finanças

Programa Regressar: conheça o apoio ao regresso de emigrantes a Portugal

15 fev 2023 | 5 min de leitura

É emigrante, mas deseja voltar para o País? Conheça o apoio ao regresso a Portugal e outras medidas que podem ajudá-lo a tomar a decisão.

Muitos emigrantes portugueses a viver no estrangeiro gostavam de voltar para Portugal, mas não sabem como. Para incentivar esta tomada de decisão, o Governo implementou o Programa Regressar. O objetivo destes apoios consiste em fazer face às necessidades de mão-de-obra que se fazem sentir nalguns setores da economia portuguesa, reforçando a criação de emprego, o pagamento de contribuições para a Segurança Social e o combate ao envelhecimento demográfico.

 

 

O que é o Programa Regressar?

O Programa Regressar é um programa de apoio ao regresso a Portugal de trabalhadores que tenham emigrado, ou seus descendentes, que envolve todas as áreas governativas e inclui condições e medidas concretas como:

 

  • Regime fiscal mais favorável para quem regressa
  • Apoio financeiro para os emigrantes ou familiares de emigrantes que venham trabalhar para Portugal
  • Linha de crédito para apoiar o investimento empresarial e a criação de novos negócios em território nacional

 

 

Incentivos para regressar a Portugal

O que é a medida de Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal

É um subsídio para emigrantes retornados, concedido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), que comecem a trabalhar em Portugal continental, com contrato por conta de outrem ou iniciando atividade por conta própria.

 

Acresce a este apoio a comparticipação das despesas inerentes ao regresso do destinatário e do seu agregado familiar a Portugal Continental, nomeadamente custos com viagem, custos de transporte de bens e custos com o reconhecimento de qualificações académicas ou profissionais do destinatário.

 

Qual o valor do apoio ao regresso de emigrantes a Portugal?

O apoio ao regresso de emigrantes a Portugal varia consoante o tipo de atividade profissional e, no caso de atividade por conta de outrem, consoante a duração do contrato de trabalho. Assim, tem o valor de:

 

  • 6 X IAS (2 882,58 euros) se tiver contrato de trabalho por tempo indeterminado ou contrato sem termo ou por tempo incerto, com duração igual ou superior a 12 meses. Ou se, em alternativa, criar o seu próprio emprego ou empresa.

 

  • 5 X IAS (2 402,15 euros) se tiver contrato sem termo ou por tempo incerto, com duração igual ou superior a seis meses e inferior a 12 meses. Se a duração efetiva do contrato de trabalho alcançar os 12 meses, receberá um apoio adicional no valor de um IAS (480,43 euros).

 

Caso se trate de contrato de trabalho a tempo parcial, o apoio financeiro é reduzido na devida proporção, tendo por base um período normal de trabalho de 40h semanais.

 

O apoio financeiro pode ser majorado em:

 

  • 20% por cada elemento do agregado familiar do destinatário que fixe residência em Portugal continental, até um limite de três vezes o valor do IAS.

 

  • 25% se o posto de trabalho se situar em território do interior

 

Quais os complementos ao apoio ao regresso de emigrantes a Portugal

  • Comparticipação dos custos de viagem de regresso a Portugal do destinatário e do agregado familiar, até ao limite de 1 441,29 euros (três vezes o valor do IAS)

 

  • Comparticipação dos custos de transporte de bens, até ao limite de 1 441,29 euros (três vezes o valor do IAS)

 

  • Comparticipação dos custos com o reconhecimento de qualificações académicas e profissionais do destinatário, até ao limite de 480,43 euros (valor do IAS).

 

Os apoios financeiros só são aplicáveis uma vez, por destinatário e por agregado familiar.

 

Quem tem direito a receber

Os emigrantes que tenham saído de Portugal até 31 de dezembro de 2015 e que tenham iniciado ou venham a iniciar atividade profissional em Portugal Continental até 31 de dezembro de 2023, mediante a celebração de contrato de trabalho, a tempo completo ou parcial, ou da criação do próprio emprego a tempo completo.

 

Inclui, ainda, os familiares dos emigrantes, em linha reta ou até ao 3.º grau da linha colateral, que tenham iniciado ou venham a iniciar atividade profissional em Portugal Continental, até 31 de dezembro de 2023. Mais uma vez, implica a celebração de contrato de trabalho, a tempo completo ou parcial, ou da criação do próprio emprego a tempo completo.

 

Como se candidatar

A candidatura é efetuada no portal iefponline, sendo necessário que faça o registo no portal. Para tal, terá de autenticar-se com as credenciais de acesso da Segurança Social Direta ou Chave Móvel Digital.

 

Após estar registado, deve preencher os dados e só depois terá acesso à candidatura eletrónica. A candidatura é na página “Apoios e Incentivos / Outros Apoios” ou na área de gestão do destinatário, através de “Candidaturas a Apoios – Regresso de Emigrantes a Portugal”, carregando no símbolo “mais”.

 

Para submeter a candidatura não precisa de estar em Portugal. No entanto, tem de ter todos os seguintes documentos válidos e atualizados, como:

 

  • N.º de identificação civil português (Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão);
  • Número de identificação segurança social portuguesa (NISS);
  • Número de identificação fiscal português (NIF).

 

 

Outros incentivos para emigrantes regressam a Portugal

Além do incentivo financeiro, existem outros apoios que constam nesta medida. Destacando-se o apoio fiscal e o incentivo ao investimento.

 

 

Medida de Apoio Fiscal

O Programa Regressa inclui também benefícios fiscais para emigrantes que regressam a Portugal. Na prática, são excluídos de tributação 50% dos rendimentos do trabalho dependente e dos rendimentos empresariais e profissionais.

 

Condições de acesso à Medida de Apoio Fiscal

  • Tornar-se residente fiscal em Portugal em 2023
  • Não ter sido considerado residente em território português em qualquer dos três anos anteriores, ou seja, em 2020, 2021 e 2022
  • Ter sido residente em território português antes de 31 de dezembro de 2019
  • Ter a situação tributária regularizada
  • Não ter solicitado a inscrição como residente não habitual.

 

Este benefício tem a duração de cinco anos, sendo aplicável aos rendimentos auferidos a partir do ano em que se torne, de novo, residente em Portugal e preencha todos os outros requisitos.

 

Medida de Apoio ao Investimento

Se tiver como objetivo abrir um novo negócio em Portugal no regresso, pode beneficiar da Linha de Crédito Regressar, que tem como limite um milhão de euros por empresa e de 500 mil euros por cidadão regressado a Portugal. Saiba mais sobre este apoio no site do IAPMEI.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).