Coberturas do seguro de estomatologia

bem-estar

Seguro de saúde com estomatologia: será que vale a pena?

20 set 2021 | 4 min de leitura

Nem sempre a cobertura de estomatologia, para tratamento de boca ou dentes, está incluída no seguro de saúde. Veja em que condições vale a pena pagar mais para ter uma.

Seguros de saúde com estomatologia: ter ou não ter? Se o seu seguro de saúde não inclui esta cobertura, já terá tido esta dúvida. Será que vale a pena pagar mais para acrescentar esta proteção? Em que condições é favorável?

 

Ir ao dentista pelo menos duas vezes por ano é um conselho que os portugueses nem sempre seguem. E o facto de o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não oferecer ainda esta especialidade em todos os locais que prestam cuidados primários também não contribui para que a saúde oral mereça a devida atenção.

 

A alternativa ao SNS passa, cada vez mais, pelos seguros de saúde, mas muitos não incluem a cobertura de estomatologia.

 

Ora, logo aqui, parece surgir um bom argumento para ter um seguro de saúde com estomatologia. Como não existe no SNS e os preços das consultas e exames são elevados - já para não falar dos tratamentos estéticos ou de ortodontia - poder aceder a estes cuidados através de um seguro parece uma boa ideia.

 

Cobertura de estomatologia: sim ou não?

Vejamos, então, alguns prós e contras dos seguros de saúde com cobertura de estomatologia ou o que deve ter em conta se está a pensar em acrescentar esta cobertura ao seu atual seguro de saúde.

 

Vai mesmo usar?

Esta é, desde logo, a questão essencial: qual o objetivo desta proteção? Só consultas de rotina ou planeia fazer vários tratamentos dentários? A cobertura de estomatologia pode encarecer o seguro, mas poderá “reaver” o que gastou se, efetivamente, usufruir dela.

 

Lembre-se que, ao recorrer à rede de prestadores, terá acesso a preços convencionados, isto é, a preços significativamente mais baixos do que pagaria sem seguro. Se a comparticipação (parte do pagamento que fica a cargo da seguradora) for superior a 70%, por exemplo, significa que quando for ao dentista apenas terá de pagar os restantes 30% da despesa.

 

Outro aspeto a ter em conta é a quantidade de prestadores (clínicas ou médicos) que existem na zona onde reside. Quanto mais opções tiver, melhor. Se morar fora dos maiores centros urbanos, pode ter de fazer grandes deslocações para ir ao dentista que tem acordo com o seu seguro, o que pode não compensar.

 

Seguro para toda a família? Pode ser vantajoso

Pode conseguir melhores condições, em termos de preço, se incluir mais pessoas no seu seguro de saúde.

Por isso, e até porque as crianças precisam de ir frequentemente ao dentista, ter um seguro de saúde com cobertura de estomatologia que abranja todos os elementos da família pode ser vantajoso.

 

Coberturas, exclusões e condições

Antes de contratar um seguro de saúde com estomatologia, certifique-se de que cobre efetivamente aquilo de que precisa.

 

Se, por exemplo, pretende colocar um aparelho ou um implante dentário, verifique se o seguro inclui próteses e ortóteses. Analisar as coberturas e exclusões (ou seja, o que o seguro abrange e o que não abrange) é essencial em todos os seguros, mas neste caso tem ainda mais importância, para garantir que não está a pagar por algo que não lhe é útil.

 

No entanto, deve ter em atenção também o contrário: os pacotes mais baratos são mais básicos e podem não servir para o que pretende.

 

Há ainda mais dois fatores que devem pesar na escolha de um seguro de saúde com estomatologia. Um é perceber se existe período de carência, isto é, um período inicial em que não pode utilizar esta cobertura.

 

Outro fator tem a ver com condições pré-existentes, que podem não estar cobertas pelo seguro, ou com a necessidade de autorização prévia da seguradora para poder ter acesso a cuidados específicos (implantes, por exemplo). Veja se é esse o caso.

 

Atenção ao plafond

Se existe um plafond para esta cobertura (ou seja, um limite ao que pode gastar), tenha cuidado para que este não seja ultrapassado. A partir do momento em que o limite é atingido o segurado passa a pagar mais pelos tratamentos e consultas e só voltará a beneficiar das comparticipações quando a apólice for renovada.

 

Analisando todos estes fatores (e não apenas o preço), será mais fácil perceber se vale a pena ter a cobertura de estomatologia no seu seguro de saúde e o que deve avaliar antes de decidir.

 

Por vezes, pode também ter vantagens em fazer um seguro dentário à parte na mesma empresa que já lhe fornece outros seguros. Tente sondar a sua seguradora, banco ou mediador.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Seguros de saúde com estomatologia: ter ou não ter? Se o seu seguro de saúde não inclui esta cobertura, já terá tido esta dúvida. Será que vale a pena pagar mais para acrescentar esta proteção? Em que condições é favorável?

 

Ir ao dentista pelo menos duas vezes por ano é um conselho que os portugueses nem sempre seguem. E o facto de o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não oferecer ainda esta especialidade em todos os locais que prestam cuidados primários também não contribui para que a saúde oral mereça a devida atenção.

 

A alternativa ao SNS passa, cada vez mais, pelos seguros de saúde, mas muitos não incluem a cobertura de estomatologia.

 

Ora, logo aqui, parece surgir um bom argumento para ter um seguro de saúde com estomatologia. Como não existe no SNS e os preços das consultas e exames são elevados - já para não falar dos tratamentos estéticos ou de ortodontia - poder aceder a estes cuidados através de um seguro parece uma boa ideia.

 

Cobertura de estomatologia: sim ou não?

Vejamos, então, alguns prós e contras dos seguros de saúde com cobertura de estomatologia ou o que deve ter em conta se está a pensar em acrescentar esta cobertura ao seu atual seguro de saúde.

 

Vai mesmo usar?

Esta é, desde logo, a questão essencial: qual o objetivo desta proteção? Só consultas de rotina ou planeia fazer vários tratamentos dentários? A cobertura de estomatologia pode encarecer o seguro, mas poderá “reaver” o que gastou se, efetivamente, usufruir dela.

 

Lembre-se que, ao recorrer à rede de prestadores, terá acesso a preços convencionados, isto é, a preços significativamente mais baixos do que pagaria sem seguro. Se a comparticipação (parte do pagamento que fica a cargo da seguradora) for superior a 70%, por exemplo, significa que quando for ao dentista apenas terá de pagar os restantes 30% da despesa.

 

Outro aspeto a ter em conta é a quantidade de prestadores (clínicas ou médicos) que existem na zona onde reside. Quanto mais opções tiver, melhor. Se morar fora dos maiores centros urbanos, pode ter de fazer grandes deslocações para ir ao dentista que tem acordo com o seu seguro, o que pode não compensar.

 

Seguro para toda a família? Pode ser vantajoso

Pode conseguir melhores condições, em termos de preço, se incluir mais pessoas no seu seguro de saúde.

Por isso, e até porque as crianças precisam de ir frequentemente ao dentista, ter um seguro de saúde com cobertura de estomatologia que abranja todos os elementos da família pode ser vantajoso.

 

Coberturas, exclusões e condições

Antes de contratar um seguro de saúde com estomatologia, certifique-se de que cobre efetivamente aquilo de que precisa.

 

Se, por exemplo, pretende colocar um aparelho ou um implante dentário, verifique se o seguro inclui próteses e ortóteses. Analisar as coberturas e exclusões (ou seja, o que o seguro abrange e o que não abrange) é essencial em todos os seguros, mas neste caso tem ainda mais importância, para garantir que não está a pagar por algo que não lhe é útil.

 

No entanto, deve ter em atenção também o contrário: os pacotes mais baratos são mais básicos e podem não servir para o que pretende.

 

Há ainda mais dois fatores que devem pesar na escolha de um seguro de saúde com estomatologia. Um é perceber se existe período de carência, isto é, um período inicial em que não pode utilizar esta cobertura.

 

Outro fator tem a ver com condições pré-existentes, que podem não estar cobertas pelo seguro, ou com a necessidade de autorização prévia da seguradora para poder ter acesso a cuidados específicos (implantes, por exemplo). Veja se é esse o caso.

 

Atenção ao plafond

Se existe um plafond para esta cobertura (ou seja, um limite ao que pode gastar), tenha cuidado para que este não seja ultrapassado. A partir do momento em que o limite é atingido o segurado passa a pagar mais pelos tratamentos e consultas e só voltará a beneficiar das comparticipações quando a apólice for renovada.

 

Analisando todos estes fatores (e não apenas o preço), será mais fácil perceber se vale a pena ter a cobertura de estomatologia no seu seguro de saúde e o que deve avaliar antes de decidir.

 

Por vezes, pode também ter vantagens em fazer um seguro dentário à parte na mesma empresa que já lhe fornece outros seguros. Tente sondar a sua seguradora, banco ou mediador.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Obrigado pelo seu feedback!