bem-estar

Diabetes gestacional: como prevenir e cuidados a ter

01 set 2023 | 5 min de leitura

A diabetes gestacional é uma patologia relativamente frequente no processo de gestação e, embora possa ser passageira, é uma condição à qual se tem de dar a devida atenção. Conheça os sintomas da diabetes gestacional e como prevenir.

Durante a gravidez, o corpo passa por diversas mudanças hormonais, algumas das quais podem afetar a forma como a insulina é produzida e utilizada pelo corpo. A diabetes gestacional é uma condição que requer atenção e cuidados especiais, pois pode afetar tanto a saúde da mãe, quanto a do bebé. O diagnóstico precoce e os cuidados adequados são essenciais para garantir uma gravidez saudável e minimizar os riscos associados a esta condição.

 

 

O que é a diabetes gestacional?

A diabetes gestacional é um tipo de diabetes que se desenvolve durante a gravidez e afeta a forma como o corpo processa o açúcar no sangue. Durante a gestação, o corpo passa por mudanças hormonais que podem levar a níveis elevados de açúcar no sangue. Esta condição ocorre quando o organismo não produz insulina suficiente para lidar com o aumento da glicose ou quando a insulina não é utilizada de forma eficaz.

 

 

Causas e fatores de risco

A diabetes gestacional pode ser desencadeada por uma combinação de fatores hormonais, genéticos ou de estilo de vida. Além das alterações hormonais, existem fatores de risco que aumentam as hipóteses de uma mulher desenvolver diabetes gestacional. Esses fatores incluem:

 

  • Fatores genéticos (histórico familiar): mulheres com familiares próximos, como pais ou irmãos, que tenham diabetes tipo 2, têm maior probabilidade de desenvolver este tipo de diabetes

 

  • Obesidade ou excesso de peso: o excesso de peso antes da gravidez aumenta também o risco de desenvolver este tipo de diabetes, pois o tecido adiposo extra pode dificultar a ação da insulina por parte do organismo

 

  • Idade materna avançada: mulheres acima de 35 anos estão mais predispostas a desenvolver diabetes gestacional, ainda que possa ocorrer antes

 

  • Histórico de diabetes gestacional anterior: mulheres que tiveram esta condição numa gravidez anterior têm um maior risco de desenvolvê-la novamente nas gestações futuras

 

  • Síndrome do ovário poliquístico (SOP): mulheres com SOP, um distúrbio hormonal comum que afeta a ovulação, têm maior probabilidade de desenvolver diabetes gestacional.

 

É importante salientar que ter um ou mais destes fatores de risco não significa, necessariamente, que uma mulher desenvolverá diabetes na gestação. No entanto, são fatores que aumentam as hipóteses de acontecer e, portanto, é necessária uma atenção especial durante a gravidez.

 

 

Quais os sintomas da diabetes gestacional?

O diagnóstico é feito através de análises laboratoriais. Numa fase inicial, a diabetes gestacional pode ser assintomática. Porém, se não for detetada a tempo, a grávida desenvolverá sintomas. Estes podem ser subtis, pelo que deve prestar atenção. Os principais sintomas de diabetes gestacional podem ser:

 

  • Aumento do apetite
  • Excesso de sede
  • Boca seca
  • Variações de peso
  • Vontade frequente de urinar
  • Visão turva
  • Infeções urinárias mais frequentes
  • Candidíase vaginal
  • Cansaço excessivo.

 

Tenha em mente que estes sintomas são, também, bastante comuns durante a gravidez em geral e não indicam necessariamente a presença de diabetes gestacional. No entanto, se apresentar estes sintomas ou tiver fatores de risco, é fundamental realizar exames adequados para um diagnóstico mais preciso.

 

Diagnóstico (análise glicose)

Existem dois testes, feitos pelo médico assistente, para chegar ao diagnóstico desta condição:

 

  • Glicemia de jejum, a realizar no primeiro trimestre, até às 13 semanas
  • Prova de Tolerância à Glicose Oral (PTGO), realizada entre as 24 e as 28 semanas de gestação.

 

Neste último teste são recolhidas amostras de sangue em jejum e, de seguida, a grávida ingere uma solução açucarada. A glicemia será, então, medida uma hora e duas horas depois da ingestão desta solução para medir os níveis de açúcar no sangue.

 

Se desenvolveu diabetes gestacionais, será feita uma nova análise de diagnóstico entre seis a oito semanas após o fim da gravidez, para apurar se ficou com diabetes.

 

 

Impacto da diabetes gestacional na mãe e no bebé

A diabetes gestacional, caso não seja tratada desde o início, pode ter sérios riscos para a saúde tanto da mãe como do bebé. No bebé, complicações como alterações no crescimento ou problemas congénitos são os riscos mais flagrantes. No caso da futura mamã, a alta taxa de glicose no sangue pode favorecer o aparecimento de infeções e hipertensão. Mesmo após a gestação, ambos correm o risco de desenvolver diabetes do tipo II.

 

Diabetes gestacional é considerada gravidez de risco?

Embora muitas mulheres que desenvolvem diabetes durante a gestação tenham uma gravidez saudável e deem à luz bebés saudáveis, é importante reconhecer os desafios adicionais que podem surgir. O acompanhamento médico regular, o controlo cuidadoso dos níveis de açúcar no sangue e a adoção de medidas preventivas são fundamentais para garantir uma gestação segura e minimizar complicações futuras.

 

Com a diabetes gestacional existe, ainda, um maior risco obstétrico associado, pois há grandes probabilidades de se desenvolver um feto com um peso acima da média, o que pode levar a uma maior probabilidade de cesariana. Por isso, após a confirmação clínica, é importante uma vigilância atenta e redobrada.

 

 

Cuidados a ter para prevenir a diabetes gestacional

Embora nem todos os casos de diabetes durante a gestação possam ser evitados, adotar certos cuidados e medidas preventivas pode ajudar a reduzir as hipóteses de desenvolver a doença.

 

1. Adapte o seu plano alimentar e coma com frequência

Um plano alimentar equilibrado e personalizado é essencial para garantir a ingestão de nutrientes adequados ao bom desenvolvimento do feto. Ainda, as refeições devem ser fracionadas (um total de cerca de seis refeições por dia), com intervalos não superiores a três horas – o que permite manter os níveis de açúcar no sangue estáveis.

 

Evite alimentos muito doces

Ter um plano alimentar delineado é importante para prevenir ou eliminar o excesso de açúcar no sangue. Isto implica evitar alimentos processados e ricos em açúcar, como:

 

  • bolos
  • bolachas
  • chocolates
  • refrigerantes, entre outros

 

E reduzir a ingestão de:

 

  • pão
  • massa
  • batata
  • arroz

 

2. Exercite-se regularmente

A atividade física regular desempenha um papel crucial na prevenção da diabetes gestacional. Exercícios de intensidade moderada e adaptados à gravidez, como caminhadas, natação, ioga pré-natal ou hidroginástica, podem ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue e a melhorar a sensibilidade à insulina. No entanto, é importante consultar o seu médico antes de iniciar qualquer programa de exercícios.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Salto Santander widget seguro de saúde

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).