bem-estar

Aparelho dentário: para que serve e que cuidados ter

27 nov 2023 | 6 min de leitura

Está a pensar utilizar aparelho dentário? Descubra os tipos que existem, os preços e quanto tempo pode demorar o tratamento.

O aparelho dentário é um dispositivo médico usado para corrigir diferentes problemas relacionados com a posição dos dentes e dos maxilares. Em muitos casos, começa a ser usado ainda na infância, mas há também muitos adultos que recorrem a estes tratamentos. Saiba, neste artigo, como funciona o aparelho dentário, que cuidados a ter e com que idade se deve levar as crianças a uma consulta de ortodontia.

 

 

O que é a ortodontia

A ortodontia é a especialidade da medicina dentária que se dedica ao diagnóstico, prevenção e correção das más posições dos dentes e dos maxilares.

 

Quando os dentes estão tortos ou não encaixam de forma adequada podem criar um efeito estético indesejado, mas também alterar a mastigação e provocar, por exemplo, dores de cabeça, de pescoço, de ombros e de costas, entre outras.

 

A dicção pode ser ainda afetada, manifestando-se na articulação de determinadas palavras ou sons. É também mais difícil manter uma boa higiene oral, o que pode aumentar a probabilidade do aparecimento de cáries. Importa, por isso, corrigir o mais cedo possível este tipo de problemas.

 

 

Em que situações pode ser necessário o aparelho dentário

Alguns dos problemas mais comuns que levam as pessoas a uma consulta de ortodontia são:

 

  • Dentes tortos ou desalinhados
  • Espaço a mais ou falta de espaço entre os dentes
  • Dificuldades na mastigação
  • Distúrbios no maxilar
  • Alterações na fala e deglutição.

 

Uma vez feito o diagnóstico, com base na análise de radiografias e de modelos da boca e na história clínica do paciente, o especialista indicará se o uso de aparelho dentário é a solução mais adequada.

 

 

Como funciona o aparelho dentário

O aparelho dentário exerce uma pressão leve sobre os dentes acabando por deslocá-los, tal como ao osso que os rodeia. Aos poucos, e dependendo da situação clínica de cada pessoa, os dentes e o maxilar adquirem um posicionamento correto, evitando novos traumas na gengiva, ossos e ligamentos.

 

 

Que tipos de aparelhos dentários existem?

Aparelhos removíveis

Como o nome indica, são aparelhos que se podem tirar e pôr facilmente para comer ou lavar os dentes. Entre este tipo de aparelhos, há os passivos, também conhecidos como aparelhos de contenção, normalmente usados no fim do tratamento, para que os dentes não voltem a desalinhar; e os aparelhos ativos, que exercem pressão sobre os dentes, para os posicionar corretamente.

 

Os aparelhos removíveis são muito utilizados por crianças para alinhar os dentes. Estes aparelhos podem custar cerca de 500 euros.

 

 

Aparelhos fixos

São fixados nos dentes, como a própria designação refere, e exercem pressão nos dentes com a ajuda de bandas metálicas, brackets (peças), arcos e elásticos. Por norma, há um subtipo que obriga à colocação de elásticos para segurar o arco metálico, e outro que é auto-ligável, prendendo os arcos diretamente aos brackets, não necessitando por isso dos elásticos.

 

O preço depende do tipo de aparelho fixo, dos materiais utilizados, das consultas de manutenção e se irá necessitar de utilizar o aparelho no maxilar superior ou inferior, mas os preços dos tratamentos rondam entre os 1.000 e os 4.000 euros.

 

 

Aparelhos alinhadores invisíveis

São compostos por alinhadores quase invisíveis, não tendo brackets, nem arcos metálicos ou elásticos. Podem ser retirados durante as refeições e são facilmente higienizados.

 

Por norma, são mais caros do que os restantes, sendo que um plano de tratamento pode custar entre os 2.000 e os 7.000 euros.

 

 

Quanto tempo demora, em média, um tratamento de ortodontia?

De acordo com a Associação Portuguesa de Ortodontistas, a duração média de um tratamento, com aparelho fixo em ambos os maxilares, é de 24 meses. Este período pode ser maior ou menor em função do estado do paciente e da complexidade do tratamento.

 

 

Com que idade se deve levar as crianças a uma consulta de ortodontia?

As crianças devem ir ao dentista aos 6-7 anos, na sequência do aparecimento dos primeiros dentes definitivos, segundo a Ordem dos Médicos Dentistas. Isto não significa que os adultos não possam recorrer a esta especialidade. Pelo contrário, qualquer pessoa com problemas ortodônticos pode beneficiar de um tratamento nesta área.

 

 

Cuidados a ter para quem usa aparelho dentário:

  • Se ingerir alimentos muito rijos, como cenouras, torradas ou maçãs verdes, corte-os em pedaços pequenos

  • Evite comer caramelos, pipocas, gomas ou outros alimentos com uma textura pegajosa

  • Consuma com moderação alimentos com elevado teor de açúcar, de forma a minimizar o risco de aparecimento de cáries

  • Elimine da sua dieta os alimentos que tenham corantes demasiado fortes, porque podem manchar os dentes nas zonas que envolvem os brackets do aparelho, e alterar as cores dos elásticos

  • Enquanto usar aparelho, não morda cubos de gelo ou objetos duros, como canetas, por exemplo, que podem deslocar os brackets

  • Se praticar desportos de contacto ou que possam provocar quedas, como rugby e hóquei, utilize uma proteção própria para o aparelho, durante a atividade física, de forma a evitar lesões nos tecidos moles. Converse com o especialista que o acompanha para obter a solução mais adequada

  • Evitar mexer no aparelho, seja com os dentes, seja com a língua. Pode magoar-se e deformar o dispositivo, fazendo com que o tratamento seja mais demorado.

 

 

Como manter uma boa higiene oral

Os aparelhos, sobretudo os fixos, promovem a retenção de placa bacteriana. Por isso, é fundamental manter os dentes e o aparelho bem limpos, após cada refeição e antes de dormir. Deixamos-lhe algumas dicas:

 

  • Na hora de fazer a higiene oral, retire os elásticos e quaisquer peças amovíveis do aparelho

 

  • Utilize uma escova ortodôntica e uma pasta com 1.500 ppm de flúor, numa quantidade semelhante ao tamanho de uma ervilha

 

  • Mantenha a escova num ângulo de 45 graus em relação ao aparelho e higienize bem a zona entre o aparelho e o bordo do dente, e entre o aparelho e a gengiva. Faça pequenos movimentos para a frente e para trás e movimentos circulatórios. Demore o tempo que for preciso (não menos de três minutos) até que todos os restos de alimentos sejam completamente removidos e a boca esteja bem limpa

 

  • Não se esqueça de lavar por trás dos dentes, e, no final, escove a língua

 

  • Passe o escovilhão e, uma vez por dia, use fita ou fio dentário, para garantir uma limpeza completa. De acordo com a Associação Portuguesa de Ortodontistas, deve ainda bochechar a boca, duas a três vezes por dia, durante um minuto, com uma solução de 10 ml. Esta deve ter uma concentração de 0,5% de flúor. Na meia hora seguinte, não coma, nem beba.

 

Um tratamento ortodôntico pode ser dispendioso, porém contribui para o bem-estar físico, manutenção da saúde e autoestima. Para que o preço não seja um impedimento para o seu bem-estar, muitas pessoas optam por contratar um crédito pessoal para despesas de saúde para concretizar este procedimento.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).