finanças

Conheça os prazos para o pagamento do IMI e como pagar menos

07 jun 2023 | 5 min de leitura

Tem de pagar IMI? Saiba como funciona este imposto, as datas de pagamento, o que acontece se não pagar atempadamente e como poderá diminuir este valor.

Se tem ー ou está a pensar comprar ー um imóvel, fique a saber, todos os anos, terá de pagar um imposto: o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). Caso não esteja isento deste imposto, poderá pagar de uma só vez, em duas ou três prestações (consoante o valor). Para perceber melhor como funciona o pagamento do IMI, explicamos-lhe como apurar o valor deste imposto, quais os prazos e o que acontece se não os cumprir.

 

 

O que é o IMI?

O Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) é um imposto de pagamento anual que é calculado com base no valor patrimonial tributário (VPT) dos imóveis, ou seja, o valor real de um imóvel num dado ano.

 

As taxas de IMI são definidas, anualmente, pela câmara municipal onde se insere o imóvel, tendo como base o intervalo definido pelo Código do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI). Atualmente esse intervalo situa-se entre:

 

  • 0,3% e 0,45% para os prédios urbanos
  • 0,5% e 0,8% para os prédios rústicos.

 

As taxas de IMI podem ser consultadas no Portal das Finanças.

 

IMI familiar

As famílias com filhos podem ter direito a um desconto especial neste imposto, chamado IMI familiar. Trata-se de uma dedução fixa que é atribuída pelas autarquias às famílias residentes, de acordo com o número de dependentes a cargo. Assim:

N.º de dependentes Dedução fixa
1 20€
2 40€
3 ou mais 70€

 

Como consultar as taxas de IMI no Portal das Finanças?

Se quiser saber quanto vai pagar de IMI, pode consultar as taxas em vigor para o município onde reside e, desta forma, fazer as contas. Siga os seguintes passos:

 

1. Aceda ao Portal das Finanças

2. Clique em “Serviços”

3. Desça até “Consultar Taxas do Município"

4. Carregue em “Consultar Taxas do Município"

5. Escolha o ano e o distrito pretendido.

 

Depois, surge um quadro com as taxas para os prédios urbanos e rústicos em cada município do distrito e a dedução fixa por agregado ー neste caso, terá de carregar em “+ info” para verificar se o seu concelho atribui este desconto.

 

Exemplo: Um casal com dois filhos que viva em Lisboa num imóvel com um VPT de 120 000 euros, tem uma taxa de IMI de 0,34% e um desconto de 40 euros. Assim:

 

120 000€ x 0,34 - 40€ = 368€

 

 

Quais os prazos para pagamento do IMI?

O pagamento do IMI pode ser feito de uma única vez ou até três prestações, dependendo do valor:

 

  • Até 100 euros: prestação única, paga em maio
  • Entre 100 e 500 euros: duas prestações, pagas em maio e novembro
  • A partir de 500 euros: três prestações, pagas em maio, agosto e novembro.

 

Sublinhe-se que não é obrigatório pagar o IMI em prestações, podendo optar por liquidar o IMI de uma só vez em maio.

 

 

O que acontece em caso de atraso no pagamento do IMI?

Se não pagar o IMI na data prevista, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) irá dar início a um processo de execução fiscal e enviar-lhe uma notificação para casa. Tem 30 dias para pagar o imposto voluntariamente, acrescido dos juros de mora e encargos devidos. A legislação não prevê a aplicação de coimas, porém, terá de pagar o valor de uma só vez, não podendo recorrer ao pagamento a prestações (artigo 120.º do Código do IMI). Se não regularizar a sua dívida, o imóvel pode ser penhorado pelo Estado.

 

 

Como pagar o IMI?

Pode pagar o IMI presencialmente, numa repartição de Finanças, num balcão dos CTT ou numa instituição financeira que tenha protocolo com a AT. Em alternativa, pode pagar o imposto no Multibanco ou via homebanking.

 

 

Como pagar menos IMI?

A única forma de pagar menos IMI é pedindo uma reavaliação do valor patrimonial tributário. Como é que isto funciona? Ora, o valor do IMI é determinado com base no VPT, que é calculado com base em seis parâmetros:

 

  • Coeficiente de vetustez (Cv)
  • Valor base dos prédios edificados (Vc)
  • Coeficiente de localização (Cl)
  • Área bruta de construção (A)
  • Coeficiente de afetação (Ca)
  • Coeficiente de qualidade e conforto (Cq).

 

No entanto, com o passar dos anos os valores destes parâmetros podem mudar e, assim, representar uma alteração no valor do IMI a pagar. Por regra, o imóvel desvaloriza com o passar do tempo, o que significa que o coeficiente de vetustez pode ser mais baixo do que era quando fez a primeira avaliação do VPT.

 

Por este motivo, é possível pedir, de três em três anos, uma reavaliação do VPT à Autoridade Tributária e Aduaneira.

 

Atenção: a reavaliação do seu imóvel poderá reduzir o valor do IMI, mas também ter o efeito oposto. Portanto, antes de avançar com o pedido, deve verificar se será vantajoso, recorrendo ao simulador do Valor Patrimonial Tributário do Portal das Finanças.

 

Se o valor for inferior ou igual ao que consta na caderneta predial, poderá compensar avançar com o pedido. Esta requisição deve ser feita até ao dia 31 de dezembro, através da entrega do modelo 1 do IMI, e tem efeitos no cálculo do imposto a pagar no ano seguinte.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Salto Santander widget crédito habitação

Há sonhos que não podem esperar

Conheça as nossas soluções de crédito habitação.

Crédito Habitação

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).