Como comparar seguro auto

finanças

7 conselhos para comparar um seguro auto

10 mar 2022 | 6 min de leitura

Está à procura do melhor seguro para o seu automóvel? Para o ajudar, apresentamos 7 conselhos que deve ter em conta quando estiver a comparar um seguro auto.

Comparar um seguro auto é muito mais do que comparar preços. Na verdade, o seguro automóvel é obrigatório, mas existem tantas opções no mercado que pode ser difícil escolher a solução mais adequada. Assim, é importante conhecer a oferta disponível. Esta começa na responsabilidade civil obrigatória, a que se podem juntar muitas outras coberturas facultativas, mas muito úteis. 

 

Por que preciso de um seguro automóvel?

É obrigatório ter um seguro automóvel em vigor para circular na via pública. Esta regra existe para que, em caso de acidente, o seu responsável consiga reparar ou compensar os danos causados a terceiros. Havendo um seguro, a seguradora assume esse pagamento. Esta cobertura obrigatória tem o nome de Responsabilidade Civil.

 

  • O que é a cobertura de Responsabilidade Civil?

 

A Responsabilidade Civil é a chamada cobertura “contra terceiros”. Garante o pagamento dos danos corporais e materiais causados a terceiros (incluindo ocupantes com a exceção do condutor). Por exemplo, pode ser acionada em caso de colisão contra outro automóvel ou contra um muro.

 

Neste caso, os estragos provocados ao próprio automóvel não estão cobertos.

 

Assim, pode subscrever outras coberturas, que oferecem proteção adicional. O prémio a pagar vai refletir esse nível de segurança: quanto mais coberturas, maior a proteção e maior o prémio. Assim, ao comparar um seguro automóvel deve ter a certeza de que está a comparar produtos semelhantes.

 

  •  Que coberturas adicionais posso juntar ao meu seguro automóvel?

 

As coberturas facultativas recebem o nome de Danos Próprios, também chamado de seguro "contra todos os riscos”.  No entanto, esta expressão é incorreta. Não é possível garantir todos os riscos a que estamos sujeitos na estrada. Por isso, verifique com atenção as condições do seguro automóvel. Assim saberá o que está incluído ou excluído antes de tomar uma decisão.

 

Estas coberturas são diversificadas e compõem-se de garantias diferentes. Entre as quais:

 

  • Choque, colisão e capotamento. Assegura o arranjo do automóvel em caso de acidente, até ao limite definido pela seguradora

 

  • Incêndio, raio e explosão. Garante o arranjo do automóvel ou o valor do carro à data, no caso de combustão acidental ou uma descarga elétrica na atmosfera. Esta cobertura é válida quando o veículo está em marcha, parado, estacionado ou até guardado numa garagem

 

  • Furto ou roubo. A seguradora paga o valor do carro à data ou os prejuízos causados pelo seu desaparecimento, destruição ou deterioração. Alguns seguros aceitam um aumento de prémio, se o cliente quiser garantir o pagamento do valor do carro quando era novo

 

  • Fenómenos da natureza. Engloba todos os danos sofridos por tempestades, inundações, fenómenos sísmicos e aluimento de terras. Por hábito só pode ser subscrita em conjunto com a cobertura de choque, colisão e capotamento

 

  • Atos de vandalismo. Cobre os prejuízos causados ao veículo por atos desta natureza

 

  • Quebra isolada de vidros. Basta uma pedra solta no asfalto para rachar um pára brisas. Mesmo que não se parta, estas agressões põem em perigo a sua visão e a segurança da viagem. Esta cobertura garante o arranjo do vidro.

 

Existem mais coberturas que posso juntar à minha apólice de seguro auto?

Sim, há outras coberturas que deve ter em conta ao comparar um seguro auto. As mais comuns são:

 

  • Assistência em viagem. Quase todos os seguros automóveis disponibilizam esta cobertura, com mais ou menos serviços associados. Se tiver uma avaria ou um acidente, a assistência em viagem garante o arranjo do veículo na estrada ou o reboque até uma oficina. Se necessário, providencia o transporte para os ocupantes

 

  • Viatura de substituição. Quando o automóvel seguro está indisponível, devido a acidente ou avaria, esta cobertura disponibiliza outro carro para as deslocações do dia a dia.

 

Comparar um seguro auto: como escolher o melhor seguro automóvel?

Se está à procura de seguro automóvel, conheça algumas dicas que irão ajudá-lo a comparar opções e a tomar a melhor decisão, tendo em conta as suas necessidades e a sua carteira.

 

1. Defina o que precisa

Ao comparar um seguro auto tenha em consideração quantos quilómetros costuma fazer por ano. Se circula muito na estrada, a cobertura de assistência em viagem torna-se mais relevante. O veículo é recente ou já faz parte da família há muito tempo? As coberturas de danos próprios justificam-se no primeiro caso. Se o automóvel for mais antigo, talvez não valha a pena pagar a diferença de prémio para garantir o seu arranjo. É importante poupar, mas é ainda mais importante subscrever aquilo de que precisa. 

 

2. Peça uma simulação de seguro auto

Uma simulação é sempre um início de conversa, não compromete ninguém e demora apenas alguns minutos. No entanto, para comparar um seguro auto precisa de ter na sua mão os valores e as coberturas que estão garantidas. É a partir desse documento que se acertam os detalhes. Com uma simulação vai perceber quanto custa incluir determinada cobertura que é muito importante para si. Ou, na situação contrária, fazer uma poupança por anular determinada garantia que não é relevante.

 

3. Saiba, à partida, que riscos estão incluídos e excluídos

Ter um seguro auto barato não é garantia de que tenha escolhido o mais adequado. Ao comparar um seguro auto, verifique quais os riscos que estão incluídos e aqueles que ficam de fora. Um seguro sem quebra isolada de vidros é mais barato. Mas basta a substituição de um pára brisas para compensar um prémio anual mais elevado. E mesmo que tenha simulações de seguro com coberturas iguais, verifique os limites que estão contemplados em cada uma. É muito diferente ter um plafond de 1 000 euros ou de 5 000 euros para despesas de tratamento das pessoas transportadas.

 

4. Conheça a sua franquia

Há ocasiões em que será chamado a pagar parte dos custos de um arranjo, ou seja, é-lhe aplicada uma franquia. Esta pode ser expressa em valor (exemplo: terá de pagar os primeiros 100 euros de um arranjo), em percentagem (exemplo: terá de pagar 10% do arranjo) ou em dias (exemplo: o primeiro dia do veículo de substituição é pago pelo tomador).

 

Quanto menor a franquia, maior o prémio do seguro. E vice-versa. Se optar por uma franquia elevada pode poupar no prémio, mas se tiver um acidente, pode não compensar acionar o seguro.

 

 Vejamos um exemplo: se um arranjo do veículo for de 450 euros e a franquia for de 500 euros, o seguro não pagará nada. Para o mesmo caso, com uma franquia de 250 euros, já recebe uma comparticipação de 200 euros por parte da seguradora.

 

5. Analise o âmbito geográfico do seu seguro

Em primeiro lugar, a cobertura de Responsabilidade Civil é válida em todos os Estados-membros da União Europeia e nos Estados que subscrevam o Acordo Multigarantia da Carta Verde. A lista destes territórios consta da documentação que lhe é entregue quando subscreve o seguro.

 

Depois, a cobertura de Danos Próprios, por hábito, só é válida em Portugal. No entanto, no momento da contratação pode solicitar uma extensão territorial. Pagará um pouco mais, mas mediante a aceitação da Companhia, fica seguro em Portugal e no estrangeiro.

 

Por fim, a cobertura de Assistência em Viagem é válida em toda a Europa. No entanto, deve verificar as condições do seguro que lhe está a ser proposto para ter a certeza de que é mesmo assim.

 

6. Peça uma revisão da simulação

Peça mais do que uma simulação e compare propostas de seguradoras diferentes. Às vezes, a primeira hipótese - ou a mais barata - não é a melhor. Peça uma nova proposta, discutindo os detalhes e explicando os pontos fortes da concorrência. Se houver margem para negociar, pode conseguir poupar uns euros. Em alternativa, talvez obtenha melhores condições pelo mesmo valor. Não se esqueça de perguntar pela diferença entre o pagamento anual ou mensal do prémio.

 

7. Compre em pacote

É normal ter mais de um seguro em seu nome. Pode ser o seguro da casa, o seguro de vida ou um seguro de saúde. Assim, juntando mais do que um seguro - incluindo o seguro auto - na mesma seguradora, pode obter uma poupança adicional. Investigue estes eventuais benefícios antes de tomar uma decisão.

 

 

Comparar um seguro auto: o que influencia o prémio do seguro automóvel?

O preço de um seguro automóvel é influenciado pela ponderação de vários fatores. As seguradoras têm em consideração a sua política de aceitação, assim como as caraterísticas do veículo, do condutor e as coberturas. Por isso, é natural que, para situações aparentemente iguais, surjam prémios diferentes.

 

Sobre o condutor:

  • Idade: com o passar dos anos, é normal adotarmos uma condução mais segura e defensiva. Por isso, idades mais novas sofrem prémios mais elevados
  • Há quanto tempo tem carta: a experiência conta. Quantos mais anos levar ao volante, mais segura será a condução
  • Histórico: há um registo central de todos os acidentes automóveis e as seguradoras têm acesso a essa informação. Se, nos últimos anos, não esteve envolvido em acidentes, é-lhe atribuída uma bonificação
  • Concelho de circulação habitual: os meios urbanos são mais propensos a acidentes e o prémio do seguro auto vai ter isso em conta. 

 

Sobre o veículo:

  • Idade: quanto mais recente for a viatura melhores as suas condições de segurança
  • Marca e modelo: maiores cilindradas são consideradas um risco maior pois podem originar acidentes mais graves
  • Extras: se o automóvel seguro tiver extras dispendiosos, uma cobertura de danos próprios terá de repor eventuais danos. Assim, o prémio tende a subir para incluir estes extras no seguro.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria

Comparar um seguro auto é muito mais do que comparar preços. Na verdade, o seguro automóvel é obrigatório, mas existem tantas opções no mercado que pode ser difícil escolher a solução mais adequada. Assim, é importante conhecer a oferta disponível. Esta começa na responsabilidade civil obrigatória, a que se podem juntar muitas outras coberturas facultativas, mas muito úteis. 

 

Por que preciso de um seguro automóvel?

É obrigatório ter um seguro automóvel em vigor para circular na via pública. Esta regra existe para que, em caso de acidente, o seu responsável consiga reparar ou compensar os danos causados a terceiros. Havendo um seguro, a seguradora assume esse pagamento. Esta cobertura obrigatória tem o nome de Responsabilidade Civil.

 

  • O que é a cobertura de Responsabilidade Civil?

 

A Responsabilidade Civil é a chamada cobertura “contra terceiros”. Garante o pagamento dos danos corporais e materiais causados a terceiros (incluindo ocupantes com a exceção do condutor). Por exemplo, pode ser acionada em caso de colisão contra outro automóvel ou contra um muro.

 

Neste caso, os estragos provocados ao próprio automóvel não estão cobertos.

 

Assim, pode subscrever outras coberturas, que oferecem proteção adicional. O prémio a pagar vai refletir esse nível de segurança: quanto mais coberturas, maior a proteção e maior o prémio. Assim, ao comparar um seguro automóvel deve ter a certeza de que está a comparar produtos semelhantes.

 

  •  Que coberturas adicionais posso juntar ao meu seguro automóvel?

 

As coberturas facultativas recebem o nome de Danos Próprios, também chamado de seguro "contra todos os riscos”.  No entanto, esta expressão é incorreta. Não é possível garantir todos os riscos a que estamos sujeitos na estrada. Por isso, verifique com atenção as condições do seguro automóvel. Assim saberá o que está incluído ou excluído antes de tomar uma decisão.

 

Estas coberturas são diversificadas e compõem-se de garantias diferentes. Entre as quais:

 

  • Choque, colisão e capotamento. Assegura o arranjo do automóvel em caso de acidente, até ao limite definido pela seguradora

 

  • Incêndio, raio e explosão. Garante o arranjo do automóvel ou o valor do carro à data, no caso de combustão acidental ou uma descarga elétrica na atmosfera. Esta cobertura é válida quando o veículo está em marcha, parado, estacionado ou até guardado numa garagem

 

  • Furto ou roubo. A seguradora paga o valor do carro à data ou os prejuízos causados pelo seu desaparecimento, destruição ou deterioração. Alguns seguros aceitam um aumento de prémio, se o cliente quiser garantir o pagamento do valor do carro quando era novo

 

  • Fenómenos da natureza. Engloba todos os danos sofridos por tempestades, inundações, fenómenos sísmicos e aluimento de terras. Por hábito só pode ser subscrita em conjunto com a cobertura de choque, colisão e capotamento

 

  • Atos de vandalismo. Cobre os prejuízos causados ao veículo por atos desta natureza

 

  • Quebra isolada de vidros. Basta uma pedra solta no asfalto para rachar um pára brisas. Mesmo que não se parta, estas agressões põem em perigo a sua visão e a segurança da viagem. Esta cobertura garante o arranjo do vidro.

 

Existem mais coberturas que posso juntar à minha apólice de seguro auto?

Sim, há outras coberturas que deve ter em conta ao comparar um seguro auto. As mais comuns são:

 

  • Assistência em viagem. Quase todos os seguros automóveis disponibilizam esta cobertura, com mais ou menos serviços associados. Se tiver uma avaria ou um acidente, a assistência em viagem garante o arranjo do veículo na estrada ou o reboque até uma oficina. Se necessário, providencia o transporte para os ocupantes

 

  • Viatura de substituição. Quando o automóvel seguro está indisponível, devido a acidente ou avaria, esta cobertura disponibiliza outro carro para as deslocações do dia a dia.

 

Comparar um seguro auto: como escolher o melhor seguro automóvel?

Se está à procura de seguro automóvel, conheça algumas dicas que irão ajudá-lo a comparar opções e a tomar a melhor decisão, tendo em conta as suas necessidades e a sua carteira.

 

1. Defina o que precisa

Ao comparar um seguro auto tenha em consideração quantos quilómetros costuma fazer por ano. Se circula muito na estrada, a cobertura de assistência em viagem torna-se mais relevante. O veículo é recente ou já faz parte da família há muito tempo? As coberturas de danos próprios justificam-se no primeiro caso. Se o automóvel for mais antigo, talvez não valha a pena pagar a diferença de prémio para garantir o seu arranjo. É importante poupar, mas é ainda mais importante subscrever aquilo de que precisa. 

 

2. Peça uma simulação de seguro auto

Uma simulação é sempre um início de conversa, não compromete ninguém e demora apenas alguns minutos. No entanto, para comparar um seguro auto precisa de ter na sua mão os valores e as coberturas que estão garantidas. É a partir desse documento que se acertam os detalhes. Com uma simulação vai perceber quanto custa incluir determinada cobertura que é muito importante para si. Ou, na situação contrária, fazer uma poupança por anular determinada garantia que não é relevante.

 

3. Saiba, à partida, que riscos estão incluídos e excluídos

Ter um seguro auto barato não é garantia de que tenha escolhido o mais adequado. Ao comparar um seguro auto, verifique quais os riscos que estão incluídos e aqueles que ficam de fora. Um seguro sem quebra isolada de vidros é mais barato. Mas basta a substituição de um pára brisas para compensar um prémio anual mais elevado. E mesmo que tenha simulações de seguro com coberturas iguais, verifique os limites que estão contemplados em cada uma. É muito diferente ter um plafond de 1 000 euros ou de 5 000 euros para despesas de tratamento das pessoas transportadas.

 

4. Conheça a sua franquia

Há ocasiões em que será chamado a pagar parte dos custos de um arranjo, ou seja, é-lhe aplicada uma franquia. Esta pode ser expressa em valor (exemplo: terá de pagar os primeiros 100 euros de um arranjo), em percentagem (exemplo: terá de pagar 10% do arranjo) ou em dias (exemplo: o primeiro dia do veículo de substituição é pago pelo tomador).

 

Quanto menor a franquia, maior o prémio do seguro. E vice-versa. Se optar por uma franquia elevada pode poupar no prémio, mas se tiver um acidente, pode não compensar acionar o seguro.

 

 Vejamos um exemplo: se um arranjo do veículo for de 450 euros e a franquia for de 500 euros, o seguro não pagará nada. Para o mesmo caso, com uma franquia de 250 euros, já recebe uma comparticipação de 200 euros por parte da seguradora.

 

5. Analise o âmbito geográfico do seu seguro

Em primeiro lugar, a cobertura de Responsabilidade Civil é válida em todos os Estados-membros da União Europeia e nos Estados que subscrevam o Acordo Multigarantia da Carta Verde. A lista destes territórios consta da documentação que lhe é entregue quando subscreve o seguro.

 

Depois, a cobertura de Danos Próprios, por hábito, só é válida em Portugal. No entanto, no momento da contratação pode solicitar uma extensão territorial. Pagará um pouco mais, mas mediante a aceitação da Companhia, fica seguro em Portugal e no estrangeiro.

 

Por fim, a cobertura de Assistência em Viagem é válida em toda a Europa. No entanto, deve verificar as condições do seguro que lhe está a ser proposto para ter a certeza de que é mesmo assim.

 

6. Peça uma revisão da simulação

Peça mais do que uma simulação e compare propostas de seguradoras diferentes. Às vezes, a primeira hipótese - ou a mais barata - não é a melhor. Peça uma nova proposta, discutindo os detalhes e explicando os pontos fortes da concorrência. Se houver margem para negociar, pode conseguir poupar uns euros. Em alternativa, talvez obtenha melhores condições pelo mesmo valor. Não se esqueça de perguntar pela diferença entre o pagamento anual ou mensal do prémio.

 

7. Compre em pacote

É normal ter mais de um seguro em seu nome. Pode ser o seguro da casa, o seguro de vida ou um seguro de saúde. Assim, juntando mais do que um seguro - incluindo o seguro auto - na mesma seguradora, pode obter uma poupança adicional. Investigue estes eventuais benefícios antes de tomar uma decisão.

 

 

Comparar um seguro auto: o que influencia o prémio do seguro automóvel?

O preço de um seguro automóvel é influenciado pela ponderação de vários fatores. As seguradoras têm em consideração a sua política de aceitação, assim como as caraterísticas do veículo, do condutor e as coberturas. Por isso, é natural que, para situações aparentemente iguais, surjam prémios diferentes.

 

Sobre o condutor:

  • Idade: com o passar dos anos, é normal adotarmos uma condução mais segura e defensiva. Por isso, idades mais novas sofrem prémios mais elevados
  • Há quanto tempo tem carta: a experiência conta. Quantos mais anos levar ao volante, mais segura será a condução
  • Histórico: há um registo central de todos os acidentes automóveis e as seguradoras têm acesso a essa informação. Se, nos últimos anos, não esteve envolvido em acidentes, é-lhe atribuída uma bonificação
  • Concelho de circulação habitual: os meios urbanos são mais propensos a acidentes e o prémio do seguro auto vai ter isso em conta. 

 

Sobre o veículo:

  • Idade: quanto mais recente for a viatura melhores as suas condições de segurança
  • Marca e modelo: maiores cilindradas são consideradas um risco maior pois podem originar acidentes mais graves
  • Extras: se o automóvel seguro tiver extras dispendiosos, uma cobertura de danos próprios terá de repor eventuais danos. Assim, o prémio tende a subir para incluir estes extras no seguro.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Que temas gostava de ler por aqui?

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!