Como fazer um plano de negócios

finanças

Passo a passo: como fazer um plano de negócios

14 nov 2022 | 5 min de leitura

Tem ideias de negócio que gostava de colocar em prática e precisa de financiamento? Saiba como fazer um plano de negócios que consiga chamar a atenção.

O João tem uma ideia para abrir um negócio. Na sua cabeça, essa ideia parece ótima e à prova de bala. Mas o que acontece quando passa esse projeto para o papel e o apresenta a potenciais investidores ou financiadores?

 

Para que a sua ideia, ou projeto, seja bem recebida, deve ser estruturada e apresentada. É, por isso, importante que tenha um plano de negócios bem fundamentado.

 

 

O que é um plano de negócios

A construção de qualquer negócio começa no papel antes de se tornar real. O plano de negócio serve para estabelecer metas e objetivos, definir métodos e que recursos devem ser alocados para que os objetivos sejam alcançados. Trata-se de um documento da maior relevância atendendo o nível de detalhe do negócio.

 

Na prática, é um documento descritivo que explica todas as vertentes do negócio com uma linguagem simples, objetiva e percetível por terceiros. O plano de negócios deve conter a ideia do negócio, setor, concorrência, fornecedores, clientes, produtos/serviços que serão vendidos, informação pormenorizada sobre a expectativa de vendas, estratégia de marketing, viabilidade económica e projeções de custos e lucros.

 

 

Tipos de planos de negócios

Existem diversos tipos de planos de negócio, sendo os principais:

 

  • Plano inicial. “Start-up Plan”, que irá definir as linhas gerais de uma nova ideia de negócio

 

  • Plano de crescimento ou expansão. Foca-se numa área específica de negócio ou num negócio secundário, como o lançamento de um novo produto

 

  • Plano de reestruturação. Foca-se na identificação dos problemas e propostas de solução através de alterações à estratégia, com o objetivo de tornar a empresa viável.

 

 

Qual a importância do plano de negócios?

O plano de negócios é essencial numa fase inicial, uma vez que ajuda a refletir sobre aspetos importantes para a construção do negócio que está a implementar. É, ainda, uma peça fundamental para apresentar o projeto a potenciais investidores ou recorrer a uma candidatura a um empréstimo, caso seja esse o objetivo.

 

Existem ainda outros objetivos para a realização de um plano de negócio, como por exemplo:

 

  • Estabelecer o valor do negócio em caso de venda ou para efeitos legais
  • Avaliar uma nova linha de produto, promoção ou crescimento
  • Analisar a concorrência.

 

 

Como fazer um plano de negócios passo a passo

O plano de negócios deve ser redigido respeitando algumas diretrizes relativas à forma e ao conteúdo. De acordo com o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI), a estrutura do plano de negócios deve ser a seguinte:

 

1. Sumário executivo

Deve resumir, em cerca de 500 palavras, o que será descrito nos próximos capítulos. Lembre-se que a linguagem deve ser simples, objetiva e de fácil compreensão, para não dispersar a atenção dos leitores. Alguns pontos que devem ser abordados são:

 

  • Nome do negócio e a área de atividade
  • Missão da empresa
  • Âmbito do negócio e o mercado potencial
  • Porque é uma proposta com potencial vencedor
  • Recursos, humanos e financeiros necessários
  • Prazo previsto para começar a apresentar lucros
  • Pontos fortes e fracos do projeto

 

2. História da empresa

Serve para contextualizar a empresa e os empresários por detrás da ideia. Deve explicar por que é que decidiu criar a empresa, se tem alguma experiência em gestão de negócios e se já conhece bem o mercado em que pretende entrar. É, ainda, importante explicar qual a missão da companhia e como é que esta vai fazer a diferença no mercado.

 

3. Análise de mercado

É importante que conheça o mercado do seu negócio: a dimensão, estádio de desenvolvimento, tipos de clientes e competição. Esta análise é essencial para fundamentar a viabilidade da ideia e demonstrar o conhecimento que tem sobre o negócio, um dos fatores fundamentais para potenciais investidores.

 

4. Produto, ideia ou serviço

Nesta área deve descrever o produto ou serviço que irá comercializar. Comece com uma descrição do produto ou serviço, explique o que o distingue da concorrência e por que o cliente poderá optar pela sua oferta em relação à concorrência. Ou seja, deve fazer uma análise da concorrência e explicar que diferença fará o seu produto ou serviço no mercado (Proposta Única de Valor). Deve, ainda, abordar a existência de patentes ou licenças, se for o caso, assim como o processo produtivo e as ações necessárias para lançar o produto.

 

5. Plano de marketing

Depois de apresentar a Proposta Única de Valor, é altura de passar para a parte comercial do projeto. Ou seja, como é que o produto funcionará no mercado e como pretende dá-lo a conhecer ao grande público. É aqui que deve colocar o preço do produto, explicando como foi definido. Deve, ainda, explicar a distribuição do produto ou serviço, que canais pretende utilizar (loja, site ou parcerias, por exemplo), assim como a promoção do produto.

 

6. Gestão e controlo do negócio

Aqui deverá abordar como é que a empresa está estruturada: direção, administração, área de produção e de vendas. Deve descrever o perfil de cada função dentro da empresa, explicar a hierarquia (quem toma as decisões?), que qualificações os funcionários devem ter e como será feita a gestão dos recursos humanos.

 

7. Investimento necessário

Se procura investimento ou financiamento, é importante explicar qual a necessidade de capitais para colocar o projeto em andamento, discriminando tudo o que a empresa necessita comprar e as despesas previstas, assim como as diferentes fases em que o investimento é essencial. Assim, e além do plano de negócios, é importante que tenha um plano de investimentos preparado para apresentar os futuros investidores.

 

8. Projeções financeiras

A viabilidade do projeto está bastante dependente deste capítulo do plano de negócios e demonstra que o “trabalho de casa” está bem feito. Aqui deve mostrar que delineou o plano financeiro do projeto e colocar algumas projeções financeiras, como:

 

  • Vendas (quanto espera vender)
  • Cash Flow (resultado líquido entre as entradas e saídas de dinheiro)
  • Break-Even (quando espera que o valor das receitas seja igual aos custos e os resultados operacionais sejam positivos).

 

 

Planos de negócio simplificado

O modelo canvas de plano de negócio é um exemplo de uma ferramenta que permite a visualização simplificada da totalidade do seu negócio num quadro, com os principais tópicos que devem ser tidos em consideração. Este modelo estrutura o desenho do negócio em nove blocos que cobrem as áreas:

 

  • Parcerias
  • Atividades chave
  • Proposta de valor
  • Relação com os clientes
  • Segmentação
  • Canais de distribuição
  • Recursos necessários
  • Custos
  • Receitas.

 

Quer opte por fazer uma versão mais profunda ou mais simples, é importante ter um plano de negócios para estruturar a sua ideia, identificar fraquezas e pontos fortes e chamar a atenção de investidores. Se precisa de financiamento, pode encontrar soluções adequadas às várias fases de uma empresa, que ajudam a realizar os seus sonhos e objetivos.

O João tem uma ideia para abrir um negócio. Na sua cabeça, essa ideia parece ótima e à prova de bala. Mas o que acontece quando passa esse projeto para o papel e o apresenta a potenciais investidores ou financiadores?

 

Para que a sua ideia, ou projeto, seja bem recebida, deve ser estruturada e apresentada. É, por isso, importante que tenha um plano de negócios bem fundamentado.

 

 

O que é um plano de negócios

A construção de qualquer negócio começa no papel antes de se tornar real. O plano de negócio serve para estabelecer metas e objetivos, definir métodos e que recursos devem ser alocados para que os objetivos sejam alcançados. Trata-se de um documento da maior relevância atendendo o nível de detalhe do negócio.

 

Na prática, é um documento descritivo que explica todas as vertentes do negócio com uma linguagem simples, objetiva e percetível por terceiros. O plano de negócios deve conter a ideia do negócio, setor, concorrência, fornecedores, clientes, produtos/serviços que serão vendidos, informação pormenorizada sobre a expectativa de vendas, estratégia de marketing, viabilidade económica e projeções de custos e lucros.

 

 

Tipos de planos de negócios

Existem diversos tipos de planos de negócio, sendo os principais:

 

  • Plano inicial. “Start-up Plan”, que irá definir as linhas gerais de uma nova ideia de negócio

 

  • Plano de crescimento ou expansão. Foca-se numa área específica de negócio ou num negócio secundário, como o lançamento de um novo produto

 

  • Plano de reestruturação. Foca-se na identificação dos problemas e propostas de solução através de alterações à estratégia, com o objetivo de tornar a empresa viável.

 

 

Qual a importância do plano de negócios?

O plano de negócios é essencial numa fase inicial, uma vez que ajuda a refletir sobre aspetos importantes para a construção do negócio que está a implementar. É, ainda, uma peça fundamental para apresentar o projeto a potenciais investidores ou recorrer a uma candidatura a um empréstimo, caso seja esse o objetivo.

 

Existem ainda outros objetivos para a realização de um plano de negócio, como por exemplo:

 

  • Estabelecer o valor do negócio em caso de venda ou para efeitos legais
  • Avaliar uma nova linha de produto, promoção ou crescimento
  • Analisar a concorrência.

 

 

Como fazer um plano de negócios passo a passo

O plano de negócios deve ser redigido respeitando algumas diretrizes relativas à forma e ao conteúdo. De acordo com o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI), a estrutura do plano de negócios deve ser a seguinte:

 

1. Sumário executivo

Deve resumir, em cerca de 500 palavras, o que será descrito nos próximos capítulos. Lembre-se que a linguagem deve ser simples, objetiva e de fácil compreensão, para não dispersar a atenção dos leitores. Alguns pontos que devem ser abordados são:

 

  • Nome do negócio e a área de atividade
  • Missão da empresa
  • Âmbito do negócio e o mercado potencial
  • Porque é uma proposta com potencial vencedor
  • Recursos, humanos e financeiros necessários
  • Prazo previsto para começar a apresentar lucros
  • Pontos fortes e fracos do projeto

 

2. História da empresa

Serve para contextualizar a empresa e os empresários por detrás da ideia. Deve explicar por que é que decidiu criar a empresa, se tem alguma experiência em gestão de negócios e se já conhece bem o mercado em que pretende entrar. É, ainda, importante explicar qual a missão da companhia e como é que esta vai fazer a diferença no mercado.

 

3. Análise de mercado

É importante que conheça o mercado do seu negócio: a dimensão, estádio de desenvolvimento, tipos de clientes e competição. Esta análise é essencial para fundamentar a viabilidade da ideia e demonstrar o conhecimento que tem sobre o negócio, um dos fatores fundamentais para potenciais investidores.

 

4. Produto, ideia ou serviço

Nesta área deve descrever o produto ou serviço que irá comercializar. Comece com uma descrição do produto ou serviço, explique o que o distingue da concorrência e por que o cliente poderá optar pela sua oferta em relação à concorrência. Ou seja, deve fazer uma análise da concorrência e explicar que diferença fará o seu produto ou serviço no mercado (Proposta Única de Valor). Deve, ainda, abordar a existência de patentes ou licenças, se for o caso, assim como o processo produtivo e as ações necessárias para lançar o produto.

 

5. Plano de marketing

Depois de apresentar a Proposta Única de Valor, é altura de passar para a parte comercial do projeto. Ou seja, como é que o produto funcionará no mercado e como pretende dá-lo a conhecer ao grande público. É aqui que deve colocar o preço do produto, explicando como foi definido. Deve, ainda, explicar a distribuição do produto ou serviço, que canais pretende utilizar (loja, site ou parcerias, por exemplo), assim como a promoção do produto.

 

6. Gestão e controlo do negócio

Aqui deverá abordar como é que a empresa está estruturada: direção, administração, área de produção e de vendas. Deve descrever o perfil de cada função dentro da empresa, explicar a hierarquia (quem toma as decisões?), que qualificações os funcionários devem ter e como será feita a gestão dos recursos humanos.

 

7. Investimento necessário

Se procura investimento ou financiamento, é importante explicar qual a necessidade de capitais para colocar o projeto em andamento, discriminando tudo o que a empresa necessita comprar e as despesas previstas, assim como as diferentes fases em que o investimento é essencial. Assim, e além do plano de negócios, é importante que tenha um plano de investimentos preparado para apresentar os futuros investidores.

 

8. Projeções financeiras

A viabilidade do projeto está bastante dependente deste capítulo do plano de negócios e demonstra que o “trabalho de casa” está bem feito. Aqui deve mostrar que delineou o plano financeiro do projeto e colocar algumas projeções financeiras, como:

 

  • Vendas (quanto espera vender)
  • Cash Flow (resultado líquido entre as entradas e saídas de dinheiro)
  • Break-Even (quando espera que o valor das receitas seja igual aos custos e os resultados operacionais sejam positivos).

 

 

Planos de negócio simplificado

O modelo canvas de plano de negócio é um exemplo de uma ferramenta que permite a visualização simplificada da totalidade do seu negócio num quadro, com os principais tópicos que devem ser tidos em consideração. Este modelo estrutura o desenho do negócio em nove blocos que cobrem as áreas:

 

  • Parcerias
  • Atividades chave
  • Proposta de valor
  • Relação com os clientes
  • Segmentação
  • Canais de distribuição
  • Recursos necessários
  • Custos
  • Receitas.

 

Quer opte por fazer uma versão mais profunda ou mais simples, é importante ter um plano de negócios para estruturar a sua ideia, identificar fraquezas e pontos fortes e chamar a atenção de investidores. Se precisa de financiamento, pode encontrar soluções adequadas às várias fases de uma empresa, que ajudam a realizar os seus sonhos e objetivos.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).