Causas da desflorestação

bem-estar

Desflorestação: o que é e como podemos proteger as florestas?

14 jun 2022 | 5 min de leitura

As florestas são essenciais para a vida na Terra. No entanto, todos os anos milhões de árvores são destruídas. Saiba o que é a desflorestação e que comportamentos pode adotar para ajudar a reduzir este flagelo.

As florestas cobrem 31% da superfície terrestre do mundo, o que corresponde a cerca de 4 mil milhões de hectares, de acordo com o State of the World Forests – SOFO 2022, um relatório divulgado pela FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

 

Este total tem vindo a decrescer desde 1990. Embora o ritmo esteja a abrandar, entre 2015 e 2020 perderam-se 10 milhões de hectares por ano. América do Sul e África foram as regiões mais afetadas.

 

 

A importância da floresta

As florestas são vitais para a vida na Terra. Purificam o ar que respiramos, filtram a água que bebemos, previnem a erosão e são essenciais para a luta contra as alterações climáticas. Além disso, abrigam grande parte da diversidade de plantas e animais do mundo e fornecem recursos naturais essenciais, como a madeira, alimentos e plantas medicinais. As florestas também apoiam a vida das comunidades locais, ajudando-as a prosperar.

 

 

O que é a desflorestação?

A desflorestação é a conversão de terras com florestas para outros usos, como a agricultura, pecuária, urbanização ou atividades mineiras. Afeta os ecossistemas naturais, a biodiversidade e o clima.

 

 

Quais as causas da desflorestação?

Não existe uma única causa para este acontecimento. Por exemplo, em Portugal, os incêndios são os principais responsáveis pela destruição das florestas. No entanto, a nível mundial, a expansão agrícola é, sem margem para dúvidas, a principal razão para o abate de árvores.

 

1. Agricultura

 

Segundo a FAO, a expansão agrícola é responsável por quase 90% da desflorestação mundial. A conversão da floresta em terreno agrícola é o principal fator, causando quase 50% da destruição das árvores. Entre 2000 e 2018, o cultivo de óleo de palma foi responsável por 7% da desflorestação em todo o mundo.

 

Segue-se a pecuária, que responde por 38,5% da destruição da floresta. Isto acontece porque a criação de gado, assim como o cultivo dos seus alimentos, exigem grandes áreas que são, consequentemente, roubadas às florestas.

 

2. Desenvolvimento urbano e novas infraestruturas

 

Um total de 6,16% da desflorestação pode ser atribuída à construção de novas infraestruturas, relacionadas com o atual estilo de vida humano, nomeadamente transporte, transformação e geração de energia.

 

3. Incêndios

 

Os incêndios são responsáveis pela destruição de milhões de hectares de floresta todos os anos e têm efeitos drásticos na biodiversidade, no clima e na economia.

 

4. Minas e estradas

 

A mineração requer vastas extensões de terra para cavar. Como tal, a indústria corta e queima florestas para limpar a terra para as suas operações. Uma vez extraídos, os minerais devem ser transportados para centros de processamento, o que requer a construção de estradas. Estes fatores, em conjunto, também contribuem para a destruição de florestas em todo o mundo.

 

 

Quais as consequências da desflorestação?

As florestas são uma força estabilizadora do planeta. Regulam os ecossistemas, protegem a biodiversidade, desempenham um papel fundamental no ciclo do carbono, apoiam os meios de subsistência e fornecem bens e serviços que podem impulsionar o crescimento sustentável. A sua devastação pode ter consequências catastróficas, tais como:

 

Aumento de doenças

Com a degradação das florestas, animais e insetos procuram abrigo nas aldeias habitadas que as rodeiam. Esta migração de animais selvagens para o território humano origina um contacto mais frequente entre as pessoas e a vida selvagem. Além do perigo direto que isto significa para os humanos, os animais podem espalhar patogéneos que provocam zoonoses (doenças dos animais transmissíveis ao homem). Um estudo da Harvard School of Public Health, de 2021, alertou para a importância de proteger as florestas e mudar as práticas agrícolas para evitar a propagação de doenças zoonóticas.

 

Redução da qualidade de vida das comunidades locais

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) estima que quase 25% da população global depende das florestas para sua subsistência, incluindo muitas das comunidades mais pobres do mundo. Estas fornecem água potável, alimentos e empregos. Os povos indígenas colhem alimentos e remédios diretamente de espécies de plantas na floresta ou cultivam-nos no solo fértil. Quando as florestas são destruídas, estas comunidades perdem recursos para cultivar os alimentos de que precisam para sobreviver, levando-as à insegurança alimentar.

 

Queda da segurança alimentar

Para produzir mais alimentos, a indústria agrícola industrial está a destruir as florestas, o que, por sua vez, agrava ainda mais a fome no mundo. Quando empresas de agricultura industrial convertem florestas em terras para pasto de gado, cultivo de óleo de palma ou produção de soja para alimentar as populações dos grandes centros urbanos, estão a destruir a biodiversidade e a fertilidade da terra, tornando-a insustentável a longo prazo.

 

Desflorestação e alterações climáticas

A desflorestação também contribui para as mudanças climáticas. Porquê? As árvores absorvem e armazenam dióxido de carbono (CO2) ao longo das suas vidas. Ao destruí-las, estas libertarão o CO2 de volta para a atmosfera. Ao mesmo tempo, com um número menor de árvores no planeta, reduzimos também a capacidade de remover o excesso de carbono da atmosfera de forma natural. Ambos contribuem negativamente para o efeito estufa e para as mudanças climáticas.

 

Perda do habitat natural

As florestas são o habitat natural de muitas espécies vegetais e animais. A desflorestação representa a destruição do abrigo que milhões de animais necessitam para sobreviver.

 


A desflorestação em Portugal

Segundo dados da Global Forest Watch, citados pela ONGA (Organização Não Governamental de Ambiente) Quercus, Portugal está no quarto lugar dos países do mundo com maior taxa de desflorestação. As causas da desflorestação em Portugal são maioritariamente atribuídas aos incêndios que têm massacrado o país nos últimos anos. Só em 2017, o total de área ardida superou os 500 000 hectares.

 

No entanto, segundo a Associação Zero, existem outros fatores que constituem uma ameaça para o património florestal e a biodiversidade. É o caso de:

 

  • Pastoreio (alimentação de rebanhos de ovelhas e cabras)
  • Expansão acentuada da área de EucaliptoAusência de gestão florestal nas áreas privadas
  • Elevada fragmentação da propriedade
  • Agentes bióticos (como o nemátodo-da-madeira-do-pinheiro que contribui para a redução da área de pinheiro-bravo)
  • Más práticas adotadas na preparação do terreno.

 

 

Como podemos proteger as florestas?

Se quer contribuir para reduzir a desflorestação mundial, há alguns comportamentos que pode adotar:

 

Consuma menos, com mais consciência

Se quer contribuir para reduzir a desflorestação, pode optar por comprar produtos menos industrializados e transformados. Em vez disso, opte por consumir produtos locais, que utilizem menos químicos e conservantes. Se não está disposto a fazer estas mudanças, prefira marcas que tenham práticas de negócio ecológicas.

 

Coma menos carne

Lembre-se: é necessário muito espaço para criar animais, assim como para a ração que aqueles consomem diariamente. Por que não optar por comer menos carne e deixá-la para momentos importantes?

 

Use menos óleo de palma

O óleo de palma pode ser encontrado em muitos produtos que consumimos diariamente: alimentos, cosméticos e combustível. No entanto, as plantações de óleo de palma cobrem 27 milhões de hectares da superfície da Terra e são responsáveis por 7% da desflorestação entre 2000 e 2017. Por isso, prefira produtos livres de óleo de palma ou que, em alternativa, recorram a óleo de palma de origem sustentável.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

As florestas cobrem 31% da superfície terrestre do mundo, o que corresponde a cerca de 4 mil milhões de hectares, de acordo com o State of the World Forests – SOFO 2022, um relatório divulgado pela FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

 

Este total tem vindo a decrescer desde 1990. Embora o ritmo esteja a abrandar, entre 2015 e 2020 perderam-se 10 milhões de hectares por ano. América do Sul e África foram as regiões mais afetadas.

 

 

A importância da floresta

As florestas são vitais para a vida na Terra. Purificam o ar que respiramos, filtram a água que bebemos, previnem a erosão e são essenciais para a luta contra as alterações climáticas. Além disso, abrigam grande parte da diversidade de plantas e animais do mundo e fornecem recursos naturais essenciais, como a madeira, alimentos e plantas medicinais. As florestas também apoiam a vida das comunidades locais, ajudando-as a prosperar.

 

 

O que é a desflorestação?

A desflorestação é a conversão de terras com florestas para outros usos, como a agricultura, pecuária, urbanização ou atividades mineiras. Afeta os ecossistemas naturais, a biodiversidade e o clima.

 

 

Quais as causas da desflorestação?

Não existe uma única causa para este acontecimento. Por exemplo, em Portugal, os incêndios são os principais responsáveis pela destruição das florestas. No entanto, a nível mundial, a expansão agrícola é, sem margem para dúvidas, a principal razão para o abate de árvores.

 

1. Agricultura

 

Segundo a FAO, a expansão agrícola é responsável por quase 90% da desflorestação mundial. A conversão da floresta em terreno agrícola é o principal fator, causando quase 50% da destruição das árvores. Entre 2000 e 2018, o cultivo de óleo de palma foi responsável por 7% da desflorestação em todo o mundo.

 

Segue-se a pecuária, que responde por 38,5% da destruição da floresta. Isto acontece porque a criação de gado, assim como o cultivo dos seus alimentos, exigem grandes áreas que são, consequentemente, roubadas às florestas.

 

2. Desenvolvimento urbano e novas infraestruturas

 

Um total de 6,16% da desflorestação pode ser atribuída à construção de novas infraestruturas, relacionadas com o atual estilo de vida humano, nomeadamente transporte, transformação e geração de energia.

 

3. Incêndios

 

Os incêndios são responsáveis pela destruição de milhões de hectares de floresta todos os anos e têm efeitos drásticos na biodiversidade, no clima e na economia.

 

4. Minas e estradas

 

A mineração requer vastas extensões de terra para cavar. Como tal, a indústria corta e queima florestas para limpar a terra para as suas operações. Uma vez extraídos, os minerais devem ser transportados para centros de processamento, o que requer a construção de estradas. Estes fatores, em conjunto, também contribuem para a destruição de florestas em todo o mundo.

 

 

Quais as consequências da desflorestação?

As florestas são uma força estabilizadora do planeta. Regulam os ecossistemas, protegem a biodiversidade, desempenham um papel fundamental no ciclo do carbono, apoiam os meios de subsistência e fornecem bens e serviços que podem impulsionar o crescimento sustentável. A sua devastação pode ter consequências catastróficas, tais como:

 

Aumento de doenças

Com a degradação das florestas, animais e insetos procuram abrigo nas aldeias habitadas que as rodeiam. Esta migração de animais selvagens para o território humano origina um contacto mais frequente entre as pessoas e a vida selvagem. Além do perigo direto que isto significa para os humanos, os animais podem espalhar patogéneos que provocam zoonoses (doenças dos animais transmissíveis ao homem). Um estudo da Harvard School of Public Health, de 2021, alertou para a importância de proteger as florestas e mudar as práticas agrícolas para evitar a propagação de doenças zoonóticas.

 

Redução da qualidade de vida das comunidades locais

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) estima que quase 25% da população global depende das florestas para sua subsistência, incluindo muitas das comunidades mais pobres do mundo. Estas fornecem água potável, alimentos e empregos. Os povos indígenas colhem alimentos e remédios diretamente de espécies de plantas na floresta ou cultivam-nos no solo fértil. Quando as florestas são destruídas, estas comunidades perdem recursos para cultivar os alimentos de que precisam para sobreviver, levando-as à insegurança alimentar.

 

Queda da segurança alimentar

Para produzir mais alimentos, a indústria agrícola industrial está a destruir as florestas, o que, por sua vez, agrava ainda mais a fome no mundo. Quando empresas de agricultura industrial convertem florestas em terras para pasto de gado, cultivo de óleo de palma ou produção de soja para alimentar as populações dos grandes centros urbanos, estão a destruir a biodiversidade e a fertilidade da terra, tornando-a insustentável a longo prazo.

 

Desflorestação e alterações climáticas

A desflorestação também contribui para as mudanças climáticas. Porquê? As árvores absorvem e armazenam dióxido de carbono (CO2) ao longo das suas vidas. Ao destruí-las, estas libertarão o CO2 de volta para a atmosfera. Ao mesmo tempo, com um número menor de árvores no planeta, reduzimos também a capacidade de remover o excesso de carbono da atmosfera de forma natural. Ambos contribuem negativamente para o efeito estufa e para as mudanças climáticas.

 

Perda do habitat natural

As florestas são o habitat natural de muitas espécies vegetais e animais. A desflorestação representa a destruição do abrigo que milhões de animais necessitam para sobreviver.

 


A desflorestação em Portugal

Segundo dados da Global Forest Watch, citados pela ONGA (Organização Não Governamental de Ambiente) Quercus, Portugal está no quarto lugar dos países do mundo com maior taxa de desflorestação. As causas da desflorestação em Portugal são maioritariamente atribuídas aos incêndios que têm massacrado o país nos últimos anos. Só em 2017, o total de área ardida superou os 500 000 hectares.

 

No entanto, segundo a Associação Zero, existem outros fatores que constituem uma ameaça para o património florestal e a biodiversidade. É o caso de:

 

  • Pastoreio (alimentação de rebanhos de ovelhas e cabras)
  • Expansão acentuada da área de EucaliptoAusência de gestão florestal nas áreas privadas
  • Elevada fragmentação da propriedade
  • Agentes bióticos (como o nemátodo-da-madeira-do-pinheiro que contribui para a redução da área de pinheiro-bravo)
  • Más práticas adotadas na preparação do terreno.

 

 

Como podemos proteger as florestas?

Se quer contribuir para reduzir a desflorestação mundial, há alguns comportamentos que pode adotar:

 

Consuma menos, com mais consciência

Se quer contribuir para reduzir a desflorestação, pode optar por comprar produtos menos industrializados e transformados. Em vez disso, opte por consumir produtos locais, que utilizem menos químicos e conservantes. Se não está disposto a fazer estas mudanças, prefira marcas que tenham práticas de negócio ecológicas.

 

Coma menos carne

Lembre-se: é necessário muito espaço para criar animais, assim como para a ração que aqueles consomem diariamente. Por que não optar por comer menos carne e deixá-la para momentos importantes?

 

Use menos óleo de palma

O óleo de palma pode ser encontrado em muitos produtos que consumimos diariamente: alimentos, cosméticos e combustível. No entanto, as plantações de óleo de palma cobrem 27 milhões de hectares da superfície da Terra e são responsáveis por 7% da desflorestação entre 2000 e 2017. Por isso, prefira produtos livres de óleo de palma ou que, em alternativa, recorram a óleo de palma de origem sustentável.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!