finanças

TAN e TAEG: o que são e quais as diferenças

25 mar 2024 | 4 min de leitura

A TAN e a TAEG são duas siglas essenciais para quem está a comparar créditos à habitação. Saiba como distingui-las.

TAN e TAEG: o que são e quais as diferenças

A prestação de um crédito habitação não se resume ao capital em dívida acrescido do spread e respetiva taxa de juro (fixa ou variável a três, seis ou doze meses).

 

Existem outros encargos que têm impacto nas despesas mensais e totais do empréstimo, tal como os seguros, os impostos e as comissões, entre outros. Assim, ao comparar diferentes propostas é importante conhecer a taxa de juro. Neste artigo, iremos explicar o que é a TAN e a TAEG.

 

 

O que é a TAN e a TAEG?

Se está à procura de crédito habitação, já terá sido confrontado com termos e siglas pouco comuns. É o caso da TAN e da TAEG. Embora não sejam exclusivamente utilizadas em contratos de crédito à habitação, estes indicadores assumem um papel importante na comparação de diferentes propostas de crédito para comprar casa.

 

 

TAN: o que é

A Taxa Anual Nominal (TAN) mede o custo anual de um empréstimo em juros, com base no montante e no prazo de pagamento acordados. A TAN está presente em contratos de crédito pessoal, crédito à habitação, crédito automóvel, cartão de crédito ou crédito consolidado. No entanto, é importante destacar que a TAN não inclui outras despesas associadas à contratação de um crédito, como impostos e encargos, que são cobrados mensalmente nas prestações do empréstimo.

 

No contrato de crédito à habitação, a TAN difere consoante este tenha taxa de juro fixa ou variável. Assim, nos empréstimos com taxa de juro variável, a TAN corresponde:

 

TAN = Euribor + spread

 

Já no caso de crédito com taxa fixa, a TAN corresponde à soma da taxa fixa contratada com o spread — caso se aplique.

 

 

TAEG: o que é

Tal como a TAN, a Taxa Anual de Encargos Efetiva Global (TAEG) também reflete o custo anual de um empréstimo em juros, com base no montante e no prazo de pagamento acordados. No entanto, a TAEG engloba outros custos que a TAN deixa de fora. O cálculo da TAEG inclui:

 

  • Juros
  • Comissões
  • Impostos e emolumentos relativos ao registo da hipoteca, no caso de se tratar de um crédito com garantia hipotecária
  • Seguros pedidos para obtenção do crédito
  • Comissão de manutenção de conta à ordem, caso seja pedido a abertura para a gestão do empréstimo
  • Remuneração do intermediário de crédito (caso seja paga pelo consumidor).

 

 

TAN vs TAEG: qual a melhor para comparar créditos à habitação?

Apesar de ambas serem taxas de juro, a TAN apenas engloba os juros que tem de pagar. Porém, um crédito à habitação inclui outras despesas que têm impacto no orçamento familiar, tal como os seguros, os impostos ou as comissões. Assim, a TAEG oferece uma visão mais completa do custo total do empréstimo, ajudando a comparar diferentes ofertas de crédito de forma mais precisa.

 

 

O que saber se pretende comparar diferentes propostas de créditos à habitação

1. Compare propostas iguais

 

Compare propostas de crédito com condições idênticas em termos de prazo, do montante do empréstimo e das condições dos seguros associados. Uma pequena diferença nestes parâmetros irá afetar a TAEG, tornando a comparação desadequada.

 

2. Pense além do spread

 

As instituições de crédito podem apresentar um spread mais reduzido se aceitar adquirir outros produtos (são as vendas associadas facultativas), como cartões de débito, de crédito ou PRR. Porém, esses produtos também podem ter custos associados e, por este motivo, torna-se essencial olhar para a TAEG, que é o indicador que contempla todos os custos associados ao crédito. Além disso, se durante a vigência do contrato de crédito quiser desistir desses produtos, a instituição pode aumentar o spread do crédito, de acordo com o que estiver previsto no contrato.

 

3. Verifique o MTIC

 

Para comparar diferentes propostas de crédito, existe outro indicador essencial: o MTIC - montante total imputado ao consumidor. Trata-se do valor total que tem de pagar à entidade bancária durante todo o período do empréstimo e calcula-se somando o montante total do empréstimo com os custos do crédito. Em propostas de crédito com o mesmo montante e o mesmo prazo, a proposta com TAEG e MTIC mais baixos é aquela em que o cliente suporta menos custos com o empréstimo.

 

 

Onde estão indicadas a TAN, a TAEG e o MTIC?

A TAN e a TAEG de um crédito é indicada na informação pré-contratual que é fornecida ao cliente – ou seja:

 

  • Na FIN – ficha de informação normalizada, no caso do crédito aos consumidores, na secção “Custo do crédito”

 

  • Na FINE – ficha de informação normalizada europeia, no caso do crédito à habitação e de outros créditos garantidos por hipoteca, na secção “Taxa de juro e outros custos”.

 

Da mesma forma, também poderá encontrar o MTIC nestes documentos. Assim:

 

  • Na FIN, pode encontrar na secção “Montante total imputado ao consumidor

 

  • Na FINE, pode encontrar na Seção “Principais características do empréstimo”, no campo “Montante total a reembolsar (MTIC)”.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

O que achou deste artigo?

Queremos continuar a trazer-lhe conteúdos úteis. Diga-nos o que mais gostou.

Agradecemos a sua opinião!

A sua opinião importa. Ajude-nos a melhorar este artigo do Salto.

Salto Santander

Agradecemos o seu contributo!

crédito pessoal santander widget crédito habitação

Nova taxa fixa e novo spread

Para empréstimos pedidos só até 30/06.

Nova taxa fixa para habitação Nova taxa fixa para habitação

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).