Diferença entre gripe e covid

bem-estar

COVID-19 ou gripe? Descubra as diferenças

Atualizado 24 jan 2022
14 jan 2022 | 4 min de leitura

Está com tosse, febre e dores no corpo? Fique em casa, consulte um médico e descanse. Se está com dúvidas sobre se será gripe ou COVID-19, explicamos-lhe as diferenças entre estas duas infeções.

Alguns sintomas são comuns à COVID-19 e à gripe, bem como as formas de transmissão e prevenção. Mas também há fatores que distinguem estas duas doenças infeciosas.

 

Qual a diferença entre gripe e COVID-19?

São ambas doenças infecciosas e, seja COVID-19 ou gripe, os vírus são transmitidos de pessoa para pessoa e podem causar sintomas semelhantes. No entanto, há uma grande diferença entre gripe e COVID-19: são vírus distintos — respetivamente, o SARS-CoV-2 e o influenza — que se comportam de formas diferentes.

 

Quais os sintomas da gripe?

Nos adultos, segundo informações do Direção-Geral da Saúde (DGS), os sinais e sintomas mais comuns são:

 

  • Mal-estar e cansaço
  • Febre
  • Dores musculares e articulares
  • Dores de cabeça
  • Tosse seca
  • Sensação de ardor ocular.

 

Nos bebés, os mais habituais são febre, sonolência, náuseas, vómitos, diarreia, dificuldades respiratórias e otites. No entanto, nas crianças mais velhas, os sintomas são semelhantes aos dos adultos.

 

Quais os sintomas de COVID-19?

Os sinais e sintomas da COVID-19 variam em gravidade, de acordo com a DGS. Mas podem ser:

 

  • Febre (temperatura ≥ 38.0ºC), sem outra causa atribuível
  • Tosse de novo, ou agravamento do padrão habitual, ou associada a dores de cabeça ou dores generalizadas do corpo
  • Dificuldade respiratória/dispneia, sem outra causa atribuível
  • Perda total ou parcial do olfato (anosmia), enfraquecimento do paladar (ageusia) ou perturbação ou diminuição do paladar (disgeusia) de início súbito..

 

Nos casos mais graves, pode ocorrer pneumonia grave, síndrome respiratória aguda grave, septicemia ou choque séptico.

 

Os sintomas são semelhantes em crianças e adultos. No entanto, as crianças parecem registar mais casos assintomáticos, ou seja, sem presença de qualquer sintoma. Os sintomas relatados em crianças são inicialmente idênticos às constipações — febre, corrimento nasal e tosse. Nalguns casos, foram também reportados vómitos e diarreia, aponta a DGS.

 

Será que existe diferença entre gripe e COVID-19 na sua transmissão?

Tanto os vírus da gripe como o da COVID-19 são transmitidos pessoa-a-pessoa, por contacto próximo com pessoas infetadas (transmissão direta), ou através do contacto com superfícies e objetos contaminados (transmissão indireta).

 

Gripe e COVID-19: qual o período de transmissão?

Gripe

O período de incubação da infeção da gripe — tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas — é vulgarmente, de dois dias, mas pode variar entre um e cinco dias. O período de contágio começa um a dois dias antes do surgimento dos sintomas e prolonga-se até sete dias depois. Nas crianças, este período pode ser maior.

 

COVID-19

Atualmente, a DGS considera um período de incubação de até 14 dias. Ou seja, se contactar com alguém que testou positivo à COVID-19, pode desenvolver sintomas até 14 dias após esse contacto.

 

O risco de transmissão é maior durante o período sintomático, mesmo que os sintomas sejam leves e inespecíficos. No entanto, existem evidências que sugerem que a transmissão direta pode ocorrer cerca de dois dias antes de manifestar sintomas.

 

Como se pode proteger da gripe e COVID-19?

Tendo em conta as formas de transmissão comuns, tanto a prevenção da COVID-19 como a da gripe passam por medidas de distanciamento social, higiene das mãos e etiqueta respiratória, nomeadamente:

 

  • Lavar frequentemente as mãos com água e sabão durante pelo menos 20 segundos, esfregando sequencialmente as palmas, dorso, cada um dos dedos e o pulso, secando-as bem no final. Se não for possível, usar solução à base de álcool com 70% de concentração
  • Ao espirrar ou tossir, proteger a boca com um lenço de papel ou com o antebraço — não utilizar as mãos. Após utilizar o lenço descartável, deite-o imediatamente no lixo comum ou nos sanitários e desinfete as mãos
  • Não mexer nos olhos, nariz e boca sem higienizar as mãos primeiro — são as vias de entrada dos vírus no organismo
  • Reduzir, na medida do possível, o contacto com outras pessoas, sobretudo se estiverem infetadas
  • O uso de máscara é uma medida adicional de proteção, a adotar de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde.

Se pertencer a um grupo de risco, deve tomar anualmente a vacina contra a gripe. A vacina COVID-19 segue um esquema próprio, que tem sido adaptado consoante a fase da pandemia, pelo que deverá seguir as recomendações das autoridades de saúde.

O que fazer se esteve em contacto com alguém com COVID-19?

Para prevenir um possível contágio de terceiros, deve ficar em casa e:

 

  • Ligar para o SNS 24808 24 24 24
  • Se precisar, pedir a alguém que lhe faça as compras de supermercado ou farmácia
  • Não receber visitas. Compras ou medicamentos, devem ser deixados à porta de casa
  • Manter-se separado de outras pessoas em casa
  • Não partilhar pratos, copos, toalhas, lençóis, sabonete ou objetos de higiene pessoal
  • Medir a temperatura duas vezes por dia, para vigiar o aparecimento de febre
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão durante pelo menos 20 segundos
  • Ao espirrar e tossir tape a boca com um lenço descartável, deite-o no lixo e lave as mãos a seguir.
     

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Alguns sintomas são comuns à COVID-19 e à gripe, bem como as formas de transmissão e prevenção. Mas também há fatores que distinguem estas duas doenças infeciosas.

 

Qual a diferença entre gripe e COVID-19?

São ambas doenças infecciosas e, seja COVID-19 ou gripe, os vírus são transmitidos de pessoa para pessoa e podem causar sintomas semelhantes. No entanto, há uma grande diferença entre gripe e COVID-19: são vírus distintos — respetivamente, o SARS-CoV-2 e o influenza — que se comportam de formas diferentes.

 

Quais os sintomas da gripe?

Nos adultos, segundo informações do Direção-Geral da Saúde (DGS), os sinais e sintomas mais comuns são:

 

  • Mal-estar e cansaço
  • Febre
  • Dores musculares e articulares
  • Dores de cabeça
  • Tosse seca
  • Sensação de ardor ocular.

 

Nos bebés, os mais habituais são febre, sonolência, náuseas, vómitos, diarreia, dificuldades respiratórias e otites. No entanto, nas crianças mais velhas, os sintomas são semelhantes aos dos adultos.

 

Quais os sintomas de COVID-19?

Os sinais e sintomas da COVID-19 variam em gravidade, de acordo com a DGS. Mas podem ser:

 

  • Febre (temperatura ≥ 38.0ºC), sem outra causa atribuível
  • Tosse de novo, ou agravamento do padrão habitual, ou associada a dores de cabeça ou dores generalizadas do corpo
  • Dificuldade respiratória/dispneia, sem outra causa atribuível
  • Perda total ou parcial do olfato (anosmia), enfraquecimento do paladar (ageusia) ou perturbação ou diminuição do paladar (disgeusia) de início súbito..

 

Nos casos mais graves, pode ocorrer pneumonia grave, síndrome respiratória aguda grave, septicemia ou choque séptico.

 

Os sintomas são semelhantes em crianças e adultos. No entanto, as crianças parecem registar mais casos assintomáticos, ou seja, sem presença de qualquer sintoma. Os sintomas relatados em crianças são inicialmente idênticos às constipações — febre, corrimento nasal e tosse. Nalguns casos, foram também reportados vómitos e diarreia, aponta a DGS.

 

Será que existe diferença entre gripe e COVID-19 na sua transmissão?

Tanto os vírus da gripe como o da COVID-19 são transmitidos pessoa-a-pessoa, por contacto próximo com pessoas infetadas (transmissão direta), ou através do contacto com superfícies e objetos contaminados (transmissão indireta).

 

Gripe e COVID-19: qual o período de transmissão?

Gripe

O período de incubação da infeção da gripe — tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas — é vulgarmente, de dois dias, mas pode variar entre um e cinco dias. O período de contágio começa um a dois dias antes do surgimento dos sintomas e prolonga-se até sete dias depois. Nas crianças, este período pode ser maior.

 

COVID-19

Atualmente, a DGS considera um período de incubação de até 14 dias. Ou seja, se contactar com alguém que testou positivo à COVID-19, pode desenvolver sintomas até 14 dias após esse contacto.

 

O risco de transmissão é maior durante o período sintomático, mesmo que os sintomas sejam leves e inespecíficos. No entanto, existem evidências que sugerem que a transmissão direta pode ocorrer cerca de dois dias antes de manifestar sintomas.

 

Como se pode proteger da gripe e COVID-19?

Tendo em conta as formas de transmissão comuns, tanto a prevenção da COVID-19 como a da gripe passam por medidas de distanciamento social, higiene das mãos e etiqueta respiratória, nomeadamente:

 

  • Lavar frequentemente as mãos com água e sabão durante pelo menos 20 segundos, esfregando sequencialmente as palmas, dorso, cada um dos dedos e o pulso, secando-as bem no final. Se não for possível, usar solução à base de álcool com 70% de concentração
  • Ao espirrar ou tossir, proteger a boca com um lenço de papel ou com o antebraço — não utilizar as mãos. Após utilizar o lenço descartável, deite-o imediatamente no lixo comum ou nos sanitários e desinfete as mãos
  • Não mexer nos olhos, nariz e boca sem higienizar as mãos primeiro — são as vias de entrada dos vírus no organismo
  • Reduzir, na medida do possível, o contacto com outras pessoas, sobretudo se estiverem infetadas
  • O uso de máscara é uma medida adicional de proteção, a adotar de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde.

Se pertencer a um grupo de risco, deve tomar anualmente a vacina contra a gripe. A vacina COVID-19 segue um esquema próprio, que tem sido adaptado consoante a fase da pandemia, pelo que deverá seguir as recomendações das autoridades de saúde.

O que fazer se esteve em contacto com alguém com COVID-19?

Para prevenir um possível contágio de terceiros, deve ficar em casa e:

 

  • Ligar para o SNS 24808 24 24 24
  • Se precisar, pedir a alguém que lhe faça as compras de supermercado ou farmácia
  • Não receber visitas. Compras ou medicamentos, devem ser deixados à porta de casa
  • Manter-se separado de outras pessoas em casa
  • Não partilhar pratos, copos, toalhas, lençóis, sabonete ou objetos de higiene pessoal
  • Medir a temperatura duas vezes por dia, para vigiar o aparecimento de febre
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão durante pelo menos 20 segundos
  • Ao espirrar e tossir tape a boca com um lenço descartável, deite-o no lixo e lave as mãos a seguir.
     

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer receber o ''Guia completo sobre seguros de saúde''?

Insira o seu e-mail para subscrever a newsletter e descarregar o e-book

Já pode ler o e-book ''Guia seguros de saúde''

O e-book foi descarregado. Vai também passar a receber os artigos do Salto no seu e-mail

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).