bem-estar

Adoçantes: são benéficos para a saúde?

22 nov 2023 | 3 min de leitura

Estudos recentes indicam que os adoçantes podem implicar riscos acrescidos para a saúde.

Quer café com açúcar ou adoçante? É uma pergunta que os apreciadores desta bebida costumam ouvir frequentemente. Numa altura em que existem cada vez mais dúvidas em relação ao consumo de adoçantes, vamos tentar perceber que substância é esta e se realmente é adequada para consumo.

 

 

O que são os adoçantes?

Os edulcorantes, mais conhecidos como adoçantes, são substâncias adicionadas aos alimentos em substituição do açúcar clássico. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “são alternativas aos açúcares, com baixas ou nenhumas calorias, geralmente comercializados como auxiliares na perda de peso ou na manutenção de um peso saudável, e são frequentemente recomendados como meio de controlar a glicemia em pessoas com diabetes”.

 

Estes adoçantes são submetidos a uma avaliação toxicológica para estabelecer níveis seguros de ingestão. No entanto, segundo a mesma fonte, não existe um consenso claro sobre se são eficazes para controlar o peso a longo prazo ou se estão relacionados com outros efeitos para a saúde a longo prazo, mesmo quando consumidos dentro das doses diárias recomendadas.

 

 

Quais os diferentes tipos de adoçantes?

Os edulcorantes estão classificados em dois grandes grupos: os nutritivos, que conferem valor calórico aos alimentos (exemplo: sacarose, frutose, lactose e polióis), e os não nutritivos, doces mas com poucas ou nenhumas calorias (acessulfame-K, ciclamato, sacarina, estévia e o aspartame). Estes últimos podem ser mais doces que o açúcar e são amplamente utilizados em sumos, refrigerantes, pastilhas elásticas, rebuçados, gelatinas, compotas, gomas, iogurtes e sobremesas.

 

Os adoçantes podem, ainda, ser sintéticos ou naturais.

 

 

Adoçantes naturais

São extraídos de fontes naturais como plantas e frutas. É o caso de:

 

  • Frutose
  • Maltose
  • Mel
  • Estévia
  • Sorbitol
  • Manitol
  • Isomaltitol
  • Maltitol
  • Lactitol
  • Xilitol
  • Eritritol.

 

 

Adoçantes sintéticos ou artificiais

São produzidos industrialmente, passando por diversas reações químicas. É o caso do:

 

  • Aspartame
  • Acesulfame K
  • Advantame
  • Ciclamato
  • Sacarina
  • Sucralose.

 

 

É seguro substituir o açúcar por adoçante?

Segundo as mais recentes recomendações da OMS sobre adoçantes, deve evitar-se o uso de adoçantes para controlar o peso corporal ou reduzir o risco de doenças não transmissíveis, como doenças cardíacas, cancro, doenças respiratórias crónicas ou diabetes.

 

A recomendação baseia-se nos resultados de uma revisão sistemática das evidências disponíveis, que sugerem que os adoçantes não conferem benefícios a longo prazo na redução da gordura corporal em adultos ou crianças. Os resultados da revisão sugerem ainda que pode haver potenciais efeitos indesejáveis do uso prolongado de adoçantes, tais como um risco aumentado de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e mortalidade em adultos.

 

A recomendação engloba todos os adoçantes não nutritivos, sintéticos e naturais ou modificados.

 

 

Aspartame pode ser cancerígeno?

A OMS colocou o aspartame, um dos adoçantes artificiais mais utilizados, na lista de substâncias “potencialmente cancerígenas para humanos”, mas assinala que as evidências são limitadas, sendo necessários estudos mais aprofundados. A OMS confirma, no entanto, que continua a ser seguro o consumo nas doses máximas atualmente estabelecidas: 40 miligramas de aspartame por kg de cada pessoa.

 

 

O adoçante é benéfico para quem tem diabetes?

As diretrizes da OMS não se aplicam aos diabéticos. Segundo a recomendação, “embora os indivíduos com diabetes também possam reduzir a ingestão de açúcares sem recorrer a adoçantes, a recomendação não se aplica a indivíduos com diabetes existente”.

 

A ingestão moderada de alguns edulcorantes não afeta os níveis de insulina no organismo, permitindo o prazer de um doce, sem acrescentar calorias à dieta, o que pode facilitar o cumprimento de dietas com restrições alimentares. No entanto, qualquer decisão deve ser tomada com o aconselhamento do médico.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Salto Santander widget seguro de saúde

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).