bem-estar

Fibromialgia: o que é, causas e sintomas

02 ago 2023 | 3 min de leitura

A fibromialgia pode comprometer a qualidade de vida dos doentes. Saiba que doença é esta, quais as causas e os sintomas mais comuns.

senhora com dores agarrada ao pescoço

Sabia que a fibromialgia pode afetar entre 2% a 4% dos adultos, sendo a maioria mulheres, de acordo com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR)?
Embora tenha sido reconhecida como doença, no final da década de 1970, pela Organização Mundial de Saúde, as suas causas ainda não são claras e o diagnóstico pode demorar algum tempo. Apesar de não existir uma cura, alguns medicamentos e comportamentos podem ajudar a controlar os sintomas da fibromialgia.

 

 

O que é a fibromialgia?

A fibromialgia é uma doença crónica caracterizada por dor músculo-esquelética generalizada e difusa, mas também por um aumento da sensibilidade a um conjunto de estímulos que podem causar dor e desconforto. Habitualmente segue um curso flutuante, com períodos de maior intensidade alternados com fases de estabilidade e melhoria.

 

Quais as causas da fibromialgia?

Ainda existem dúvidas em relação às causas exatas desta doença. Contudo, segundo a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, acredita-se que o aumento da sensibilidade acontece “devido a alterações dos neurotransmissores e do processamento da dor, tanto a nível do sistema nervoso periférico como do sistema nervoso central, que conduz a situações de hipersensibilidade a estímulos externos”.

 

Além disso, fatores como o stress, traumas físicos e emocionais, assim como algumas doenças imunológicas e endocrinológicas podem favorecer o aparecimento desta doença e o agravamento dos sintomas.

 

 

Quais os sintomas de fibromialgia?

O principal sintoma da fibromialgia é a dor, que pode variar de intensidade ao longo do dia e tende a agravar-se com o stress, o frio ou com a falta de sono. Embora generalizada, a dor pode afetar várias zonas.

 

Além disso, de acordo com a mesma fonte, a sensação de desconforto piora com o toque e pode ser acompanhada de formigueiros, sensação de adormecimento, tremor, sudação e sensação de rigidez de articulações e músculos.

 

Outros sintomas frequentes de fibromialgia são:

 

  • Alterações do sono
  • Fadiga e cansaço matinal
  • Falta de força e vontade para realizar as tarefas diárias
  • Diminuição da concentração
  • Síndrome do cólon irritável
  • Enxaquecas e cefaleias de tensão
  • Dores menstruais
  • Disfunção da articulação temporo-mandibular
  • Bexiga hiperativa.

 

Por fim, alguns doentes com fibromialgia podem desenvolver depressão ao longo da vida.

 

 

Como é feito o diagnóstico?

Não existe um exame laboratorial ou radiológico que permita confirmar um quadro de fibromialgia. Assim, de acordo com a Abordagem Diagnóstica da Fibromialgia, a confirmação deve ser feita com base nos seguintes critérios:

 

  • Presença de sintomas como fadiga, cansaço ou dor generalizada, durante um período superior ou igual a três meses

 

  • Resultado superior ou igual a 13 pontos do instrumento de diagnóstico da fibromialgia.

 

Além disso, é importante realizar exames complementares, de forma a excluir outras doenças que possam estar na origem dos sintomas, tais como doenças reumáticas, neurológicas, endócrinas ou musculares.

 

 

Qual o tratamento para a fibromialgia?

A fibromialgia não tem cura e os tratamentos focam-se, sobretudo, no alívio da dor, na redução da ansiedade e na melhoria do sono. Podem dividir-se entre farmacológicos e não farmacológicos.

 

Tratamentos farmacológicos

A abordagem farmacológica deve ser adaptada a cada doente, de acordo com os sintomas apresentados. Apesar de não existirem medicamentos específicos para tratar a fibromialgia, os sintomas podem ser aliviados através da toma de analgésicos, relaxantes musculares ou antidepressivos. Recordamos que o tratamento deve sempre ser prescrito por um médico.

 

Tratamentos não farmacológicos

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, os tratamentos não farmacológicos passam por:

 

  • Educação do doente: é importante que tenha consciência que o stress, as preocupações e a angústia são fatores que podem desencadear ou agravar a fibromialgia. Por isso, é importante que procure levar uma vida mais tranquila e reduzir o stress

 

  • Regularização do sono: estabeleça uma rotina de sono e evite café, chá e tabaco ao final do dia

 

  • Banhos de água quente: podem ajudar a relaxar e a diminuir a tensão muscular e a dor

 

  • Exercício físico regular: mantenha uma rotina de exercício físico, para ajudar a manter a sua condição física e a flexibilidade.

 

Que exercícios são recomendados?

A prática de exercício físico é essencial, uma vez que diminui a tensão muscular, a ansiedade, o stress e melhora o sono. Tal como no tratamento farmacológico, o exercício físico deve ser adaptado a cada doente. Segundo a SPR, alguns exercício recomendados são:

 

  • Hidroginástica em piscina aquecida
  • Ginástica aeróbica
  • Yoga
  • Tai-Chi
  • Pilates.

 

O tratamento deve sempre ser prescrito pelo seu médico assistente e adaptado à etapa da doença.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Salto Santander widget seguro de saúde

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).