bem-estar

Alimentação sustentável: o que é e quais os seus verdadeiros benefícios

04 jan 2024 | 7 min de leitura

A alimentação sustentável vai muito além da nutrição, conectando-se diretamente à preservação do meio ambiente. Da redução da pegada de carbono à promoção da biodiversidade, descubra como as suas escolhas alimentares moldam não apenas a sua saúde, como também o futuro do nosso planeta.

Num mundo onde as escolhas alimentares não só afetam o nosso bem-estar individual, como as comunidades globais e o meio ambiente, a noção de alimentação sustentável ganha um papel crucial.

 

Adotar uma alimentação sustentável é mais do que uma escolha, é um compromisso consciente com a preservação do nosso planeta. Neste caminho, cada refeição torna-se uma oportunidade de contribuir para a construção de comunidades mais resilientes, promovendo a justiça social e a segurança alimentar.

 

Mas afinal, o que é uma alimentação sustentável? E qual é o seu impacto no meio ambiente? Continue a ler e descubra tudo sobre este tipo de alimentação e como pode pô-la em prática no seu dia a dia.

 

 

O que é a alimentação sustentável?

A alimentação sustentável exerce um impacto notável e benéfico no meio ambiente, promovendo práticas que visam equilibrar as necessidades nutricionais da sociedade com a preservação dos recursos naturais e a redução do impacto ambiental.

 

Alguns dos impactos positivos associados à adoção de práticas alimentares sustentáveis:

 

1. Redução da pegada de carbono

Optar por alimentos locais e sazonais reduz a necessidade de transporte de longa distância, minimizando as emissões de gases de efeito estufa associadas ao transporte de alimentos.

 

2. Preservação da biodiversidade

Escolher alimentos sustentáveis contribui para a preservação da biodiversidade, evitando práticas agrícolas que possam degradar ecossistemas e habitats naturais.

 

3. Uso eficiente de recursos naturais

Práticas agrícolas sustentáveis, como o cultivo biológico, visam otimizar o uso de água e terra, evitando o esgotamento excessivo desses recursos.

 

4. Menor impacto nas águas e no solo

Escolher alimentos produzidos com práticas agrícolas sustentáveis, como o cultivo biológico, ajuda a preservar a qualidade da água e do solo, reduzindo a contaminação por produtos químicos.

 

5. Promoção da agricultura regenerativa

Apoiar práticas de agricultura regenerativa contribui para a recuperação e regeneração dos solos agrícolas, fortalecendo a resiliência dos ecossistemas.

 

 

Quais os alimentos sustentáveis e quais os seus benefícios?

Alimentos sustentáveis são aqueles produzidos de maneira a minimizar impactos ambientais e sociais, promovendo práticas agrícolas que respeitam os ecossistemas, preservam recursos naturais e garantem equidade social.

 

Alguns exemplos de alimentos sustentáveis e os seus benefícios:

 

1. Frutas e vegetais locais e sazonais

Benefícios: redução da pegada de carbono devido a menor necessidade de deslocação; apoio aos agricultores locais; frescura e sabor aprimorados.

 

2. Leguminosas

Benefícios: fixação de nitrogénio no solo, reduzindo a necessidade de fertilizantes; alto teor de proteína vegetal; contribuição para a diversidade de culturas.

 

3. Cereais integrais

Benefícios: menor processamento em comparação com os cereais refinados; preservação de nutrientes; menor desperdício de recursos.

 

4. Produtos biológicos

Benefícios: cultivo sem o uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos; promoção da biodiversidade; solo mais saudável.

 

5. Produtos de agricultura regenerativa

Benefícios: práticas agrícolas que regeneram o solo e restauram ecossistemas; aumento da resiliência das terras agrícolas.

 

6. Alternativas sustentáveis de proteína (Tofu, Seitan etc)

Benefícios: redução da dependência de fontes de proteína intensivas em recursos, como a carne vermelha; menor impacto ambiental.

 

7. Mel de agricultura sustentável

Benefícios: apoio à polinização e saúde das abelhas; promoção de práticas agrícolas que respeitam o meio ambiente.

 

Ao optar por alimentos sustentáveis, contribui para a preservação do meio ambiente, promove práticas agrícolas responsáveis e apoia sistemas alimentares mais equitativos e resilientes.

 

 

Alimentação sustentável e saudável são a mesma coisa?

Embora haja sobreposição entre alimentos saudáveis e alimentos sustentáveis, os dois termos não são exatamente iguais e abordam diferentes aspetos da produção e consumo de alimentos.

 

Alimentos saudáveis

  • Refere-se à qualidade nutricional dos alimentos e aos benefícios para a saúde
  • Envolve escolhas alimentares que proporcionam os nutrientes necessários para manter uma boa saúde
  • Exemplos incluem frutas, vegetais, proteínas magras, cereais (grãos) integrais, entre outros.

 

Alimentos sustentáveis

  • Refere-se à produção, distribuição e consumo de alimentos de forma a minimizar impactos ambientais e sociais
  • Envolve práticas agrícolas que conservam recursos naturais, respeitam ecossistemas e promovem equidade social
  • Inclui a consideração da pegada de carbono, o não uso de pesticidas, conservação da biodiversidade, entre outros.

 

Embora alguns alimentos possam encaixar em ambas as categorias (por exemplo, frutas e vegetais frescos e locais), nem todos os alimentos saudáveis são necessariamente sustentáveis e vice-versa. Uma salada de vegetais frescos pode ser saudável, mas se os vegetais foram cultivados com práticas agrícolas intensivas e pouco sustentáveis, pode não ser considerado um alimento sustentável.

 

A consciencialização sobre ambas as dimensões, saúde e sustentabilidade ambiental, permite escolhas alimentares que beneficiam tanto as pessoas quanto o planeta. Idealmente, uma alimentação equilibrada é aquela que não apenas promove a saúde pessoal, mas também considera o impacto mais amplo no meio ambiente e na sociedade.

 

 

Como adotar uma alimentação sustentável?

Adotar uma alimentação sustentável envolve escolhas conscientes que minimizam o impacto ambiental, social e económico.

 

Algumas dicas para incorporar práticas alimentares mais sustentáveis no seu dia a dia:

 

1. Prefira alimentos locais

Opte por produtos locais sempre que possível. Isso reduz a pegada de carbono associada ao transporte de alimentos de longas distâncias e apoia os agricultores locais.

 

2. Escolha alimentos da época

Dê preferência a alimentos que estejam na sua estação. Isso reduz a necessidade de métodos intensivos para cultivar fora de época.

 

3. Reduza o consumo de carne

Diminua a quantidade de carne da sua dieta, especialmente carne vermelha. A produção de carne tem um grande impacto ambiental.

 

4. Diversifique a dieta

Explore uma variedade de alimentos, incluindo frutas, vegetais, legumes, cereais integrais e proteínas à base de plantas. Isso promove a biodiversidade e reduz a pressão sobre recursos específicos.

 

5. Evite o desperdício de alimentos

Planeie as refeições, armazene alimentos corretamente e aproveite ao máximo os restos. Reduzir o desperdício é fundamental para a sustentabilidade.

 

6. Opte por produtos biológicos

Escolha produtos biológicos sempre que possível. Eles são cultivados sem o uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos prejudiciais ao meio ambiente.

 

7. Apoie o comércio justo

Escolha produtos certificados como de comércio justo. Isso garante condições justas para os agricultores e trabalhadores envolvidos na produção.

 

8. Use a água de forma eficiente

Escolha alimentos que requerem menos água para serem produzidos. A eficiência no uso da água é fundamental para a sustentabilidade.

 

9. Evite embalagens desnecessárias

Opte por produtos com embalagens mínimas ou escolha opções reutilizáveis. Reduza o uso de plástico sempre que possível.

 

10. Participe em iniciativas sustentáveis

Apoie e envolva-se em iniciativas locais ou globais que promovam práticas alimentares sustentáveis. Isso pode incluir mercados de agricultores locais, comunidades de partilha de alimentos e projetos de sustentabilidade.

 

11. Esteja consciente da origem dos alimentos

Informe-se sobre as práticas de produção das marcas e empresas alimentares. Escolha aquelas que adotam práticas sustentáveis.

 

12. Promova a educação alimentar

Partilhe conhecimento sobre a alimentação sustentável com amigos, família e comunidade. A educação é fundamental para criar mudanças positivas.

 

 

12 vantagens em adotar uma alimentação sustentável

Uma alimentação sustentável oferece uma variedade de vantagens, abrangendo desde o bem-estar individual até os impactos positivos no meio ambiente e na sociedade.

 

Aqui estão algumas das principais vantagens:

 

1. Bem-estar pessoal

Uma dieta baseada em alimentos frescos, integrais e nutritivos contribui para a saúde geral, promovendo bem-estar físico e mental.

 

2. Saúde ambiental

A escolha de alimentos locais e sazonais, além da redução do consumo de carne, ajuda a minimizar a pegada de carbono e outros impactos ambientais associados à produção de alimentos.

 

3. Conservação da biodiversidade

Optar por alimentos diversos e locais contribui para a preservação da biodiversidade, promovendo a variedade de espécies e ecossistemas.

 

4. Redução do desperdício alimentar

Uma abordagem sustentável para a alimentação inclui práticas que visam minimizar o desperdício de alimentos, promovendo o uso eficiente dos recursos disponíveis.

 

5. Apoio a agricultores locais

Escolher alimentos produzidos localmente apoia agricultores e produtores locais, fortalecendo as economias regionais.

 

6. Melhoria na qualidade da água e do solo

Práticas agrícolas sustentáveis, como o cultivo biológico, contribuem para a preservação da qualidade da água e do solo, reduzindo a contaminação por produtos químicos.

 

7. Economia de recursos naturais

A alimentação sustentável procura otimizar o uso de recursos naturais, como água e terra, evitando práticas que levem à sua exploração excessiva.

 

8. Resiliência a mudanças climáticas

Escolher alimentos que tenham menor impacto ambiental ajuda a construir sistemas alimentares mais resilientes perante as mudanças climáticas.

 

9. Promoção de práticas de comércio justo

Optar por produtos de comércio justo contribui para condições laborais justas e salários adequados para os trabalhadores envolvidos na produção de alimentos.

 

10. Educação alimentar

Uma abordagem sustentável à alimentação incentiva a educação alimentar, aumentando a consciência sobre a origem dos alimentos, práticas agrícolas e escolhas alimentares responsáveis.

 

11. Redução do uso de embalagens descartáveis

A alimentação sustentável muitas vezes está associada à redução do uso de embalagens desnecessárias, contribuindo para a diminuição do desperdício de plástico e outros materiais.

 

12. Criação de comunidades resilientes

O apoio a práticas alimentares sustentáveis ajuda a construir comunidades mais resilientes, promovendo a segurança alimentar e económica a longo prazo.

 

Adotar uma abordagem sustentável à alimentação não apenas beneficia a saúde individual, mas também desempenha um papel fundamental na construção de um sistema alimentar mais equitativo, saudável e amigo do meio ambiente.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).