Como poupar dinheiro nas férias

família

5 dicas para poupar até nas férias

26 jul 2021 | 6 min de leitura
Poupar durante o ano e gastar sem restrições durante uns dias? Talvez não seja boa ideia. Veja como poupar nas férias e manter as contas em ordem.

Poupar nas férias pode parecer uma contradição, já que estes dias de descanso são sempre convidativos a não olhar a despesas. Mas pode conseguir gastar menos sem que isso signifique andar a contar cêntimos.

 

Sim, há sempre lugar para uma extravagância e até para um cocktail caro, que vai colorir o seu Instagram. Mas em vez de passar as férias a fazer tudo o que fazem milhares de turistas no mesmo local, procure alternativas que até podem ser bem mais divertidas. E certamente mais baratas.

 

Esqueça as avenidas mais movimentadas e descubra as ruas mais calmas, onde as lojas e os restaurantes são frequentados, sobretudo, por habitantes locais. Vai gastar menos dinheiro, mas terá experiências mais ricas.

 

Como poupar nas férias

 

1. Viagens

Todos conhecemos a dica antiga de marcar as viagens com muita antecedência para conseguir melhores preços. Mas nos últimos tempos também percebemos que, numa época tão imprevisível, marcar férias com meses de avanço pode não ser boa ideia.

 

Confinamentos, países que fecham fronteiras ou aumentam as restrições, quarentenas… Não são férias de sonho, pois não?

 

A solução pode passar justamente pelo contrário. Deixar de planear e improvisar. Há duas palavras que podem ajudar a poupar muito em voos: last minute. Ou, como se diz em português: “à última da hora”.

 

Pode encontrar estes voos nos sites das companhias aéreas, agências de viagens ou em plataformas especializadas. Pode procurar por um destino e, em certas plataformas, receber alertas semanais sobre voos baratos. Tem um destino em mente? Configure um alerta para receber uma notificação se aparecer uma viagem a um preço mais baixo do que o habitual.

 

Se quer mesmo planear e marcar com antecedência, evite fins de semana, feriados e épocas como o mês de agosto ou o Natal. Mas atenção, nem sempre viajar fora de época é bom. Ir para as Caraíbas na época dos furacões é realmente mais barato. Mas será boa ideia?

 

Viajar de carro ou numa autocaravana também pode ser uma boa solução para as férias em família, dentro ou fora de Portugal. E, caso escolha a última opção, já tem o problema do alojamento resolvido.

 

Se vai viajar de comboio ou autocarro, escolha horários noturnos. Pode dormir durante a viagem e poupa uma noite de alojamento.

 

2. Alojamento

Um hotel de cinco estrelas mesmo junto à praia ou um de três estrelas que fique a poucos minutos de carro? Um hotel ou um alojamento local? A resposta certa é… depende.

 

Se o hotel for muito recente ou estiver em soft opening (ou seja, com um número limitado de hóspedes), pode encontrar uma boa campanha com preços mais baixos.

 

Numa zona com muitos hotéis a concorrência é maior e pode ser mais fácil descobrir uma maneira de gastar menos. Mas tenha cuidado: se um hotel é demasiado barato, pode deixar a desejar noutros aspetos. Não se deixe enganar por fotografias ou por opiniões que podem ter sido pagas. Procure em fóruns, sites especializados ou pergunte a amigos e familiares.

 

As plataformas que comparam preços podem ser uma boa forma de descobrir hotéis baratos, mas atenção, porque os preços podem mudar rapidamente. Pode até optar por ligar diretamente para o hotel antes de reservar. Por vezes, os hotéis têm campanhas e pode ficar mais barato.

 

E, claro, tem sempre a opção do alojamento local, mas seguindo todas as recomendações já dadas: verificar o que dizem outros hóspedes e pesquisar bastante.

 

Uma boa localização pode fazer subir o preço, mas permite poupar em transportes ou no aluguer de um carro. Mas tente perceber se ficar longe do lazer, comércio e serviços compensa o tempo e o dinheiro que vai gastar em deslocações para ir à praia, ao centro ou até ao supermercado.

 

Se tem crianças, procure hotéis que ofereçam a cama extra se os filhos dormirem no quarto dos pais.

 

3. Refeições

Para muitas pessoas, a solução para poupar nas refeições é evitar hotéis e ficar em locais onde possam cozinhar. Pode ser realmente uma boa solução, mas tem como inconveniente o facto de passar algumas horas das férias entre a cozinha e o supermercado.

 

Há também quem, ficando em hotéis, usufrua bem do pequeno-almoço, de forma a não almoçar. Ou aproveite para levar fruta (ou até sandes) para comer mais tarde.

 

Ainda assim, há outras formas de poupar na alimentação em férias. Regra número 1: coma onde os habitantes locais comem. Que não é naquela esplanada fantástica (mas muito cara) mesmo em cima da praia.

 

Pequenos restaurantes e cafés um pouco afastados das zonas mais turísticas são, muitas vezes, tesouros escondidos, onde a comida é melhor e mais barata.

 

Passe num supermercado ou mercearia para comprar fruta e água antes de ir para a praia, porque vai gastar menos do que se comprar as mesmas coisas num café à beira-mar.

 

Menu infantil? Muitas vezes não compensa e nem sempre as opções são as mais saudáveis. Se os seus filhos comem pouco, peça sopa e depois divida o seu prato com eles.

 

E porque não descobrir parques onde possa fazer piqueniques? Pode relaxar, aproveitar para apanhar ar puro e os seus filhos vão adorar.

 

4. Passeios e atividades de lazer

A regra de fazer o que os locais fazem também se aplica aqui. Passeie pelos locais menos concorridos, descubra museus e outras atividades menos conhecidas e que, provavelmente, são mais baratas.

 

A palavra que deve procurar é “grátis”. E, hoje em dia, não faltam, em qualquer local, coisas para fazer sem gastar dinheiro. Seja assistir a um espetáculo, fazer um “tour” a pé ou até, encontrar aquele miradouro secreto de onde é possível ter as melhores vistas da cidade sem pagar.

 

Antes de viajar dedique algum tempo a estudar o seu destino. Quais são os dias em que os museus são gratuitos? É possível percorrer a cidade a pé, sem gastar dinheiro em transportes? Há bilhetes especiais para grupos ou famílias? Para onde é que os habitantes vão quando querem descontrair?

 

Se gosta de conhecer pessoas novas, procure, nas redes sociais, grupos de portugueses que vivam no destino para onde vai. Certamente que vai receber dicas importantes sobre locais imperdíveis e, quem sabe, até uma visita guiada na sua língua materna.

 

5. Souvenirs e compras

São essenciais? Não. As fotos que tirou são a melhor recordação das férias. Se quer dar uma lembrança a um familiar ou amigo imprima uma foto de uma dessas paisagens, escreva uma dedicatória e terá uma versão século XXI de um bilhete postal.

 

Quanto às compras, só mesmo se for bastante mais barato do que em Portugal. Caso contrário, arrisca-se a comprar artesanato que vai ficar em casa esquecido num canto ou uma camisa garrida que nunca vai usar.

 

Poupar nas férias não significa passar os dias a fazer contas - ou nem seriam férias. Há sempre maneiras simples e divertidas de usufruir de dias de descanso sem que o regresso a casa obrigue a apertar ainda mais o orçamento.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Poupar nas férias pode parecer uma contradição, já que estes dias de descanso são sempre convidativos a não olhar a despesas. Mas pode conseguir gastar menos sem que isso signifique andar a contar cêntimos.

 

Sim, há sempre lugar para uma extravagância e até para um cocktail caro, que vai colorir o seu Instagram. Mas em vez de passar as férias a fazer tudo o que fazem milhares de turistas no mesmo local, procure alternativas que até podem ser bem mais divertidas. E certamente mais baratas.

 

Esqueça as avenidas mais movimentadas e descubra as ruas mais calmas, onde as lojas e os restaurantes são frequentados, sobretudo, por habitantes locais. Vai gastar menos dinheiro, mas terá experiências mais ricas.

 

Como poupar nas férias

 

1. Viagens

Todos conhecemos a dica antiga de marcar as viagens com muita antecedência para conseguir melhores preços. Mas nos últimos tempos também percebemos que, numa época tão imprevisível, marcar férias com meses de avanço pode não ser boa ideia.

 

Confinamentos, países que fecham fronteiras ou aumentam as restrições, quarentenas… Não são férias de sonho, pois não?

 

A solução pode passar justamente pelo contrário. Deixar de planear e improvisar. Há duas palavras que podem ajudar a poupar muito em voos: last minute. Ou, como se diz em português: “à última da hora”.

 

Pode encontrar estes voos nos sites das companhias aéreas, agências de viagens ou em plataformas especializadas. Pode procurar por um destino e, em certas plataformas, receber alertas semanais sobre voos baratos. Tem um destino em mente? Configure um alerta para receber uma notificação se aparecer uma viagem a um preço mais baixo do que o habitual.

 

Se quer mesmo planear e marcar com antecedência, evite fins de semana, feriados e épocas como o mês de agosto ou o Natal. Mas atenção, nem sempre viajar fora de época é bom. Ir para as Caraíbas na época dos furacões é realmente mais barato. Mas será boa ideia?

 

Viajar de carro ou numa autocaravana também pode ser uma boa solução para as férias em família, dentro ou fora de Portugal. E, caso escolha a última opção, já tem o problema do alojamento resolvido.

 

Se vai viajar de comboio ou autocarro, escolha horários noturnos. Pode dormir durante a viagem e poupa uma noite de alojamento.

 

2. Alojamento

Um hotel de cinco estrelas mesmo junto à praia ou um de três estrelas que fique a poucos minutos de carro? Um hotel ou um alojamento local? A resposta certa é… depende.

 

Se o hotel for muito recente ou estiver em soft opening (ou seja, com um número limitado de hóspedes), pode encontrar uma boa campanha com preços mais baixos.

 

Numa zona com muitos hotéis a concorrência é maior e pode ser mais fácil descobrir uma maneira de gastar menos. Mas tenha cuidado: se um hotel é demasiado barato, pode deixar a desejar noutros aspetos. Não se deixe enganar por fotografias ou por opiniões que podem ter sido pagas. Procure em fóruns, sites especializados ou pergunte a amigos e familiares.

 

As plataformas que comparam preços podem ser uma boa forma de descobrir hotéis baratos, mas atenção, porque os preços podem mudar rapidamente. Pode até optar por ligar diretamente para o hotel antes de reservar. Por vezes, os hotéis têm campanhas e pode ficar mais barato.

 

E, claro, tem sempre a opção do alojamento local, mas seguindo todas as recomendações já dadas: verificar o que dizem outros hóspedes e pesquisar bastante.

 

Uma boa localização pode fazer subir o preço, mas permite poupar em transportes ou no aluguer de um carro. Mas tente perceber se ficar longe do lazer, comércio e serviços compensa o tempo e o dinheiro que vai gastar em deslocações para ir à praia, ao centro ou até ao supermercado.

 

Se tem crianças, procure hotéis que ofereçam a cama extra se os filhos dormirem no quarto dos pais.

 

3. Refeições

Para muitas pessoas, a solução para poupar nas refeições é evitar hotéis e ficar em locais onde possam cozinhar. Pode ser realmente uma boa solução, mas tem como inconveniente o facto de passar algumas horas das férias entre a cozinha e o supermercado.

 

Há também quem, ficando em hotéis, usufrua bem do pequeno-almoço, de forma a não almoçar. Ou aproveite para levar fruta (ou até sandes) para comer mais tarde.

 

Ainda assim, há outras formas de poupar na alimentação em férias. Regra número 1: coma onde os habitantes locais comem. Que não é naquela esplanada fantástica (mas muito cara) mesmo em cima da praia.

 

Pequenos restaurantes e cafés um pouco afastados das zonas mais turísticas são, muitas vezes, tesouros escondidos, onde a comida é melhor e mais barata.

 

Passe num supermercado ou mercearia para comprar fruta e água antes de ir para a praia, porque vai gastar menos do que se comprar as mesmas coisas num café à beira-mar.

 

Menu infantil? Muitas vezes não compensa e nem sempre as opções são as mais saudáveis. Se os seus filhos comem pouco, peça sopa e depois divida o seu prato com eles.

 

E porque não descobrir parques onde possa fazer piqueniques? Pode relaxar, aproveitar para apanhar ar puro e os seus filhos vão adorar.

 

4. Passeios e atividades de lazer

A regra de fazer o que os locais fazem também se aplica aqui. Passeie pelos locais menos concorridos, descubra museus e outras atividades menos conhecidas e que, provavelmente, são mais baratas.

 

A palavra que deve procurar é “grátis”. E, hoje em dia, não faltam, em qualquer local, coisas para fazer sem gastar dinheiro. Seja assistir a um espetáculo, fazer um “tour” a pé ou até, encontrar aquele miradouro secreto de onde é possível ter as melhores vistas da cidade sem pagar.

 

Antes de viajar dedique algum tempo a estudar o seu destino. Quais são os dias em que os museus são gratuitos? É possível percorrer a cidade a pé, sem gastar dinheiro em transportes? Há bilhetes especiais para grupos ou famílias? Para onde é que os habitantes vão quando querem descontrair?

 

Se gosta de conhecer pessoas novas, procure, nas redes sociais, grupos de portugueses que vivam no destino para onde vai. Certamente que vai receber dicas importantes sobre locais imperdíveis e, quem sabe, até uma visita guiada na sua língua materna.

 

5. Souvenirs e compras

São essenciais? Não. As fotos que tirou são a melhor recordação das férias. Se quer dar uma lembrança a um familiar ou amigo imprima uma foto de uma dessas paisagens, escreva uma dedicatória e terá uma versão século XXI de um bilhete postal.

 

Quanto às compras, só mesmo se for bastante mais barato do que em Portugal. Caso contrário, arrisca-se a comprar artesanato que vai ficar em casa esquecido num canto ou uma camisa garrida que nunca vai usar.

 

Poupar nas férias não significa passar os dias a fazer contas - ou nem seriam férias. Há sempre maneiras simples e divertidas de usufruir de dias de descanso sem que o regresso a casa obrigue a apertar ainda mais o orçamento.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Obrigado pelo seu feedback!