O que é o stress? Reconheça os sintomas

bem-estar

Sabe o que é o stress? Reconheça e controle os sintomas

10 jan 2022 | 4 min de leitura

Desconfia que está stressado? Os sintomas podem ser mentais e físicos e variam de acordo com a pessoa. Relaxe e descubra a resposta.

Alguma vez se sentiu tão sobrecarregado, cansado e desmotivado que o corpo deixou de responder ou reagiu de forma mais agressiva do que o normal? É possível que estivesse a passar por um período de mudança e a sentir-se stressado. Mas, afinal de contas, o que é o stress? É o que vamos tentar perceber.

 

O que é o stress?

Não é fácil definir o que é o stress. Segundo a Mental Health Foundation, uma associação britânica que ajuda as pessoas a perceber e proteger a sua saúde mental, trata-se de uma reação normal do corpo humano a qualquer estímulo ou situação de mudança.

 

Por vezes, estas respostas são positivas e ajudam-nos a adaptar a novos contextos. O problema surge quando desencadeiam um conjunto de mecanismos fisiológicos que influenciam os órgãos internos que regulam a frequência cardíaca, respiratória e a circulação sanguínea.

 

Quando esta segunda situação ocorre, podemos experienciar sintomas que afetam a nossa saúde física e mental, contribuindo, quase sempre, para uma pior qualidade de vida.

 

O stress não afeta todas as pessoas da mesma forma. No entanto, está associado a sintomas tão díspares como uma dor de cabeça, a redução de produtividade e concentração, insónias, ansiedade ou preocupação constante.

 

Quais os sintomas mais comuns do excesso de stress?

O stress influencia quem somos. Pode afetar o nosso corpo, aquilo em que estamos a pensar ou o nosso comportamento. Quanto mais cedo reconhecermos os sintomas, mais facilmente podemos combatê-lo e controlá-lo.

 

Segundo a britânica Mental Health Foundation, o stress pode provocar sintomas físicos e emocionais no nosso corpo, entre os quais:

 

  • Dor de cabeça
  • Ansiedade
  • Tensão ou dor muscular
  • Impaciência
  • Irritabilidade e revolta
  • Dor no peito
  • Falta de motivação ou foco
  • Cansaço
  • Problemas gastrointestinais
  • Diminuição da libido
  • Tristeza e depressão

 

Pode, ainda, provocar alterações comportamentais, tais como:

 

  • Exagero nas reações
  • Ataques de furia
  • Desenvolvimento do hábito de fumar
  • Utilização de álcool ou drogas
  • Isolamento social
  • Redução do exercício físico
  • Distúrbios alimentares

 


Como controlar a ansiedade e o stress?

Ainda que não seja fácil eliminar o stress da nossa vida, existem estratégias para gerir esta situação, como explica o portal de saúde mental e bem estar do ePortugal. Já experimentou algumas?

 

  • Praticar atividade física de modo regular
  • Praticar modalidades que ajudem a relaxar o corpo, como meditação, tai chi, massagens e yoga
  • Desenvolver técnicas de respiração profunda
  • Manter um sentido de humor apurado
  • Dedicar algum tempo a hobbies como a leitura ou música
  • Passar mais tempo com os amigos e com a família
  • Evitar as bebidas alcoólicas, o tabaco e o excesso de cafeína
  • Desenvolver uma dieta saudável e equilibrada


Burnout: quando o trabalho é fonte de ansiedade

O burnout é considerado uma síndrome resultante do stress crónico no local de trabalho e que não foi eficazmente gerido. Nesta síndrome existe um estado de exaustão progressiva (física, emocional e psíquica) provocada por uma redução gradual de satisfação profissional e da capacidade de suportar a carga de trabalho.

 

Desconfia estar em burnout? Procure ajuda profissional para confirmar o diagnóstico.

 

Que doenças podem ser causadas pelo stress?

Por vezes, não é possível gerir sintomas sozinho. Nestes casos, o ideal é procurar o seu médico assistente. Este profissional, em conjunto com outras especialidades médicas, delineará a melhor estratégia para controlar o stress que sente no dia a dia. Outra hipótese é procurar ajuda de um psicólogo ou terapeuta especializado no tema, que poderá ajudá-lo a identificar as fontes do stress e encontrar formas eficazes de relaxar.

 

Se não conseguir controlar os sintomas de stress, pode desenvolver problemas de saúde mais graves, como doenças cardiovasculares, pressão arterial alta, úlceras, diabetes, obesidade ou, em situações profissionais, o burnout.

 

Em qualquer um destes casos, a contratação de um seguro de saúde pode ajudá-lo a ultrapassar um momento menos positivo, sem sacrificar a sua carteira.

 

Os quatro mitos do stress

Mito n.º 1: é uma condição dos novos tempos

O endocrinologista húngaro Hans Selye começou a estudar a situação que hoje conhecemos como stress nos anos 1930. Na altura, definiu-a como “uma resposta não específica do corpo a qualquer estímulo”. Quase cem anos depois, continua a ser difícil de definir. Mas não é de hoje.

 

Mito n.º 2: os hobbies reduzem o stress

Depende do hobby. Ler um livro ou ouvir música são formas ativas de reduzir o stress. Outras atividades, como ver televisão, assistir a filmes e séries, navegar na internet ou jogar videojogos, podem, com o tempo, aumentar os nossos níveis de ansiedade.

 

Mito n.º 3: o meu corpo não sabe responder ao stress

O corpo humano está preparado para sentir stress e reagir a esta experiência. Cada vez que está perante uma mudança ou desafio produz respostas físicas e mentais, às quais damos o nome de stress.

 

Mito n.º 4: o stress é sempre mau

Nem sempre. O stress permite ajustar-nos a diferentes situações e contextos. Mantem-nos alertas para os perigos, mas também motivados para os desafios do futuro. O problema é quando este estado de alerta se torna definitivo, sem momentos de relaxamento.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Alguma vez se sentiu tão sobrecarregado, cansado e desmotivado que o corpo deixou de responder ou reagiu de forma mais agressiva do que o normal? É possível que estivesse a passar por um período de mudança e a sentir-se stressado. Mas, afinal de contas, o que é o stress? É o que vamos tentar perceber.

 

O que é o stress?

Não é fácil definir o que é o stress. Segundo a Mental Health Foundation, uma associação britânica que ajuda as pessoas a perceber e proteger a sua saúde mental, trata-se de uma reação normal do corpo humano a qualquer estímulo ou situação de mudança.

 

Por vezes, estas respostas são positivas e ajudam-nos a adaptar a novos contextos. O problema surge quando desencadeiam um conjunto de mecanismos fisiológicos que influenciam os órgãos internos que regulam a frequência cardíaca, respiratória e a circulação sanguínea.

 

Quando esta segunda situação ocorre, podemos experienciar sintomas que afetam a nossa saúde física e mental, contribuindo, quase sempre, para uma pior qualidade de vida.

 

O stress não afeta todas as pessoas da mesma forma. No entanto, está associado a sintomas tão díspares como uma dor de cabeça, a redução de produtividade e concentração, insónias, ansiedade ou preocupação constante.

 

Quais os sintomas mais comuns do excesso de stress?

O stress influencia quem somos. Pode afetar o nosso corpo, aquilo em que estamos a pensar ou o nosso comportamento. Quanto mais cedo reconhecermos os sintomas, mais facilmente podemos combatê-lo e controlá-lo.

 

Segundo a britânica Mental Health Foundation, o stress pode provocar sintomas físicos e emocionais no nosso corpo, entre os quais:

 

  • Dor de cabeça
  • Ansiedade
  • Tensão ou dor muscular
  • Impaciência
  • Irritabilidade e revolta
  • Dor no peito
  • Falta de motivação ou foco
  • Cansaço
  • Problemas gastrointestinais
  • Diminuição da libido
  • Tristeza e depressão

 

Pode, ainda, provocar alterações comportamentais, tais como:

 

  • Exagero nas reações
  • Ataques de furia
  • Desenvolvimento do hábito de fumar
  • Utilização de álcool ou drogas
  • Isolamento social
  • Redução do exercício físico
  • Distúrbios alimentares

 


Como controlar a ansiedade e o stress?

Ainda que não seja fácil eliminar o stress da nossa vida, existem estratégias para gerir esta situação, como explica o portal de saúde mental e bem estar do ePortugal. Já experimentou algumas?

 

  • Praticar atividade física de modo regular
  • Praticar modalidades que ajudem a relaxar o corpo, como meditação, tai chi, massagens e yoga
  • Desenvolver técnicas de respiração profunda
  • Manter um sentido de humor apurado
  • Dedicar algum tempo a hobbies como a leitura ou música
  • Passar mais tempo com os amigos e com a família
  • Evitar as bebidas alcoólicas, o tabaco e o excesso de cafeína
  • Desenvolver uma dieta saudável e equilibrada


Burnout: quando o trabalho é fonte de ansiedade

O burnout é considerado uma síndrome resultante do stress crónico no local de trabalho e que não foi eficazmente gerido. Nesta síndrome existe um estado de exaustão progressiva (física, emocional e psíquica) provocada por uma redução gradual de satisfação profissional e da capacidade de suportar a carga de trabalho.

 

Desconfia estar em burnout? Procure ajuda profissional para confirmar o diagnóstico.

 

Que doenças podem ser causadas pelo stress?

Por vezes, não é possível gerir sintomas sozinho. Nestes casos, o ideal é procurar o seu médico assistente. Este profissional, em conjunto com outras especialidades médicas, delineará a melhor estratégia para controlar o stress que sente no dia a dia. Outra hipótese é procurar ajuda de um psicólogo ou terapeuta especializado no tema, que poderá ajudá-lo a identificar as fontes do stress e encontrar formas eficazes de relaxar.

 

Se não conseguir controlar os sintomas de stress, pode desenvolver problemas de saúde mais graves, como doenças cardiovasculares, pressão arterial alta, úlceras, diabetes, obesidade ou, em situações profissionais, o burnout.

 

Em qualquer um destes casos, a contratação de um seguro de saúde pode ajudá-lo a ultrapassar um momento menos positivo, sem sacrificar a sua carteira.

 

Os quatro mitos do stress

Mito n.º 1: é uma condição dos novos tempos

O endocrinologista húngaro Hans Selye começou a estudar a situação que hoje conhecemos como stress nos anos 1930. Na altura, definiu-a como “uma resposta não específica do corpo a qualquer estímulo”. Quase cem anos depois, continua a ser difícil de definir. Mas não é de hoje.

 

Mito n.º 2: os hobbies reduzem o stress

Depende do hobby. Ler um livro ou ouvir música são formas ativas de reduzir o stress. Outras atividades, como ver televisão, assistir a filmes e séries, navegar na internet ou jogar videojogos, podem, com o tempo, aumentar os nossos níveis de ansiedade.

 

Mito n.º 3: o meu corpo não sabe responder ao stress

O corpo humano está preparado para sentir stress e reagir a esta experiência. Cada vez que está perante uma mudança ou desafio produz respostas físicas e mentais, às quais damos o nome de stress.

 

Mito n.º 4: o stress é sempre mau

Nem sempre. O stress permite ajustar-nos a diferentes situações e contextos. Mantem-nos alertas para os perigos, mas também motivados para os desafios do futuro. O problema é quando este estado de alerta se torna definitivo, sem momentos de relaxamento.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer receber o ''Guia completo sobre seguros de saúde''?

Insira o seu e-mail para subscrever a newsletter e descarregar o e-book

Já pode ler o e-book ''Guia seguros de saúde''

O e-book foi descarregado. Vai também passar a receber os artigos do Salto no seu e-mail

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).

 

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde