finanças

O que é o malware e como se proteger desta ameaça?

07 jul 2022 | 3 min de leitura

O software malicioso pode causar uma grande dor de cabeça, tornando os seus dispositivos inoperacionais. Saiba o que é o malware e como proteger o seu computador destes ataques informáticos.

O que é malware?

Ao contrário da gripe, que é sazonal, os vírus de computador (uma forma de malware) não têm uma época do ano preferida para atacar. Para estes softwares, todos os dias são perfeitos para entrar nos seus dispositivos e deixá-los doentes. Contudo, em vez de ficarem a tremer de frio, com tosse e febre, ficam mais lentos, sem conseguir trabalhar ou com falhas inesperadas. Saiba o que é o malware e como prevenir que o deixem doente.

 

 

Malware: o que é?

O termo malware refere-se a um software nocivo que interrompe ou manipula a operação normal de um dispositivo eletrónico. Pode infetar computadores pessoais, smartphones, tablets, servidores e até mesmo equipamentos domésticos — basicamente qualquer dispositivo com recursos de computação e que esteja ligado à internet.

 

 

Como funciona o malware informático?

O malware pode entrar no seu dispositivo enquanto navega em sites pirateados, clica em demonstrações de jogos, transfere ficheiros de música infetados, instala novas barras de ferramentas, configura software de uma fonte suspeita, abre um anexo de um e-mail malicioso ou quando faz download de conteúdo da Internet para um dispositivo que não esteja protegido.

 

Pode esconder-se em aplicações aparentemente legítimas, especialmente quando descarregadas de sites ou através de SMS, em vez de uma loja segura. Consoante os diferentes tipos de malware, o código malicioso executa ações que podem incluir:

 

  • Auto-replicação em diferentes partes do sistema de ficheiros

 

  • Reduzir a velocidade do sistema operativo

 

  • Bloquear o acesso a documentos, programas ou até ao sistema, obrigando o utilizador a fazer um pagamento para recuperar o acesso

 

  • Bombardear o computador com pop-ups

 

  • Tornar o dispositivo inoperável

 

 

Qual o objetivo do software malicioso?

Ao espalhar malware, os cibercriminosos podem ter vários objetivos. Sendo os principais:

 

  • Roubo de identidade. Podem utilizar os seus dados pessoais para se fazerem passar por si - ou vendê-los na dark web - e cometer crimes.

 

  • Aceder à sua conta bancária. Utilizando técnicas de spyware, os hackers podem roubar as suas passwords e, assim, conseguirem entrar na sua conta bancária para desviarem dinheiro.

 

  • Espionagem empresarial. As empresas podem roubar informações da concorrência para depois utilizá-las a seu favor.

 

  • Sabotagem. Às vezes, a intenção é apenas causar o caos. Os hackers podem apagar apagar ficheiros, registos ou impedir que acedam ao sistema para causar danos.

 

  • Extorsão. A técnica de ransomware criptografa os arquivos ou dispositivos da vítima e exige pagamento para autorizar o acesso de novo. O objetivo é fazer com que a vítima – uma pessoa, instituição ou governo – pague o resgate.

 

  • Mineração de criptomoedas. Forçando o computador da vítima a gerar ou minerar criptomoedas para o invasor.

 

 

Como prevenir o malware?

Quando se trata de malware, é melhor prevenir do que remediar. Incorpore as seguintes dicas na sua vida digital para minimizar o risco e proteger-se contra um possível ataque:

 

  • Não confie em estranhos online. E-mails desconhecidos, alertas abruptos e perfis falsos são os métodos mais comuns para espalhar malware. A regra é: em caso de dúvida, não clique.

 

  • Investigue antes de fazer downloads. É importante verificar se o site de onde está a fazer o download é confiável.

 

  • Instale um bloqueador de anúncios. Alguns anúncios infetados (mais conhecido como malvertising) podem instalar malware no seu dispositivo assim que aparecem, sem que tenha de clicar.

 

  • Mantenha o seu software atualizado. Caso contrário pode deixar o seu dispositivo vulnerável.

 

  • Evite clicar em pop-ups. Sempre que conseguir, feche a janela no “X” que costuma estar no canto superior direito.

 

  • Atenção aos e-mails. Se receber uma mensagem do seu banco a pedir para clicar num link, para fornecer dados pessoais ou para alterar os códigos de acesso ao homebanking, não o faça e denuncie a situação.

 

  • Execute análises regularmente. Utilizando o software de segurança que instalou no dispositivo.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).