Equipamentos de segurança rodoviária

família

Que equipamentos de segurança rodoviária deve ter no automóvel?

17 ago 2022 | 4 min de leitura

Já ouviu falar da segurança passiva? Do triângulo ao airbag, há um conjunto de equipamentos de segurança rodoviária que deve conhecer e utilizar para garantir uma condução cuidadosa. Fique a conhecê-los.

Na maior parte dos casos são obrigatórios, mas alguns condutores optam por ignorá-los, colocando em causa a sua segurança, mas também a dos restantes passageiros e condutores. Seja um condutor defensivo e garanta a segurança de todos aqueles que estão ao seu redor. Para tal, basta utilizar corretamente os equipamentos de segurança rodoviária.

 

 

O que são elementos de segurança ativa?

Os sistemas de segurança ativa são sistemas que permitem prevenir ou evitar acidentes, pois atuam em situação de emergência, antes do acidente.
São todos os sistemas que o veículo possui e que atuam durante a condução ou numa situação de perigo iminente, tais como:

 

  • Pneus
  • Travões
  • Sistema ABS
  • Suspensão
  • Direção
  • Espelhos
  • Pala anti-encadeamento

 

 

O que são elementos de segurança passiva?

A segurança passiva atua essencialmente na proteção dos ocupantes em caso de acidente. Não sendo responsável direta pela redução da sinistralidade rodoviária, contribui para reduzir os danos durante e após o acidente, incluindo em situações de colisão e capotamento. Eis alguns exemplos de elementos de segurança rodoviária passiva:

 

Cinto de segurança

É um dos equipamentos de segurança rodoviária mais importantes, uma vez que é o único que retém os ocupantes de um veículo em caso de acidente, evitando ou reduzindo a gravidade de traumatismos. Segundo informações da Prevenção Rodoviária Portuguesa, utilizar sempre o cinto protege a sua vida, mas também a dos outros. Por exemplo, num choque frontal a 50 km/h, um passageiro sem cinto é projetado para a frente com uma força equivalente a três toneladas, embatendo violentamente no passageiro da frente.

 

Airbag

O airbag é um elemento que atua após a colisão e tem como objetivo principal proteger o corpo de bater contra superfícies duras, em caso de acidente. Os airbags frontais servem para proteger a cabeça de um embate violento contra o volante ou o tablier e os airbags laterais visam amortecer outras partes do corpo, como o tórax ou a coluna.

 

Encosto de cabeça

A função principal não é dar conforto, mas evitar um golpe perigoso no pescoço e na região cervical, conhecido como o “golpe de coelho”. Tal como o cinto, é um dispositivo de retenção que impede que a cabeça do ocupante sofra uma torção forte em caso de colisão pela retaguarda.

 

Sistemas de Retenção Infantil

Sabia que os acidentes rodoviários são a primeira causa de mortalidade nas crianças com menos de 10 anos? Por esta razão, deve transportar as crianças e jovens menores de 12 anos em sistemas de retenção adaptados à sua idade e peso, mais conhecidos como "cadeirinhas". Até esta idade, os jovens devem seguir sempre nos bancos de trás dos veículos, exceto se tiverem menos de três anos. Nestes casos, as crianças podem ser transportadas no banco da frente dos automóveis, em sistemas adequados para a retaguarda e com o airbag desligado.

 

 

Equipamentos de segurança obrigatórios

Triângulo de sinalização

É um sinal de pré-sinalização de perigo que deve colocar sempre que tiver um acidente ou automóvel ficar imobilizado na faixa de rodagem ou na berma devido a uma avaria. Este sinal deve ser colocado a uma distância mínima 30 metros do veículo a sinalizar, por forma a que fique visível a uma distância de 100 metros.

 

Colete retrorreflector

Sempre que o veículo ficar imobilizado e tiver necessidade de sair para colocar o triângulo, vista o colete retrorreflector para se tornar mais facilmente visível.

 

Tanto o triângulo como o colete autorrefletor são obrigatórios por lei e são verificados sempre que for a uma inspeção automóvel.

 

 

Equipamentos de segurança não obrigatórios

Extintor

Ter um extintor no carro apenas é obrigatório caso se trate de um veículo de transporte coletivo. No entanto, pode optar por ter um equipamento desta natureza (até dois quilos) no habitáculo e, desta forma, evitar que um pequeno incêndio tome grandes proporções.

 

Kit de primeiros socorros

São obrigatórios para veículos de transporte coletivo de crianças, mas não para o típico ligeiro de passageiros. No entanto, é um dos equipamentos recomendados para andar sempre consigo no carro. Deve conter: rolo adesivo, pensos rápidos, gaze, compressas para queimaduras, ligaduras plásticas, manta de primeiros socorros, compressa para feridas, tesoura, pinça e desinfetante para as mãos.

 

Mesmo que siga todas as regras do Código da Estrada e recomendações de segurança, os acidentes podem acontecer. Nesse momento, é importante que possa contar com um seguro automóvel que o apoie e ajude a ultrapassar esse momento. O Seguro Proteção Auto, está pronto para ir em seu auxílio e apoiá-lo quando mais precisar.

Na maior parte dos casos são obrigatórios, mas alguns condutores optam por ignorá-los, colocando em causa a sua segurança, mas também a dos restantes passageiros e condutores. Seja um condutor defensivo e garanta a segurança de todos aqueles que estão ao seu redor. Para tal, basta utilizar corretamente os equipamentos de segurança rodoviária.

 

 

O que são elementos de segurança ativa?

Os sistemas de segurança ativa são sistemas que permitem prevenir ou evitar acidentes, pois atuam em situação de emergência, antes do acidente.
São todos os sistemas que o veículo possui e que atuam durante a condução ou numa situação de perigo iminente, tais como:

 

  • Pneus
  • Travões
  • Sistema ABS
  • Suspensão
  • Direção
  • Espelhos
  • Pala anti-encadeamento

 

 

O que são elementos de segurança passiva?

A segurança passiva atua essencialmente na proteção dos ocupantes em caso de acidente. Não sendo responsável direta pela redução da sinistralidade rodoviária, contribui para reduzir os danos durante e após o acidente, incluindo em situações de colisão e capotamento. Eis alguns exemplos de elementos de segurança rodoviária passiva:

 

Cinto de segurança

É um dos equipamentos de segurança rodoviária mais importantes, uma vez que é o único que retém os ocupantes de um veículo em caso de acidente, evitando ou reduzindo a gravidade de traumatismos. Segundo informações da Prevenção Rodoviária Portuguesa, utilizar sempre o cinto protege a sua vida, mas também a dos outros. Por exemplo, num choque frontal a 50 km/h, um passageiro sem cinto é projetado para a frente com uma força equivalente a três toneladas, embatendo violentamente no passageiro da frente.

 

Airbag

O airbag é um elemento que atua após a colisão e tem como objetivo principal proteger o corpo de bater contra superfícies duras, em caso de acidente. Os airbags frontais servem para proteger a cabeça de um embate violento contra o volante ou o tablier e os airbags laterais visam amortecer outras partes do corpo, como o tórax ou a coluna.

 

Encosto de cabeça

A função principal não é dar conforto, mas evitar um golpe perigoso no pescoço e na região cervical, conhecido como o “golpe de coelho”. Tal como o cinto, é um dispositivo de retenção que impede que a cabeça do ocupante sofra uma torção forte em caso de colisão pela retaguarda.

 

Sistemas de Retenção Infantil

Sabia que os acidentes rodoviários são a primeira causa de mortalidade nas crianças com menos de 10 anos? Por esta razão, deve transportar as crianças e jovens menores de 12 anos em sistemas de retenção adaptados à sua idade e peso, mais conhecidos como "cadeirinhas". Até esta idade, os jovens devem seguir sempre nos bancos de trás dos veículos, exceto se tiverem menos de três anos. Nestes casos, as crianças podem ser transportadas no banco da frente dos automóveis, em sistemas adequados para a retaguarda e com o airbag desligado.

 

 

Equipamentos de segurança obrigatórios

Triângulo de sinalização

É um sinal de pré-sinalização de perigo que deve colocar sempre que tiver um acidente ou automóvel ficar imobilizado na faixa de rodagem ou na berma devido a uma avaria. Este sinal deve ser colocado a uma distância mínima 30 metros do veículo a sinalizar, por forma a que fique visível a uma distância de 100 metros.

 

Colete retrorreflector

Sempre que o veículo ficar imobilizado e tiver necessidade de sair para colocar o triângulo, vista o colete retrorreflector para se tornar mais facilmente visível.

 

Tanto o triângulo como o colete autorrefletor são obrigatórios por lei e são verificados sempre que for a uma inspeção automóvel.

 

 

Equipamentos de segurança não obrigatórios

Extintor

Ter um extintor no carro apenas é obrigatório caso se trate de um veículo de transporte coletivo. No entanto, pode optar por ter um equipamento desta natureza (até dois quilos) no habitáculo e, desta forma, evitar que um pequeno incêndio tome grandes proporções.

 

Kit de primeiros socorros

São obrigatórios para veículos de transporte coletivo de crianças, mas não para o típico ligeiro de passageiros. No entanto, é um dos equipamentos recomendados para andar sempre consigo no carro. Deve conter: rolo adesivo, pensos rápidos, gaze, compressas para queimaduras, ligaduras plásticas, manta de primeiros socorros, compressa para feridas, tesoura, pinça e desinfetante para as mãos.

 

Mesmo que siga todas as regras do Código da Estrada e recomendações de segurança, os acidentes podem acontecer. Nesse momento, é importante que possa contar com um seguro automóvel que o apoie e ajude a ultrapassar esse momento. O Seguro Proteção Auto, está pronto para ir em seu auxílio e apoiá-lo quando mais precisar.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).