finanças

Seguro por dias: o que é e quando compensa

27 jun 2023 | 3 min de leitura

Apesar de ainda não ser uma opção muito conhecida, já é possível fazer um seguro automóvel apenas por alguns dias. Saiba como funciona e quais as situações em que pode compensar escolher esta solução.

Já fez simulações online de um seguro automóvel? Ter-se-á apercebido que o período mínimo de contrato oferecido pelas seguradoras é de um ano (mesmo que o pagamento seja fracionado).

 

Contudo, por vezes as necessidades não justificam a celebração de um seguro anual. Nestes casos, é possível fazer um seguro por dias. Explicamos como funciona.

 

 

Seguro por dias: o que é

Tal como o nome indica, o seguro por dias é uma proteção automóvel contratada para um período específico.

 

Como o objetivo é que o seguro seja temporário, o período máximo de contratação não costuma ser superior a um mês. Ainda assim, quando a apólice terminar, pode renová-la.

 

É possível fazer um seguro por um dia?

Sim, o seguro por dias para automóvel pode ter uma duração de 1 a 28 dias.

 

 

Quais as coberturas de um seguro por dias?

O seguro por dias inclui a cobertura obrigatória de responsabilidade civil, que assegura o pagamento das indemnizações por danos corporais e materiais causados a terceiros e às pessoas transportadas, com exceção do condutor do veículo. No mínimo, esta cobertura deve assegurar 6 450 euros por acidente para danos corporais e 1 300 euros por acidente para danos materiais.

 

Além desta cobertura, o seguro por dias costuma incluir a assistência em viagem, dependendo da seguradora que o comercializa.

 

 

Que veículos podem ter um seguro por dias?

O seguro por dias funciona como um seguro normal, por isso pode ser feito para proteger automóveis ligeiros de passageiros (incluindo autocaravanas), motociclos e veículos comerciais.

 

 

Em que situações pode ser necessário fazer um seguro por dias?

Uma vez que se trata de um seguro temporário, o seguro por dias é adequado nas situações em que precisa do automóvel, mas a contratação de um seguro anual não é necessária ou não é possível de fazer em tempo útil. Algumas situações em que pode ser necessário recorrer ao seguro por dias:

 

Precisa de levar o automóvel à inspeção

Se precisar de levar o veículo à inspeção mas não tiver um seguro válido, um seguro por dias pode ser uma solução temporária, que permite realizar estas obrigações.

 

Está momentaneamente sem seguro

Imagine que decide comprar um automóvel novo e entrega o antigo como retoma. O automóvel novo chega em duas semanas, mas nesse intervalo de tempo o veículo atual fica sem seguro válido. Se fizer um seguro por dias, pode continuar a circular com o seu carro durante esse período.

 

 

O seguro por dias é mais barato do que o seguro anual?

Não. Se considerar o valor que está na fatura, o seguro por dias pode parecer mais barato do que o anual. Tal acontece porque é celebrado por um período menor. Porém, se fizer as contas ao preço por dia de um seguro anual, o seguro por dias acaba por ser mais caro. Assim, esta opção só é vantajosa se for usada em situações pontuais.

 

Portanto, se a ideia for usar o carro regularmente, a melhor opção continua a ser um seguro tradicional, ou seja, com uma apólice anual. Além de ser mais em conta, tem coberturas mais abrangentes.

 

Sublinhe-se que, em algumas seguradoras que comercializam seguros por dias, o preço por dia reduz consoante subscreve por mais dias. Ou seja, o segundo dia é mais económico do que o primeiro, e por aí adiante.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).