depósitos a prazo: o que é?

finanças

Depósito a prazo: afinal, o que é?

01 jul 2021 | 6 min de leitura
Sabe o que é um depósito a prazo? Conhece as vantagens e desvantagens deste produto? Será a solução ideal para si? Esclareça as dúvidas.

Quer poupar, mas com tantas soluções bancárias, não sabe qual será a melhor opção. Começando logo pela grande diversidade de contas e condições que oferecem. Por exemplo, o que é um depósito a prazo? Será uma boa opção? E como escolher entre as diversas alternativas? Veja algumas perguntas e respostas que podem ser úteis na escolha.

 

Recebeu o subsídio de férias ou o reembolso do IRS e quer colocar esse dinheiro no banco e, se possível, obter algum rendimento. Uma das opções que o seu Banco lhe apresenta é aplicar esse montante num depósito a prazo. Parece uma boa ideia, mas será a escolha certa para si?

 

 

O que é um depósito a prazo?

O que distingue o depósito a prazo da conta à ordem que movimenta diariamente é, justamente, o facto de este tipo de depósito normalmente não poder ser movimentado, pelo menos durante um determinado período de tempo.

 

É, por isso, uma boa solução para aquele dinheiro que quer pôr de lado, sobretudo se sabe que não vai precisar de o usar durante algum tempo.

 

A vantagem dos depósitos a prazo é que, se mantiver esse dinheiro no banco durante o período acordado, receberá juros sobre esse depósito. Ou seja, o valor que aplicou não só está garantido - ao contrário do que acontece com outros produtos - como ainda pode aumentar.

 

Assim, e em relação a uma conta à ordem, os depósitos a prazo têm o atrativo de fazer com que ganhe dinheiro. E quanto maior for o montante aplicado, mais dinheiro recebe.

 

Os juros do depósito a prazo podem ser pagos de forma periódica ou só na data em que o depósito vence. Tudo depende do tipo de depósito a prazo que escolher. A forma de pagamento de juros encontra-se descrita na Ficha de Informação Normalizada, que lhe será entregue antes de constituir o depósito. 

 

De modo geral, os depósitos a prazo até 12 meses (366 dias) pagam juros só no final do prazo. Por exemplo, num depósito a seis meses, receberá juros ao fim de meio ano.

 

Mas imagine que fez um depósito com um prazo mais longo, por exemplo, dois anos. Neste caso, os juros podem ser pagos de seis em seis meses.

 

A forma de pagamento dos juros depende, mais uma vez, do depósito que constituir. Estes podem ser somados ao seu depósito para que possam render mais no período seguinte (são os chamados depósitos capitalizáveis) ou podem ser creditados na sua conta à ordem (depósitos não capitalizáveis).

 

 

Posso sempre levantar o dinheiro antes do fim do prazo?

Depende. Se o depósito for "Não Mobilizável" não poderá mexer no dinheiro antes do final do prazo. Já se o depósito for "Mobilizável" nada o impede de levantar o dinheiro antes do prazo acordado, mas prepare-se para uma penalização. Não vai perder o montante que depositou - isso está sempre garantido - mas pode não receber os juros ou parte deles.

 

Assim, uma das primeiras dicas ao escolher um depósito a prazo é perceber se é ou não mobilizável antecipadamente. Isto é, se pode ou não levantar o dinheiro antes do prazo e quais são as consequências de o fazer. 

 

 

Então os depósitos a prazo não são todos iguais?

Existem vários tipos de depósitos e cada instituição bancária pode ter várias opções dentro desta classe de depósito.

 

E já que falamos em bancos, é importante saber que só as entidades autorizadas pelo Banco de Portugal (BdP) podem receber depósitos. Isto significa não só uma segurança acrescida para o seu dinheiro, mas também que existe uma supervisão superior, que obriga a que sejam cumpridas determinadas regras. 

 

Tem dúvidas sobre a credibilidade de uma entidade? Verifique a lista do BdP para ter a certeza que essa instituição pode receber depósitos.

 

Voltando à questão dos depósitos a prazo, é importante saber que existem vários tipos e conhecer as principais diferenças entre eles.

 

 

Depósitos a prazo simples

Esta designação abrange a maioria dos depósitos comercializados pelos Bancos e inclui os depósitos com taxas de juro fixas e variáveis. 

 

Se o depósito tiver uma taxa fixa, esta mantém-se durante todo o tempo em que o dinheiro estiver nessa conta. Isto quer dizer que, ao fazer o depósito, já saberá o valor dos juros que vai receber.

 

Num depósito a prazo com taxa variável, a taxa de juro pode depender de um indexante como a Euribor, a que se soma o spread. Isto quer dizer que se a Euribor subir, vai receber mais juros.

 

Existem ainda depósitos em que a taxa de juro, embora seja fixa, pode ser variável em alguns períodos. E depósitos com taxas e spreads variáveis.

 

 

Depósitos a prazo estruturados

São mais complexos do que os anteriores. Nestes casos, os juros dependem de fatores como, por exemplo, o valor de uma ação ou conjunto de ações ou de índices acionistas.

 

Assim, e para poder avaliar se este tipo de depósito a prazo lhe interessa, deve analisar dados como a existência (ou não) de uma remuneração mínima garantida, prazo e possibilidade de mobilização antecipada. E garantir que percebe o produto e que este se adequa aos seus objetivos e ao seu perfil de investidor.    

 

 

Há depósitos com objetivos definidos?

Muitas vezes, ao começar uma poupança já tem um objetivo em mente. Por exemplo, está a pensar na reforma ou em comprar casa própria e, por isso, abre um depósito a prazo que vai reforçando periodicamente.

 

Nestas situações, pode recorrer a depósitos a prazo com finalidades específicas e vantagens associadas.

 

Por exemplo, uma conta poupança-habitação pode trazer-lhe vantagens quando contratar um crédito para comprar um imóvel ou fazer obras em casa.

 

Uma conta poupança-reformado pode estar isenta de pagamento de imposto sobre os juros (a chamada taxa liberatória, que equivale a 28% do valor dos juros).

 

As contas poupança-reformado ou contas poupança-emigrante são outros exemplos de depósitos a prazo pensados para quem tem um objetivo definido para os seus depósitos. 

 

 

Vantagens e desvantagens dos depósitos a prazo

Como qualquer produto ou serviço, há vantagens e desvantagens associadas aos depósitos a prazo e ao ler este texto já terá identificado algumas.

 

O facto de ser uma conta bancária em que recebe juros pode ser vantajoso, mas é importante avaliar as suas expectativas, sobretudo numa altura em que as taxas de juro estão mais baixas.

 

Ainda assim, os depósitos a prazo têm uma grande vantagem em relação a outras soluções em que a rentabilidade é mais elevada: a segurança que é dada pela garantia de capital. Ou seja, o banco tem de garantir o reembolso de todo o dinheiro que foi depositado, seja na data em que o depósito vencer ou na da mobilização antecipada prevista no contrato.

 

Os depósitos até ao valor máximo de 100 mil euros (por instituição de crédito e por depositante) estão protegidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos. Isto significa que, caso o seu banco tenha problemas, o seu depósito até 100 mil euros está salvaguardado.

 

 

Como escolher um depósito a prazo?

Dada a diversidade de opções disponíveis em termos de depósitos a prazo, pode não ser fácil escolher. Por isso, é importante conhecer bem as características dos diversos produtos e perceber qual poderá ser o mais adequado ao seu caso.

 

Fale com o seu banco, analise a Ficha de Informação Normalizada (FIN), que tem todas as informações importantes, como o prazo, cálculo e pagamento de juros, regime fiscal, etc. 

 

Este é um exemplo de FIN e, como pode ver, contém todos os dados relevantes para que possa analisar e comparar com outras opções.

 

Assim, antes de fazer um depósito a prazo, avalie as soluções disponíveis e os seus objetivos de poupança, para que a escolha que fizer vá ao encontro das suas expectativas e necessidades.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer poupar, mas com tantas soluções bancárias, não sabe qual será a melhor opção. Começando logo pela grande diversidade de contas e condições que oferecem. Por exemplo, o que é um depósito a prazo? Será uma boa opção? E como escolher entre as diversas alternativas? Veja algumas perguntas e respostas que podem ser úteis na escolha.

 

Recebeu o subsídio de férias ou o reembolso do IRS e quer colocar esse dinheiro no banco e, se possível, obter algum rendimento. Uma das opções que o seu Banco lhe apresenta é aplicar esse montante num depósito a prazo. Parece uma boa ideia, mas será a escolha certa para si?

 

 

O que é um depósito a prazo?

O que distingue o depósito a prazo da conta à ordem que movimenta diariamente é, justamente, o facto de este tipo de depósito normalmente não poder ser movimentado, pelo menos durante um determinado período de tempo.

 

É, por isso, uma boa solução para aquele dinheiro que quer pôr de lado, sobretudo se sabe que não vai precisar de o usar durante algum tempo.

 

A vantagem dos depósitos a prazo é que, se mantiver esse dinheiro no banco durante o período acordado, receberá juros sobre esse depósito. Ou seja, o valor que aplicou não só está garantido - ao contrário do que acontece com outros produtos - como ainda pode aumentar.

 

Assim, e em relação a uma conta à ordem, os depósitos a prazo têm o atrativo de fazer com que ganhe dinheiro. E quanto maior for o montante aplicado, mais dinheiro recebe.

 

Os juros do depósito a prazo podem ser pagos de forma periódica ou só na data em que o depósito vence. Tudo depende do tipo de depósito a prazo que escolher. A forma de pagamento de juros encontra-se descrita na Ficha de Informação Normalizada, que lhe será entregue antes de constituir o depósito. 

 

De modo geral, os depósitos a prazo até 12 meses (366 dias) pagam juros só no final do prazo. Por exemplo, num depósito a seis meses, receberá juros ao fim de meio ano.

 

Mas imagine que fez um depósito com um prazo mais longo, por exemplo, dois anos. Neste caso, os juros podem ser pagos de seis em seis meses.

 

A forma de pagamento dos juros depende, mais uma vez, do depósito que constituir. Estes podem ser somados ao seu depósito para que possam render mais no período seguinte (são os chamados depósitos capitalizáveis) ou podem ser creditados na sua conta à ordem (depósitos não capitalizáveis).

 

 

Posso sempre levantar o dinheiro antes do fim do prazo?

Depende. Se o depósito for "Não Mobilizável" não poderá mexer no dinheiro antes do final do prazo. Já se o depósito for "Mobilizável" nada o impede de levantar o dinheiro antes do prazo acordado, mas prepare-se para uma penalização. Não vai perder o montante que depositou - isso está sempre garantido - mas pode não receber os juros ou parte deles.

 

Assim, uma das primeiras dicas ao escolher um depósito a prazo é perceber se é ou não mobilizável antecipadamente. Isto é, se pode ou não levantar o dinheiro antes do prazo e quais são as consequências de o fazer. 

 

 

Então os depósitos a prazo não são todos iguais?

Existem vários tipos de depósitos e cada instituição bancária pode ter várias opções dentro desta classe de depósito.

 

E já que falamos em bancos, é importante saber que só as entidades autorizadas pelo Banco de Portugal (BdP) podem receber depósitos. Isto significa não só uma segurança acrescida para o seu dinheiro, mas também que existe uma supervisão superior, que obriga a que sejam cumpridas determinadas regras. 

 

Tem dúvidas sobre a credibilidade de uma entidade? Verifique a lista do BdP para ter a certeza que essa instituição pode receber depósitos.

 

Voltando à questão dos depósitos a prazo, é importante saber que existem vários tipos e conhecer as principais diferenças entre eles.

 

 

Depósitos a prazo simples

Esta designação abrange a maioria dos depósitos comercializados pelos Bancos e inclui os depósitos com taxas de juro fixas e variáveis. 

 

Se o depósito tiver uma taxa fixa, esta mantém-se durante todo o tempo em que o dinheiro estiver nessa conta. Isto quer dizer que, ao fazer o depósito, já saberá o valor dos juros que vai receber.

 

Num depósito a prazo com taxa variável, a taxa de juro pode depender de um indexante como a Euribor, a que se soma o spread. Isto quer dizer que se a Euribor subir, vai receber mais juros.

 

Existem ainda depósitos em que a taxa de juro, embora seja fixa, pode ser variável em alguns períodos. E depósitos com taxas e spreads variáveis.

 

 

Depósitos a prazo estruturados

São mais complexos do que os anteriores. Nestes casos, os juros dependem de fatores como, por exemplo, o valor de uma ação ou conjunto de ações ou de índices acionistas.

 

Assim, e para poder avaliar se este tipo de depósito a prazo lhe interessa, deve analisar dados como a existência (ou não) de uma remuneração mínima garantida, prazo e possibilidade de mobilização antecipada. E garantir que percebe o produto e que este se adequa aos seus objetivos e ao seu perfil de investidor.    

 

 

Há depósitos com objetivos definidos?

Muitas vezes, ao começar uma poupança já tem um objetivo em mente. Por exemplo, está a pensar na reforma ou em comprar casa própria e, por isso, abre um depósito a prazo que vai reforçando periodicamente.

 

Nestas situações, pode recorrer a depósitos a prazo com finalidades específicas e vantagens associadas.

 

Por exemplo, uma conta poupança-habitação pode trazer-lhe vantagens quando contratar um crédito para comprar um imóvel ou fazer obras em casa.

 

Uma conta poupança-reformado pode estar isenta de pagamento de imposto sobre os juros (a chamada taxa liberatória, que equivale a 28% do valor dos juros).

 

As contas poupança-reformado ou contas poupança-emigrante são outros exemplos de depósitos a prazo pensados para quem tem um objetivo definido para os seus depósitos. 

 

 

Vantagens e desvantagens dos depósitos a prazo

Como qualquer produto ou serviço, há vantagens e desvantagens associadas aos depósitos a prazo e ao ler este texto já terá identificado algumas.

 

O facto de ser uma conta bancária em que recebe juros pode ser vantajoso, mas é importante avaliar as suas expectativas, sobretudo numa altura em que as taxas de juro estão mais baixas.

 

Ainda assim, os depósitos a prazo têm uma grande vantagem em relação a outras soluções em que a rentabilidade é mais elevada: a segurança que é dada pela garantia de capital. Ou seja, o banco tem de garantir o reembolso de todo o dinheiro que foi depositado, seja na data em que o depósito vencer ou na da mobilização antecipada prevista no contrato.

 

Os depósitos até ao valor máximo de 100 mil euros (por instituição de crédito e por depositante) estão protegidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos. Isto significa que, caso o seu banco tenha problemas, o seu depósito até 100 mil euros está salvaguardado.

 

 

Como escolher um depósito a prazo?

Dada a diversidade de opções disponíveis em termos de depósitos a prazo, pode não ser fácil escolher. Por isso, é importante conhecer bem as características dos diversos produtos e perceber qual poderá ser o mais adequado ao seu caso.

 

Fale com o seu banco, analise a Ficha de Informação Normalizada (FIN), que tem todas as informações importantes, como o prazo, cálculo e pagamento de juros, regime fiscal, etc. 

 

Este é um exemplo de FIN e, como pode ver, contém todos os dados relevantes para que possa analisar e comparar com outras opções.

 

Assim, antes de fazer um depósito a prazo, avalie as soluções disponíveis e os seus objetivos de poupança, para que a escolha que fizer vá ao encontro das suas expectativas e necessidades.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Obrigado pelo seu feedback!