família

Como podemos viver bem na reforma?

15 dez 2020 | 2 min de leitura
O que significa viver bem, quem são os novos reformados ou que custos podemos esperar na reforma são alguns dos temas abordados pelo João Morais Barbosa.

Todos queremos ter uma boa qualidade de vida, embora possamos ter diferentes conceitos ou definições sobre o que é ter qualidade de vida. Cada vez mais somos chamados a assumir um novo papel na nossa vida financeira.

 

Neste artigo, deixamos um resumo da participação de João Morais Barbosa na conferência Preparar o Futuro, realizada numa parceria entre o jornal Expresso e o Santander.

 

O que significa viver bem?

Antes de começarmos, é fundamental definir um conceito que é bastante subjetivo. O que significa viver bem? O que significa qualidade de vida? Se é certo que umas pessoas valorizam poder viajar, outras valorizam apoiar os filhos. Uns valorizam ter uma casa grande para receber a família. Outros, simplesmente ter o essencial para viver de forma despreocupada.

 

Sendo um conceito subjetivo, diz-nos a Declaração Universal dos Direitos do Homem que a dignidade de cada pessoa depende, entre outros:

 

  • Direito à Vida
  • Liberdade
  • Segurança
  • Bem-estar quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e serviços de apoio social
  • Pertença a uma comunidade.

 

Cada sociedade tem diferentes conceitos de cada uma das variáveis, mas percebemos que sem elas todos teremos uma vida com menor qualidade. E percebemos, também, que para conseguirmos ter acesso a várias delas iremos precisar não apenas de um Sistema Público de Proteção Social mas também de outros meios financeiros que nos permitam atingir os nossos objetivos.

 

Quem são os novos reformados?

Outro ponto nesta discussão sobre qualidade de vida passa por conhecer quem são os novos reformados. É fundamental ter em consideração que as características das pessoas que chegam hoje à idade da reforma são muito distintas daqueles que os precederam, na medida em que são pessoas:

 

  • Mais instruídas
  • Viverão muito mais anos enquanto reformados
  • Terão maior saúde, mas também mais despesas
  • Mais despesas de qualidade de vida
  • Maiores responsabilidades no apoio aos seus descendentes.

 

A conclusão é a mesma do ponto anterior. Iremos ter maiores despesas que terão de ser financiadas, o que se torna cada vez mais desafiantes especialmente se considerarmos o impacto da crise pandémica no país e no mundo para os próximos anos.

 

Conte com uma subida de custos na reforma

No passado, a comunidade de especialistas de finanças pessoais apontava para um cenário em que as despesas das famílias acabariam por baixar na passagem para a reforma. Neste contexto, considerava-se a queda das despesas inerentes ao trabalho (por exemplo, deslocação e alimentação) e o fim dos contratos de crédito. No entanto, é cada vez mais consensual que as despesas não vão baixar, podendo mesmo aumentar. Logo, os nossos orçamentos familiares terão de acautelar este novo contexto, o que passará por começarmos a preparar esta fase de vida o quanto antes.

 

Como podemos viver bem na reforma?

Aqui chegados, temos já um contexto para dar como resposta à pergunta inicialmente formulada. Se é certo que vivemos num país que potencia uma grande qualidade de vida aos estrangeiros, com ótimo clima e uma cultura única, também é certo que precisamos de dispor de poupanças para fazer face aos bons desafios demográficos. Numa palavra, precisamos de poupar dinheiro, talvez com um programa de entregas programadas para uma aplicação financeira que nos permita potenciar os retornos e aumentar a nossa qualidade de vida no futuro.




 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).