bem-estar

Nova lei do tabaco 2023: o que muda?

23 jun 2023 | 5 min de leitura

Em que locais deixará de ser permitido fumar? E onde será possível comprar tabaco? Saiba o que muda com a nova lei do tabaco em 2023.

Cerca de dois terços das causas de morte nos fumadores são atribuíveis ao consumo de tabaco e, em média, quem fuma vive menos 10 anos do que um não fumador. Segundo o Governo, estima-se que em 2019 tenham ocorrido, em Portugal, cerca de 13 500 óbitos atribuíveis ao tabaco.

 

Com estes números em mente, o Governo avançou com uma proposta de lei que tem como objetivo principal reduzir o consumo de tabaco em Portugal.

 

 

O que é a nova lei do tabaco?

A nova lei do tabaco é uma proposta de lei apresentada pelo Governo que pretende revolucionar a luta contra o tabagismo. Esta proposta nasceu da obrigação de transpor para a legislação nacional uma diretiva europeia que equipara o tabaco aquecido aos cigarros tradicionais e eletrónicos. No entanto, o Governo quis ir além dessa obrigação, dificultando o acesso ao tabaco e limitando os locais onde é possível fumar.

 

O objetivo é promover a saúde pública, reduzir os estímulos ao consumo e contribuir para uma geração livre de tabaco até 2040.

 

 

Quais são as principais mudanças?

A proposta de lei pretende:

 

  • Equiparar o tabaco aquecido ao tabaco convencional no que diz respeito aos odores, sabores e advertências de saúde

 

  • Alargar a proibição de fumar ao ar livre dentro do perímetro de locais de acesso ao público ou de uso coletivo

 

  • Impossibilitar a criação de novos espaços reservados a fumadores nos recintos onde já é proibido fumar

 

  • Estender a proibição da venda de tabaco à generalidade dos locais onde é proibido fumar, redefinindo os espaços onde é permitido a instalação de máquinas de venda automática.

 

Onde será proibido fumar?

A proposta de lei proíbe fumar no interior dos restaurantes, bares e espaços de dança. Esta proibição estende-se às esplanadas ou aos pátios exteriores cobertos ou delimitados por paredes ou outro tipo de estruturas, pátios interiores, terraços e varandas, bem como junto de portas e janelas destes estabelecimentos.

 

Além disso, passa a ser proibido fumar ao ar livre dentro do perímetro de alguns espaços, tais como:

 

  • Estabelecimentos de saúde
  • Locais destinados a menores de 18 anos
  • Estabelecimentos de ensino, incluindo o ensino superior, e centros de formação profissional
  • Recintos desportivos, piscinas públicas e parques aquáticos.

 

A nova lei do tabaco proíbe ainda a criação de novos espaços reservados a fumadores em áreas fechadas, exceto nos aeroportos, nas estações ferroviárias, rodoviárias de passageiros e nas gares marítimas e fluviais. Os recintos que possuem estes espaços ao abrigo da portaria que entrou em vigor no início de 2023, nomeadamente os estabelecimentos de restauração e similares, poderão mantê-los até 2030.

 

Onde será possível comprar tabaco?

Também aqui haverá alterações. A nova lei do tabaco alarga a proibição da venda de tabaco à generalidade dos locais onde é proibido fumar. Além disso, são redefinidos os locais para comprar tabaco e onde é permitido a instalação de máquinas de venda automática (devem localizar-se a mais de 300 metros de estabelecimentos de ensino). As alterações às proibições de venda de tabaco entrarão em vigor em janeiro de 2025.

 

Assim, poderá comprar tabaco nos seguintes locais:

 

  • Grandes superfícies, hotéis e empreendimentos turísticos
  • Bombas de gasolina
  • Tabacarias
  • Aeroportos
  • Gares marítimas
  • Estações ferroviárias.

 

 

Tabaco aquecido e eletrónico: quais as diferenças em relação ao tabaco tradicional?

Os cigarros eletrónicos não contêm tabaco, facto que os distingue dos cigarros convencionais ou dos cigarros de tabaco aquecido. Estes dispositivos funcionam através do aquecimento de um líquido que se transforma em vapor, que pode ser inalado. Apesar deste vapor se assemelhar ao vapor de água, o líquido é composto por químicos e pode ter diferentes aromas e quantidades de nicotina.

 

Já os produtos de tabaco aquecido são dispositivos eletrónicos que, ao contrário dos cigarros eletrónicos, contêm tabaco. O tabaco é aquecido até uma temperatura elevada, sem que se acenda, criando o fumo que o utilizador pode inalar. Contém nicotina, aditivos e tem muitas vezes aromas.

 

A Direção-Geral da Saúde desaconselha o consumo destes dois tipos de tabaco. Segundo um comunicado emitido pela entidade, “não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apresentam riscos para a saúde e não devem ser consumidos”.

 

O que vai mudar para o tabaco aquecido?

A partir de outubro de 2023 passará a ser proibida a venda de produtos de tabaco aquecido que contenham aromatizantes nos seus componentes. Além disso, as embalagens de tabaco aquecido também passarão a apresentar advertências de saúde combinadas (texto e fotografia), tal como acontece com o tabaco convencional.

 

 

Quando é que a nova lei do tabaco entra em vigor?

A lei anti-tabaco, como é conhecida na gíria popular, ainda não foi publicada em Diário da República, pelo que ainda não está em vigor. No entanto, o Executivo já avançou com algumas datas. Assim:

 

  • Outubro de 2023. Deixa de ser possível vender tabaco aquecido com aromatizantes e entram em vigor as alterações aos locais em que é proibido fumar

 

  • Janeiro de 2025. Entram em vigor as alterações às proibições de venda de tabaco

 

  • Até 2030. Os estabelecimentos que têm espaços reservados a fumadores nos recintos ao abrigo das alterações que entraram em vigor em janeiro de 2023 podem mantê-los até 2030.

 

É fumador e quer deixar de fumar? Existem consultas especializadas neste tema. Subscreva um seguro de saúde e poupe na hora de deixar de fumar.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).