédito, como mecanismo de apoio, destina-se a famílias que viram os seus rendimentos caírem na sequência da crise provocada pela covid-19.

 

Falamos, essencialmente, de pessoas que perderam o emprego ou proprietários de negócios cujas receitas foram afetadas pelas medidas de contenção da pandemia.

 

Para muitas destas famílias, meses depois, o cenário continua a ser de grande incerteza e, muitas vezes, complicado. No entanto, mais cedo do que gostariam, terão de retomar o pagamento das prestações dos créditos em moratória.

 

É importante saber como responder à questão de como ficará a sua situação financeira quando regressar à normalidade.

 

1. Analise o seu orçamento familiar

Construa um orçamento mensal onde constem todos os rendimentos e despesas do seu agregado (fixas e variáveis). Para o ajudar com este tema, pode utilizar apps e sites na internet com simuladores e informação útil.

Adicionalmente, crie uma versão do seu orçamento com a moratória e outro sem a moratória, de forma a compreender o impacto que esta mudança terá.

 

2. Reorganize as finanças da família

Ao analisar o seu orçamento familiar, procure perceber onde está a gastar o seu dinheiro e de que forma pode reduzir e otimizar as despesas da família.

Veja alguns exemplos de ideias de poupança que terão impacto no seu orçamento:

  • Renegociar os contratos de serviços como seguros, telecomunicações, luz ou gás;
  • Planear as refeições em casa e fazer uma lista de compras;
  • Comparar preços antes de comprar (utilize comparadores online);
  • Cancelar subscrições e assinaturas de que não precisa ou não usufrui;
  • Pedir sempre fatura com número de contribuinte e deduzir todas as despesas no IRS.

Poderá, também, aumentar as receitas da família, explorando um hobby ou vendendo coisas que já não precisam.

 

3. Procure colocar algum dinheiro de lado

É um desafio para muitas famílias afetadas pela crise pandémica, mas é importante para se preparar para o fim da moratória.

 

Se, com as recomendações anteriores, conseguir poupar e se a moratória lhe der alguma margem financeira, coloque esse dinheiro de lado. Guarde-o para o momento em que terá de voltar a amortizar a sua dívida e para garantir a estabilidade financeira da sua família.

 

4. Procure ajuda

Se, ao analisar a sua situação financeira, prevê grandes dificuldades para conseguir cumprir com as suas obrigações financeiras no momento em que as despesas voltarem a aumentar, contacte o seu gestor de conta e informe-se sobre as alternativas para a sua situação.

 

Comece, desde já, a preparar o orçamento da sua família para o fim da moratória.

 

 

Publicado a 14 dez 2020