família

Parlamento dos Jovens: tudo o que precisa de saber

03 ago 2023 | 5 min de leitura

A participação política é essencial na vida em democracia. Exercer direitos não passa apenas pelo voto. O Parlamento dos Jovens é importante na dinamização e participação ativa dos jovens na vida política do país.

A participação política é essencial na vida em democracia. Exercer direitos não passa apenas pelo voto. O Parlamento dos Jovens é importante na dinamização e participação ativa dos jovens na vida política do país.

 

 

O que é o Parlamento dos Jovens?

O Parlamento dos Jovens, é um programa aprovado pela Resolução n.º 42/2006, de 2 de junho, dirigido aos jovens dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário, de escolas do ensino público, particular e cooperativo do Continente, das Regiões Autónomas e dos círculos da Europa e de fora da Europa.

 

O Programa culmina com a realização anual de duas sessões nacionais na Assembleia da República:

 

  • uma sessão destinada aos alunos dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
  • uma sessão destinada aos alunos do ensino secundário.

 

Podem inscrever-se para participar no Parlamento dos Jovens todas as escolas do ensino público, particular e cooperativo, a partir do 2.º ciclo do ensino básico, abrangendo o Continente, as Regiões Autónomas e os círculos da Europa e de fora da Europa.

 

A decisão de inscrição cabe à direção de cada escola, em articulação com o órgão de gestão pedagógica até à data indicada no calendário do Programa.

 

Objetivos do programa

O Parlamento dos Jovens é um espaço importante de debate e consolidação de conhecimentos. Pretende-se:

 

  • Educar para a cidadania, estimulando o gosto pela participação cívica e política
  • Dar a conhecer a Assembleia da República, o significado do mandato parlamentar, as regras do debate parlamentar e o processo de decisão do Parlamento, enquanto órgão representativo de todos os cidadãos portugueses
  • Promover o debate democrático, o respeito pela diversidade de opiniões e pelas regras de formação das decisões
  • Incentivar a reflexão e o debate sobre um tema, definido anualmente
  • Proporcionar a experiência de participação em processos eleitorais
  • Estimular as capacidades de expressão e argumentação na defesa das ideias, com respeito pelos valores da tolerância e da formação da vontade da maioria
  • Sublinhar a importância da sua contribuição para a resolução de questões que afetem o seu presente e o futuro individual e coletivo, fazendo ouvir as suas propostas junto dos órgãos do poder político.

 

Cabe à Comissão Parlamentar, com competência na área da Educação, definir as orientações do Programa Parlamento dos Jovens e acompanhar a sua execução.

 

Fases e objetivos

 

O Parlamento dos Jovens acontece ao longo do ano letivo, em 3 fases, nas escolas do ensino básico e do ensino secundário.

 

Fase 1: Escola

 

  • Debate do tema proposto anualmente
  • A escola pode também organizar um debate especial com a participação de um Deputado da Assembleia da República, mediante convite dirigido à Assembleia da República
  • As escolas da Região Autónoma dos Açores e da Região Autónoma da Madeira podem igualmente convidar um Deputado da respetiva Assembleia Legislativa
  • Processo eleitoral, em que se inclui a formação de listas candidatas à eleição de deputados, a campanha e a eleição dos deputados à Sessão Escolar
  • Sessão Escolar, onde se aprova o Projeto de Recomendação da escola e se elegem os respetivos representantes às Sessões a nível distrital ou regional.

 

Fase 2: Distrito/Região Autónoma

 

  • Realização de Sessões Distritais/Regionais, onde se reúnem os deputados que representam as escolas de cada distrito ou região autónoma, para aprovar os Projetos de Recomendação a submeter à Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens e eleger os deputados que os vão representar nesta Sessão.

 

Fase 3: Assembleia da República

 

  • Realização da Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens, onde se reúnem os deputados jovens, a nível nacional, representando cada distrito ou região autónoma, na qual se aprova, após debate em Comissões e em Plenário, a Recomendação final sobre o tema daquela edição do Parlamento dos Jovens.

 

Pode aceder ao Regimento do Parlamento dos Jovens e ao Guia do Jovem Deputado e ler aprofundadamente sobre o Programa.

 

Para as escolas é importante que verifiquem o Guia dos Professores onde estão as principais etapas e prazos para o desenvolvimento do Programa.

 

Exemplos de alguns temas dos anos anteriores

Os temas são variados e estimulam o debate sobre assuntos decorrentes da vida em sociedade e que são preocupações constantes da vida em democracia.

 

2023: Saúde Mental nos Jovens.

2022: Estratégias para combater a desinformação

2020/2021: Violência doméstica e no namoro

2019: Alterações climáticas

2018: Igualdade de género

2017: Os jovens e a Constituição

 

 

Dia Internacional da Juventude

O Dia Internacional da Juventude celebra-se a 12 de agosto, e foi definido na Resolução 54/120, na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) de 17 de dezembro de 1999. Tem como objetivo reconhecer o papel fundamental dos jovens nas sociedades. Para a ONU o jovem é uma pessoa com a idade compreendida entre os 15 e os 24 anos.

 

A juventude desempenha um papel de relevo no progresso da sociedade e na abertura ao debate de questões fundamentais da vida em democracia. O tema este ano do Dia Internacional da Juventude é: Competências verdes para a juventude: Rumo a um mundo sustentável. A crise climática está na ordem do dia e é importante que se tomem medidas e se advogue por políticas climáticas sustentáveis como resposta à crise climática global.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).