empresas

Como criar e gerir um negócio de e-commerce

08 set 2023 | 7 min de leitura

Gostava de expandir o seu negócio? Saiba como é que o e-commerce pode ajudá-lo.

O e-commerce é uma forma de abrir janelas de oportunidades para o seu negócio e chegar a novos mercados. Saiba o que é este modelo de negócio e como implementar uma estratégia eficaz.

 

 

O que é o e-commerce?

É um modelo de negócio em que a compra e venda de produtos ocorre exclusivamente pela via eletrónica, através da internet ou aplicações móveis. Todas as etapas do processo, desde a seleção do produto, entrega, forma de pagamento e conclusão da compra, são realizadas virtualmente.

 

Para que serve?

O e-commerce tem como propósito facilitar a compra e venda de produtos e serviços online. Isso significa que o consumidor pode encontrar o que procura, em qualquer lugar do mundo, de forma conveniente e rápida. Para as empresas, o e-commerce é sinónimo de redução de custos e maior inovação tecnológica. Atualmente, as vendas através de e-commerce estão em constante crescimento, devido à comodidade que representam para os consumidores.

 

Que tipos de e-commerce existem?

De modo geral, quando pensamos em comércio eletrónico, pensamos numa transação comercial online entre um fornecedor e um cliente. No entanto, existem outros tipos de e-commerce. Cada um tem uma abordagem específica para atender a diferentes necessidades:

 

  • B2B (business to business) envolve transações entre empresas
  • B2C (business to consumer) permite que empresas vendam diretamente a consumidores
  • C2C (consumer to consumer) envolve consumidores que compram e vendem entre si
  • C2B (consumer do business) inverte esse papel tradicional
  • G2B (government to business) refere-se a transações governo-empresa
  • G2C (government to consumer) implica que o governo forneça serviços aos cidadãos online
  • M-commerce (mobile commerce) diz respeito a compras feitas em dispositivos móveis.

 

 

E-commerce: qual a diferença entre loja virtual e marketplace?

Se pretende apostar no e-commerce, existem duas vias para fazê-lo:

 

1. Loja Virtual: categoria específica de e-commerce. Pertence a uma única empresa ou marca, vendendo exclusivamente produtos próprios ou serviços através de um site. Tem mais custos e exige maior investimento em tecnologia, mas permite à marca destacar-se num espaço próprio

 

2. Marketplace: é uma plataforma onde múltiplos vendedores ou marcas independentes oferecem os seus produtos ou serviços num único local. É como uma feira ou centro comercial: tem mais visitantes, mas acolhe várias marcas, o que torna mais fácil a comparação com a concorrência nacional e internacional.

 

 

Quais as vantagens e desvantagens do e-commerce?

Há várias vantagens no e-commerce para empresários que não querem montar uma loja física. Algumas das mais-valias são:

 

Menos custos

Gerir uma loja de e-commerce é menos dispendioso do que uma loja física, uma vez que não é necessário arrendar um espaço para atendimento ao público, pagar eletricidade, água e gás, ou contratar funcionários para a loja. Num negócio de e-commerce, os custos típicos incluem a criação do site, o alojamento web, marketing e armazenamento de stock.

 

Público mais extenso

Com um negócio e-commerce é possível alcançar clientes em todo o mundo. Desta forma, um pequeno negócio pode chegar a qualquer parte do mundo e angariar mais clientes do que uma loja local.

 

Está aberto 24 horas por dia

A possibilidade de ter clientes a fazer compras a qualquer hora do dia - sem ter que ter uma loja fisicamente aberta - é uma grande vantagem.

 

Escalabilidade

Numa loja física, quanto maior o crescimento, maiores os custos com funcionários, com arrendamento de espaços e com as despesas fixas. Já o crescimento de um negócio de e-commerce, também pede um crescimento estrutural, entretanto, numa proporção muito menor.

 

Do lado das desvantagens é preciso estar especialmente atento:

 

  • À segurança online. O perigo de ataques realizados por hackers que consigam roubar informação pessoal e financeira aos seus clientes é uma realidade

 

  • Às questões tecnológicas que podem afetar o desempenho. Basta umas horas que o site esteja em baixo para impactar negativamente as vendas

 

  • À concorrência. Ter uma loja virtual está ao alcance de qualquer negócio, por isso, a concorrência é maior

 

  • À logística dos envios. Esta é uma das despesas mais elevadas de um negócio e-commerce e, também um dos serviços mais avaliados pelos consumidores, pelo que deve prestar atenção a todo o processo, da preparação, embalamento e envio da encomenda.

 

 

9 passos para criar um e-commerce

1. Identifique o público-alvo e os produtos a vender mediante uma pesquisa de mercado completa

 

2. Escolha um nome de domínio relevante e um serviço de alojamento

 

3. Opte por uma plataforma de e-commerce (como, por exemplo, o Shopify ou o WooCommerce) e personalize a experiência do utilizador no site

 

4. Crie sistemas de pagamento seguros, seguindo as orientações das entidades reguladoras

 

5. Defina políticas, incluindo termos e condições, para cumprir regulamentações legais

 

6. Trabalhe nas descrições dos produtos e assegure a qualidade das imagens e vídeos para uma apresentação eficaz

 

7. Elabore um plano para o controlo de inventário e todo o processo logístico

 

8. Realize testes completos para garantir o correto funcionamento do site, em todas as suas dimensões

 

9. Desenvolva com a sua equipa de marketing uma estratégia online para aumentar a visibilidade da marca, alcançar mais pessoas e atrair clientes.

 

 

Que métricas ter em conta para avaliar a performance?

No comércio eletrónico são usadas ferramentas de análise, que ajudam a conhecer melhor os clientes, potenciais clientes e o processo de compra. Podemos, por exemplo, saber qual é a sua idade, género e hábitos de consumo.

 

Para avaliar o sucesso do e-commerce deve definir as métricas de desempenho (KPI) e acompanhá-las regularmente. Os KPIs (Key Performance Indicators) são os Indicadores-Chave de Desempenho de um negócio. Permitem-lhe avaliar elementos como:

 

  • Os produtos mais vendidos
  • O tipo de público que faz mais compras no seu site
  • Os melhores canais de comunicação
  • O desempenho das campanhas
  • A eficiência do processo de vendas
  • A eficiência do atendimento e potencial para a fidelização de clientes.

 

As métricas de e-commerce podem ser organizadas em diferentes categorias:

 

  • Métricas de conversão - medem a eficácia na conversão de visitantes do site em clientes, o que pode ser analisado pela percentagem de visitantes que realizaram uma compra em relação ao total de visitantes

 

  • Métricas de engagement - revelam o nível de interação e experiência dos visitantes no site, incluindo a taxa de rejeição (bounce rate) e o tempo médio no site

 

  • Métrica de satisfação do cliente - mede o grau de satisfação e fidelidade dos clientes, por exemplo, através de pesquisas de satisfação e análise de feedback

 

  • Métricas de Operações - monitorizam os processos logísticos e de atendimento ao cliente, como a taxa de devolução e reembolso

 

  • Métricas de desempenho do site - indicam a eficiência e a usabilidade do site, incluindo o tempo de carregamento da página e a taxa de rejeição de páginas de produto.

 

 

Quais as melhores práticas para ter um e-commerce de sucesso?

Para criar um e-commerce de sucesso é importante seguir algumas guidelines:

 

  • Comece por um design que facilite a navegação e ofereça conteúdo de alta qualidade. Disponibilize descrições detalhadas dos produtos

 

  • Garanta segurança nas transações, incluindo protocolos SSL e várias opções de pagamento robustas e de confiança.

 

  • Procure desenvolver uma política de devolução transparente e eficaz, juntamente com suporte ao cliente, preferencialmente em tempo real

 

  • Implemente estratégias de marketing de conteúdo, otimize o site para motores de busca (SEO) e utilize campanhas de email marketing para atrair e manter clientes.

 

 

Quais as tendências do e-commerce?

Umas das primeiras tendências que é possível identificar é a integração omnicanal, que combina as experiências de compra online e offline. Simultaneamente, o mobile continua a crescer, com estudos a indicar que a maioria das vendas passará a ocorrer através de dispositivos móveis. Isto é significante na dinâmica de otimização de sites para dispositivos móveis.

 

Verifica-se ainda que o "social commerce" está em ascensão, com vendas substanciais a ocorrerem através das redes sociais. As gerações mais jovens confiam nestas plataformas, como o TikTok, para tomar decisões de compra. Neste sentido, estratégias de marketing centradas nas comunidades, bem como parcerias com influenciadores, podem desempenhar um papel fundamental na aquisição e fidelização de clientes.

 

O que é um e-commerce manager?

É um profissional que monitoriza todas as operações de e-commerce. Supervisiona o “look & feel” do site, e desempenha um papel crucial na gestão de vendas através dos canais online.

 

 

Portugal 2030: conheça o apoio à internacionalização via e-commerce

As empresas que pretendem iniciar ou reforçar a sua presença internacional através dos canais de comércio eletrónico podem beneficiar do incentivo à Internacionalização via e-commerce, uma medida do Plano de Recuperação e Resiliência que visa dinamizar as exportações online de produtos e serviços portugueses.

 

Através deste apoio, as PME obtêm apoio para os seus projetos individuais de presença direta nos canais online, como a criação de lojas próprias e/ou adesão a marketplaces, bem como o desenvolvimento de campanhas de promoção online.

 

O incentivo Internacionalização via e-commerce apoia as empresas portuguesas em duas tipologias:

 

  • “Novas Exportadoras”: despesas elegíveis entre 10 mil e 25 mil euros
  • “Mais Mercados” para empresas que já tenham experiência internacional: despesas elegíveis entre 25 mil e 85 mil euros.

 

O apoio a conceder reveste a forma de incentivo não reembolsável e é calculado a uma taxa de 50% sobre as despesas elegíveis apuradas. Nomeadamente:

 

  • Aquisição de equipamentos e software diretamente relacionados com a implementação do projeto de e-commerce

 

  • Aquisição de serviços de terceiros relacionados com estratégia de canais digitais, plataformas de gestão de conteúdos, campanhas, clientes e e-commerce, criação de lojas próprias online, marketplaces, publicidade online, analytics, entre outras

 

  • Custos com recursos humanos especializados diretamente afetos à implementação do projeto.

 

Como se candidatar?

1. Realizar diagnóstico de e-commerce. Previamente à submissão da candidatura, a PME deve realizar o Diagnóstico de E-Commerce no website Portugal Exporta

 

2. Desenvolver um plano de e-commerce internacional. Deve apresentar um Plano detalhado de E-Commerce Internacional que sustente a apresentação da candidatura e, por outro lado, a definição da tipologia da candidatura a submeter

 

3. Realizar a candidatura no Balcão dos Fundos. As candidaturas são realizadas através de formulário eletrónico disponível no Balcão dos Fundos, juntando, em anexo, o Diagnóstico de E-Commerce e o Plano de E-Commerce Internacional.

 

As candidaturas estão abertas até dia 20 de outubro de 2023.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Canto produtos e serviços bancários para empresas

Portal Business - 100% online

Tudo o que precisa para gerir o seu negócio. A escolha é sua.

Portal Business

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).