Crise de ansiedade: sintomas

bem-estar

Crise de ansiedade: quais os sintomas e como agir numa crise

19 mai 2022 | 8 min de leitura

Costuma experienciar episódios de taquicardia, palpitações ou enjoos? É possível que sejam sintomas de crise de ansiedade. Saiba como reconhecer e controlar estes momentos.

A ansiedade nem sempre é patológica. Trata-se de um processo neurobiológico cujo objetivo é proteger-nos. Por isso, não deve assustar-se se, pontualmente, experienciar esta emoção. O problema surge quando os episódios se tornam muito intensos e comprometem o bem-estar do indivíduo (no fundo só é doença quando isto acontece). Seria capaz de reconhecer os sintomas e saber se está a ter uma crise de ansiedade? Neste artigo explicamos como fazê-lo.

 

 

O que é a ansiedade?

Comecemos pelo princípio. Segundo o DSM-5 - Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais da American Psychiatric Association (manual internacional pelo qual a comunidade médica se rege para diagnóstico de doenças e perturbações da saúde mental), a ansiedade é a “antecipação de ameaça futura” e está “frequentemente associada a tensão muscular e vigilância em preparação para perigo futuro e comportamentos de cautela ou esquiva”.
Algum grau de ansiedade pode ser positivo e contribuir para se preparar para determinado momento mais sensível. A partir da altura em que causa disfunção, já pode ser considerada um transtorno.

 

 

Será que sofro de ansiedade?

Os sintomas podem dividir-se em leves ou intensos. Reconhecendo os sintomas mais leves, podemos aprender a controlá-los e a prevenir episódios mais intensos, conhecidos como crises ou ataques de ansiedade (cujos sintomas veremos mais à frente).

 

Os sintomas psicológicos são:

 

  • Pensamentos recorrentes. Normalmente sobre as consequências negativas de uma situação

 

  • Preocupação excessiva. Incluindo assuntos menores e quotidianos

 

  • Irritabilidade frequente. Por se sentir ameaçado, mesmo que não tenha motivo para tal

 

  • Insegurança, dificuldade em gerir momentos de incerteza. Mesmo quando se tratam de pequenas mudanças de rotina

 

  • Incapacidade de desligar-se e de descontrair, com tensão presente constante. Pode manifestar-se em qualquer ambiente, seja pessoal ou laboral

 

  • Dificuldades de concentração. Sentir-se se entorpecido ou que tem a mente em branco.

 

Os sintomas físicos são:

 

  • Cansaço habitual
  • Dores de cabeça
  • Insónia e/ou despertares noturnos frequentes
  • Contraturas ou dores musculares
  • Secura bocal
  • Tensão mandibular
  • Alterações de apetite (poderá aumentar ou diminuir)
  • Perturbações gastro-intestinais (incluem náuseas, vómitos, dificuldade na digestão, dores abdominais do tipo cólicas, dejeções diarreicas ou obstipação).

 

Os sintomas da ansiedade podem conduzir a pensamentos negativos, por vezes culminando num ataque de pânico, em que os sintomas são muito intensos e incapacitantes. Por isso, é importante conhecê-los, saber que são passageiros e não empolar os seus efeitos.

 

 

Mais especificamente: o que é uma crise de ansiedade?

As crises geralmente ocorrem entre a adolescência e a idade adulta jovem, mas também são comuns na população adulta e idosa.

 

Surgem quando se sente demasiado ansioso, de forma desproporcional, em antecipação a um momento que considera de risco. Por exemplo, talvez tenha um exame dentro de um mês e durante esse tempo pensa em como vai correr mal, deixando-o com uma sensação permanente de angústia.

 

Nestas alturas, surgem sentimentos intensos como a preocupação, euforia, medo ou angústia - muitas vezes combinados -, o que causa mal-estar físico e psicológico.

 

Porque ocorrem as crises de ansiedade?

Perante uma reação ansiosa a amígdala cerebral entra em hiperatividade e reage de forma desproporcional ao perigo que a situação realmente representa. O resultado é a libertação de hormonas relacionadas com o stress, como a adrenalina, noradrenalina ou cortisol.

 

Além disso, diante de uma reação ansiosa o nosso neocórtex, que gere os eventos conscientes, poderá ser afetado, nomeadamente porque o fluxo de sangue diminui. Por isso, não é capaz de modular a amígdala, como faria em situações “normais”.

 

Fatores que desencadeiam estes episódios

Pode existir uma predisposição genética para o desenvolvimento da ansiedade, mas as componentes sociais, familiares ou laborais influenciam o seu surgimento. Por isso, quem sofre habitualmente de stress está mais vulnerável a estas manifestações.

 

Uma crise de ansiedade pode ser desencadeado devido a:

 

  • Instabilidade afetiva (conflitos, separações ou luto)
  • Problemas económicos (desemprego ou insegurança no trabalho)
  • Doenças crónicas
  • Eventos stressantes ocasionais (discussões ou acidentes de viação)

 

 

Quais os sintomas de uma crise de ansiedade

Os sintomas de uma crise de ansiedade e de um ataque de pânico são idênticos. A saber:

 

  • Taquicardia
  • Pulsação acelerada
  • Enjoos ou atordoamentos
  • Dores de cabeça
  • Perturbações digestivas
  • Dificuldades respiratórias
  • Dor ou pressão no peito
  • Sudação ou calafrios
  • Pensamentos irracionais
  • Choro ou gritos
  • Instabilidade emocional

 

Crise de ansiedade ou ataque de pânico: como distinguir?

Os ataques de pânico são episódios isolados, súbitos e limitados, com duração de 15 a 30 minutos, de medo intenso, na ausência de perigo real. Os sintomas são idênticos aos de uma crise de ansiedade, mas existem algumas diferenças nestes dois transtornos:

 

  • O gatilho. A crise costuma surgir devido um fator desencadeante claro e conhecido. Isso não costuma acontecer com os ataques de pânico, que podem surgir espontaneamente sem nenhum estímulo ou fator desencadeante

 

  • O tipo de sintomas. São menos intensos nas crises de ansiedade do que nos ataques de pânico, em que são de tal forma expressivos que pode sentir que perdeu o controlo do seu corpo e da sua mente.

 

  • A duração. Quanto tempo dura uma crise de ansiedade? As crises são mais prolongadas no tempo do que os ataques de pânico e podem durar minutos, horas ou dias.

 

  • O regresso da calma. Depois de uma crise a pessoa será capaz de regressar a um estado de calma com relativa facilidade, o que não sucede com um ataque de pânico.

 

 

Como evitar uma crise de ansiedade?

Conseguir identificar os sintomas é o primeiro passo para saber como aliviar uma crise de ansiedade. Se começar a sentir algum dos sinais acima referidos, conheça quatro dicas que podem ajudar a controlar estes momentos.

 

1. Controle a respiração

O ritmo da sua respiração é essencial para relaxar o sistema nervoso e aprender a controlar a ansiedade. Concentre-se na sua respiração e procure fazer respirações abdominais profundas. A respiração deve ser lenta, enchendo o abdómen (e não o peito) e com uma prolongada expiração. Este é o tipo de respiração que se treina no yoga.

 

2. Desvie a sua atenção

Este é mais um método simples, mas também muito eficaz para se acalmar. As ideias mais simples podem ser suficientemente poderosas para acalmar a sua mente. Neste caso, recomenda-se ter uma ideia já trabalhada, que seja útil para que os seus pensamentos se desviem daquilo que o está a deixar alterado.

 

Um exemplo é recitar alto uma lista, já preparada, dos seus animais preferidos, das suas viagens, países prediletos ou da comida de que mais gosta. Também pode pensar na sensação de abraçar uma pessoa que lhe é querida, ou pensar nas pessoas que o amam.

 

3. Visualize imagens positivas

Imagine-se numa situação relaxada, por exemplo num lugar em que já se encontrou em paz: um parque, um bosque, uma praia… Se as suas crises estão ligadas a uma situação concreta, deve consultar um profissional e, com ele, treinar a visualização positiva, para ajudá-lo a enfrentar a tempestade com a calma necessária.

 

4. Evite situações que espoletam a crise

Há momentos que são incontornáveis. Por exemplo, se tem um exame que o está a deixar ansioso, não deve deixar de fazê-lo. Nesta situação, é aconselhável que procure apoio médico para a ajudá-lo a enfrentar a tarefa. No entanto, se existem situações ou temas que já sabe que espoletam uma crise, é aconselhável que tente evitá-los. Mais uma vez, é importante que não deixe estas emoções controlarem a sua vida, por isso, a ajuda profissional é de extrema importância.

 

 

Como ajudar uma pessoa com crise de ansiedade?

Gostava de saber o que fazer quando alguém tem uma crise ? Deixamos-lhe algumas dicas:

 

  • Escute de forma ativa, com pouca intervenção

 

  • Proporcione momentos calmos. Uma música relaxante ou um chá calmante podem ajudar

 

  • Convide para uma caminhada. O movimento pode contribuir para controlar a respiração e aliviar a tensão

 

  • Recorde-o de momentos divertidos. Histórias e situações alegres, passados a dois, que transmitem a ideia que melhores tempos estão para chegar

 

  • Seja empático e aja com respeito. Lembre-se de que esta emoção não é racional, por isso não é prudente tentar chamar a pessoa à atenção diretamente.

 

Agora que já tem as ferramentas necessárias para saber como identificar e diminuir uma crise de ansiedade, relembramos a importância de consultar um psicólogo ou psiquiatra da sua confiança. Este poderá ajudar a personalizar estas práticas e a ser constante no esforço para vencer este problema. Se tem um seguro de saúde, pode marcar uma consulta e encontrar a ajuda de que necessita.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

A ansiedade nem sempre é patológica. Trata-se de um processo neurobiológico cujo objetivo é proteger-nos. Por isso, não deve assustar-se se, pontualmente, experienciar esta emoção. O problema surge quando os episódios se tornam muito intensos e comprometem o bem-estar do indivíduo (no fundo só é doença quando isto acontece). Seria capaz de reconhecer os sintomas e saber se está a ter uma crise de ansiedade? Neste artigo explicamos como fazê-lo.

 

 

O que é a ansiedade?

Comecemos pelo princípio. Segundo o DSM-5 - Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais da American Psychiatric Association (manual internacional pelo qual a comunidade médica se rege para diagnóstico de doenças e perturbações da saúde mental), a ansiedade é a “antecipação de ameaça futura” e está “frequentemente associada a tensão muscular e vigilância em preparação para perigo futuro e comportamentos de cautela ou esquiva”.
Algum grau de ansiedade pode ser positivo e contribuir para se preparar para determinado momento mais sensível. A partir da altura em que causa disfunção, já pode ser considerada um transtorno.

 

 

Será que sofro de ansiedade?

Os sintomas podem dividir-se em leves ou intensos. Reconhecendo os sintomas mais leves, podemos aprender a controlá-los e a prevenir episódios mais intensos, conhecidos como crises ou ataques de ansiedade (cujos sintomas veremos mais à frente).

 

Os sintomas psicológicos são:

 

  • Pensamentos recorrentes. Normalmente sobre as consequências negativas de uma situação

 

  • Preocupação excessiva. Incluindo assuntos menores e quotidianos

 

  • Irritabilidade frequente. Por se sentir ameaçado, mesmo que não tenha motivo para tal

 

  • Insegurança, dificuldade em gerir momentos de incerteza. Mesmo quando se tratam de pequenas mudanças de rotina

 

  • Incapacidade de desligar-se e de descontrair, com tensão presente constante. Pode manifestar-se em qualquer ambiente, seja pessoal ou laboral

 

  • Dificuldades de concentração. Sentir-se se entorpecido ou que tem a mente em branco.

 

Os sintomas físicos são:

 

  • Cansaço habitual
  • Dores de cabeça
  • Insónia e/ou despertares noturnos frequentes
  • Contraturas ou dores musculares
  • Secura bocal
  • Tensão mandibular
  • Alterações de apetite (poderá aumentar ou diminuir)
  • Perturbações gastro-intestinais (incluem náuseas, vómitos, dificuldade na digestão, dores abdominais do tipo cólicas, dejeções diarreicas ou obstipação).

 

Os sintomas da ansiedade podem conduzir a pensamentos negativos, por vezes culminando num ataque de pânico, em que os sintomas são muito intensos e incapacitantes. Por isso, é importante conhecê-los, saber que são passageiros e não empolar os seus efeitos.

 

 

Mais especificamente: o que é uma crise de ansiedade?

As crises geralmente ocorrem entre a adolescência e a idade adulta jovem, mas também são comuns na população adulta e idosa.

 

Surgem quando se sente demasiado ansioso, de forma desproporcional, em antecipação a um momento que considera de risco. Por exemplo, talvez tenha um exame dentro de um mês e durante esse tempo pensa em como vai correr mal, deixando-o com uma sensação permanente de angústia.

 

Nestas alturas, surgem sentimentos intensos como a preocupação, euforia, medo ou angústia - muitas vezes combinados -, o que causa mal-estar físico e psicológico.

 

Porque ocorrem as crises de ansiedade?

Perante uma reação ansiosa a amígdala cerebral entra em hiperatividade e reage de forma desproporcional ao perigo que a situação realmente representa. O resultado é a libertação de hormonas relacionadas com o stress, como a adrenalina, noradrenalina ou cortisol.

 

Além disso, diante de uma reação ansiosa o nosso neocórtex, que gere os eventos conscientes, poderá ser afetado, nomeadamente porque o fluxo de sangue diminui. Por isso, não é capaz de modular a amígdala, como faria em situações “normais”.

 

Fatores que desencadeiam estes episódios

Pode existir uma predisposição genética para o desenvolvimento da ansiedade, mas as componentes sociais, familiares ou laborais influenciam o seu surgimento. Por isso, quem sofre habitualmente de stress está mais vulnerável a estas manifestações.

 

Uma crise de ansiedade pode ser desencadeado devido a:

 

  • Instabilidade afetiva (conflitos, separações ou luto)
  • Problemas económicos (desemprego ou insegurança no trabalho)
  • Doenças crónicas
  • Eventos stressantes ocasionais (discussões ou acidentes de viação)

 

 

Quais os sintomas de uma crise de ansiedade

Os sintomas de uma crise de ansiedade e de um ataque de pânico são idênticos. A saber:

 

  • Taquicardia
  • Pulsação acelerada
  • Enjoos ou atordoamentos
  • Dores de cabeça
  • Perturbações digestivas
  • Dificuldades respiratórias
  • Dor ou pressão no peito
  • Sudação ou calafrios
  • Pensamentos irracionais
  • Choro ou gritos
  • Instabilidade emocional

 

Crise de ansiedade ou ataque de pânico: como distinguir?

Os ataques de pânico são episódios isolados, súbitos e limitados, com duração de 15 a 30 minutos, de medo intenso, na ausência de perigo real. Os sintomas são idênticos aos de uma crise de ansiedade, mas existem algumas diferenças nestes dois transtornos:

 

  • O gatilho. A crise costuma surgir devido um fator desencadeante claro e conhecido. Isso não costuma acontecer com os ataques de pânico, que podem surgir espontaneamente sem nenhum estímulo ou fator desencadeante

 

  • O tipo de sintomas. São menos intensos nas crises de ansiedade do que nos ataques de pânico, em que são de tal forma expressivos que pode sentir que perdeu o controlo do seu corpo e da sua mente.

 

  • A duração. Quanto tempo dura uma crise de ansiedade? As crises são mais prolongadas no tempo do que os ataques de pânico e podem durar minutos, horas ou dias.

 

  • O regresso da calma. Depois de uma crise a pessoa será capaz de regressar a um estado de calma com relativa facilidade, o que não sucede com um ataque de pânico.

 

 

Como evitar uma crise de ansiedade?

Conseguir identificar os sintomas é o primeiro passo para saber como aliviar uma crise de ansiedade. Se começar a sentir algum dos sinais acima referidos, conheça quatro dicas que podem ajudar a controlar estes momentos.

 

1. Controle a respiração

O ritmo da sua respiração é essencial para relaxar o sistema nervoso e aprender a controlar a ansiedade. Concentre-se na sua respiração e procure fazer respirações abdominais profundas. A respiração deve ser lenta, enchendo o abdómen (e não o peito) e com uma prolongada expiração. Este é o tipo de respiração que se treina no yoga.

 

2. Desvie a sua atenção

Este é mais um método simples, mas também muito eficaz para se acalmar. As ideias mais simples podem ser suficientemente poderosas para acalmar a sua mente. Neste caso, recomenda-se ter uma ideia já trabalhada, que seja útil para que os seus pensamentos se desviem daquilo que o está a deixar alterado.

 

Um exemplo é recitar alto uma lista, já preparada, dos seus animais preferidos, das suas viagens, países prediletos ou da comida de que mais gosta. Também pode pensar na sensação de abraçar uma pessoa que lhe é querida, ou pensar nas pessoas que o amam.

 

3. Visualize imagens positivas

Imagine-se numa situação relaxada, por exemplo num lugar em que já se encontrou em paz: um parque, um bosque, uma praia… Se as suas crises estão ligadas a uma situação concreta, deve consultar um profissional e, com ele, treinar a visualização positiva, para ajudá-lo a enfrentar a tempestade com a calma necessária.

 

4. Evite situações que espoletam a crise

Há momentos que são incontornáveis. Por exemplo, se tem um exame que o está a deixar ansioso, não deve deixar de fazê-lo. Nesta situação, é aconselhável que procure apoio médico para a ajudá-lo a enfrentar a tarefa. No entanto, se existem situações ou temas que já sabe que espoletam uma crise, é aconselhável que tente evitá-los. Mais uma vez, é importante que não deixe estas emoções controlarem a sua vida, por isso, a ajuda profissional é de extrema importância.

 

 

Como ajudar uma pessoa com crise de ansiedade?

Gostava de saber o que fazer quando alguém tem uma crise ? Deixamos-lhe algumas dicas:

 

  • Escute de forma ativa, com pouca intervenção

 

  • Proporcione momentos calmos. Uma música relaxante ou um chá calmante podem ajudar

 

  • Convide para uma caminhada. O movimento pode contribuir para controlar a respiração e aliviar a tensão

 

  • Recorde-o de momentos divertidos. Histórias e situações alegres, passados a dois, que transmitem a ideia que melhores tempos estão para chegar

 

  • Seja empático e aja com respeito. Lembre-se de que esta emoção não é racional, por isso não é prudente tentar chamar a pessoa à atenção diretamente.

 

Agora que já tem as ferramentas necessárias para saber como identificar e diminuir uma crise de ansiedade, relembramos a importância de consultar um psicólogo ou psiquiatra da sua confiança. Este poderá ajudar a personalizar estas práticas e a ser constante no esforço para vencer este problema. Se tem um seguro de saúde, pode marcar uma consulta e encontrar a ajuda de que necessita.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer receber o ''Guia completo sobre seguros de saúde''?

Insira o seu e-mail para subscrever a newsletter e descarregar o e-book

Já pode ler o e-book ''Guia seguros de saúde''

O e-book foi descarregado. Vai também passar a receber os artigos do Salto no seu e-mail

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).