Técnicas de condução defensiva

família

6 técnicas de condução defensiva que ajudam a manter a segurança

09 jun 2022 | 7 min de leitura

Já perdeu mais pontos da carta de condução do que gostaria? Aprenda algumas técnicas de condução defensiva e descubra como garantir a sua segurança - de todos os que o rodeiam - e, ainda, poupar dinheiro em combustível.

O que é a condução defensiva? Trata-se de um estilo de condução que utiliza determinadas técnicas para garantir a segurança de todos. A condução defensiva implica conduzir de forma a prevenir, evitar e não provocar acidentes, sejam quais forem as condições de circulação, do veículo, meteorológicas e os comportamentos dos outros condutores e peões.

 

 

Quais as características de um condutor defensivo?

Um condutor defensivo é aquele que é capaz de reagir às circunstâncias ao seu redor, evitando colisões e acidentes. O que distingue o condutor defensivo dos restantes é a forma como se comporta na estrada. Assim, uma atitude defensiva deve ser:

 

  • Responsável. Ciente dos riscos e consciente de que os maiores perigos advêm da falta de concentração, do estado físico ou emocional.

 

  • Cuidadosa. Qualquer percurso, longo ou curto, deve ser tido como potencialmente perigoso. Mesmo um caminho que realiza diariamente é sempre diferente, pois há muitos fatores que não conseguirá controlar.

 

  • Pensada. Cada vez que entra no carro e coloca a chave na ignição, deve estabelecer uma estratégia e pensar naquilo que vai fazer. Fatores como a aderência ao piso, a visibilidade, o trânsito, as condições atmosféricas e o seu próprio estado físico e mental vão influenciar a condução.

 

 

6 técnicas de condução defensiva

Para ser um condutor defensivo, basta adotar alguns hábitos e seguir as regras de segurança rodoviária.

 

1. Posicionar-se corretamente

A segurança começa dentro do seu automóvel. Quando se senta ao volante, deve posicionar-se por forma a conseguir manter a concentração em todos os momentos. Assim, deve ter alguns cuidados:

 

  • Estar confortável e com acesso a todos os manetes essenciais
  • Braços e pernas devem estar ligeiramente dobrados
  • Corpo encostado no banco, com um ângulo próximo de 90 graus
  • Encosto de cabeça à altura dos olhos
  • Retrovisores posicionados por forma a que não tenha que virar muito a cabeça para ver obstáculos.

 

Todos devem usar cinto de segurança, sem exceção. As crianças devem estar no banco traseiro, sentadas em cadeirinhas, de acordo com sua altura e peso.

 

Para evitar distrações, é importante que, sempre que possível, desligue o telemóvel e não coloque a música muito alto.

 

2. Antecipar cenários de perigo

Se já é um condutor experiente, conseguirá reconhecer algumas situações de perigo. Por exemplo: se vê uma bola na estrada, é possível que uma criança esteja atrás dela. Outros cenários de perigo que podem ser antecipados:

 

  • Ao aproximar-se de zonas mais movimentadas, como postos de combustível, escolas ou zonas comerciais, redobre a atenção e procure movimentações de automóveis ou pessoas.

 

  • Quando está a aproximar-se de um cruzamento, preste atenção ao movimento nas ruas laterais e transversais, para poder agir defensivamente, se necessário.

 

  • Em estradas com várias pistas, observe o espaço entre os pneus do veículo à sua frente e a marcação da estrada. Se a diferença diminuir, pode significar que este está à deriva ou prestes a mudar de faixa.

 

  • Preste atenção aos peões, ciclistas ou corredores. Esteja pronto para usar os travões.

 

  • Esteja atento ao espelho retrovisor para detetar condutores que possam querer ultrapassá-lo.

 

  • Quando há viaturas estacionadas na estrada, ou em segunda fila, junto a passadeiras ou cruzamentos, abrande a marcha para perceber se algum peão ou automóvel se prepara para fazer o atravessamento.

 

3. Usar a sinalização correta

Se pretende ultrapassar um automóvel, estacionar, mudar de direção ou parar deve sempre assinalar a sua intenção, utilizando o pisca ou os quatro-piscas, se necessário. Este ato, além de ser obrigatório ao abrigo do Código da Estrada, é importante para que os outros condutores saibam que está prestes a sair da sua trajetória e poderem adaptar-se às circunstâncias.

 

4. Estabelecer contacto com outros condutores

Nem sempre é possível saber se os outros condutores estão atentos à sua sinalização. Por isso, sempre que for necessário, deve certificar-se que o outro veículo compreendeu a manobra que irá realizar. Pode recorrer a sinais visuais, luminosos, gestuais ou, se perceber que existe perigo, aos sinais sonoros (a buzina).

 

Mas tenha atenção que estes podem ser interpretados de formas diferentes. Por exemplo, se fizer sinais de luzes ao chegar a um cruzamento, pode estar a passar duas mensagens distintas:

 

  • “Eu cedo a passagem, pode avançar”
  • “Atenção que estou aqui e vou passar”

 

Para que a mensagem chegue de forma correta aos restantes condutores, poderá ter de associar estes sinais a outros, como a posição do veículo, um sinal gestual ou um sinal de mudança de direção.

 

5. Recorrer aos espelhos retrovisores

São os seus melhores amigos numa condução defensiva, permitindo-lhe ter uma visão mais ampla em relação ao que se passa nas partes laterais e traseira do veículo.

 

Apesar de serem extremamente úteis, lembre-se que existe um ângulo morto. São zonas sem visibilidade que não conseguem ser vistas através dos espelhos e retrovisores. Por isso, antes de realizar uma manobra, olhe para os dois lados do automóvel, para certificar-se de que não existe nenhum veículo ao seu lado.

 

6. Manter a distância

Talvez seja uma das técnicas de condução defensivas mais importantes. Deve manter uma distância de segurança em relação aos veículos que estão à sua frente e à retaguarda, garantindo que tem visibilidade e espaço de ação e reação.

 

O Código da Estrada não determina uma distância de segurança mínima entre veículos, apenas define que esta deve ser “suficiente para evitar acidentes em caso de súbita paragem ou diminuição de velocidade”.

 

No entanto, caso conduza um veículo motorizado e um ciclista circule na estrada, deve manter uma distância lateral de, pelo menos, 1,5 metros, para evitar acidentes.

 

 

Condução com condições atmosféricas desfavoráveis

Chuva, nevoeiro, gelo e neve alteram substancialmente as condições da circulação rodoviária e podem contribuir para má visibilidade, perda de aderência ou maior desgaste da viatura.

 

Cuidados que deve ter com o automóvel

É possível conduzir de forma segura com condições atmosféricas desfavoráveis desde que tenha alguns cuidados, nomeadamente verificar regularmente as condições técnicas do seu automóvel. Assim, deve:

 

Verificar os pneus

O piso molhado ou escorregadio diminui a aderência, o que pode ser agravado por pneus em mau estado de conservação. Por isso, verifique o estado e a pressão dos pneus, antes de começar a circular.

 

Garantir o sistema de iluminação e sinalização

Os mínimos, médios, máximos, luzes de nevoeiro e de marcha atrás, assim como os stops ou os piscas, devem encontrar-se em boas condições de funcionamento. Também deve manter os vidros limpos. Por exemplo, se os faróis estiverem sujos, podem reduzir a intensidade em 40%.

 

Assegurar o funcionamento do automóvel

É ainda importante garantir que o sistema de travagem, a bateria, os amortecedores, o limpa pára-brisas e as escovas estão em bom estado de conservação e em pleno funcionamento.

 

Cuidados que deve ter na estrada

Na condução sob condições atmosféricas adversas evite manobras desnecessárias, sobretudo as ultrapassagens, e reforce a adoção de uma condução defensiva. Alguns comportamentos que minimizam o risco de acidente são:

 

  • Aumentar a distância de segurança. Se o piso estiver molhado ou escorregadio, a distância de travagem aumenta. Assim, deve aumentar a distância de segurança para que, se o condutor do veículo da frente tiver que fazer uma travagem brusca, tenha tempo para agir e minimizar o risco de colisão.

 

  • Reduzir da velocidade. Quanto maior a velocidade, maior a distância de travagem e os riscos de derrapagem. Se a visibilidade está comprometida pelas condições atmosféricas, deve diminuir a velocidade.

 

  • Circular com médios acesos. Os faróis são essenciais para ser visto por outros condutores, quando a visibilidade é reduzida. Em caso de nevoeiro deve ligar o farol de nevoeiro. Para ver melhor, deve evitar o embaciamento dos vidros, através da regulação do sistema de aquecimento.

 

 

Como preparar uma viagem de carro?

Quer seja uma longa, média ou curta viagem, a preparação é uma componente essencial da condução defensiva.

 

  • Antes. Verificar o estado do veículo, o trânsito, as condições atmosféricas, estudar o percurso e prever alternativas em caso de tráfego.

 

  • Durante. Assegurar que tem o GPS com destino final e o melhor percurso para lá chegar. Caso se trate de uma viagem grande, deve ainda ter os números de emergência perto de si, equipamentos em caso de avaria, saber que postos de combustível existem no percurso e levar mantimentos para evitar paragens desnecessárias - no entanto, lembre-se que deve parar de duas em duas horas para descansar.. Em caso de avaria, imobilize o veículo na berma e coloque o colete e triângulo de sinalização de forma visível.

 

  • Depois. Saber onde pode estacionar o automóvel e conhecer as regras específicas de condução, caso tenha como destino principal um país estrangeiro.

 

Mesmo que tenha uma condução defensiva e cumpra as regras de segurança rodoviária, os acidentes automóveis podem acontecer. Neste caso, é importante contar com um seguro automóvel que o apoie em todos os momentos. Quer precise de um reboque, de ser transportado para um hospital, de proteção jurídica ou de um automóvel de substituição, o Seguro Proteção Auto, da MAPFRE Santander Portugal, está pronto para ir em seu auxílio e apoiá-lo quando mais precisa.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

O que é a condução defensiva? Trata-se de um estilo de condução que utiliza determinadas técnicas para garantir a segurança de todos. A condução defensiva implica conduzir de forma a prevenir, evitar e não provocar acidentes, sejam quais forem as condições de circulação, do veículo, meteorológicas e os comportamentos dos outros condutores e peões.

 

 

Quais as características de um condutor defensivo?

Um condutor defensivo é aquele que é capaz de reagir às circunstâncias ao seu redor, evitando colisões e acidentes. O que distingue o condutor defensivo dos restantes é a forma como se comporta na estrada. Assim, uma atitude defensiva deve ser:

 

  • Responsável. Ciente dos riscos e consciente de que os maiores perigos advêm da falta de concentração, do estado físico ou emocional.

 

  • Cuidadosa. Qualquer percurso, longo ou curto, deve ser tido como potencialmente perigoso. Mesmo um caminho que realiza diariamente é sempre diferente, pois há muitos fatores que não conseguirá controlar.

 

  • Pensada. Cada vez que entra no carro e coloca a chave na ignição, deve estabelecer uma estratégia e pensar naquilo que vai fazer. Fatores como a aderência ao piso, a visibilidade, o trânsito, as condições atmosféricas e o seu próprio estado físico e mental vão influenciar a condução.

 

 

6 técnicas de condução defensiva

Para ser um condutor defensivo, basta adotar alguns hábitos e seguir as regras de segurança rodoviária.

 

1. Posicionar-se corretamente

A segurança começa dentro do seu automóvel. Quando se senta ao volante, deve posicionar-se por forma a conseguir manter a concentração em todos os momentos. Assim, deve ter alguns cuidados:

 

  • Estar confortável e com acesso a todos os manetes essenciais
  • Braços e pernas devem estar ligeiramente dobrados
  • Corpo encostado no banco, com um ângulo próximo de 90 graus
  • Encosto de cabeça à altura dos olhos
  • Retrovisores posicionados por forma a que não tenha que virar muito a cabeça para ver obstáculos.

 

Todos devem usar cinto de segurança, sem exceção. As crianças devem estar no banco traseiro, sentadas em cadeirinhas, de acordo com sua altura e peso.

 

Para evitar distrações, é importante que, sempre que possível, desligue o telemóvel e não coloque a música muito alto.

 

2. Antecipar cenários de perigo

Se já é um condutor experiente, conseguirá reconhecer algumas situações de perigo. Por exemplo: se vê uma bola na estrada, é possível que uma criança esteja atrás dela. Outros cenários de perigo que podem ser antecipados:

 

  • Ao aproximar-se de zonas mais movimentadas, como postos de combustível, escolas ou zonas comerciais, redobre a atenção e procure movimentações de automóveis ou pessoas.

 

  • Quando está a aproximar-se de um cruzamento, preste atenção ao movimento nas ruas laterais e transversais, para poder agir defensivamente, se necessário.

 

  • Em estradas com várias pistas, observe o espaço entre os pneus do veículo à sua frente e a marcação da estrada. Se a diferença diminuir, pode significar que este está à deriva ou prestes a mudar de faixa.

 

  • Preste atenção aos peões, ciclistas ou corredores. Esteja pronto para usar os travões.

 

  • Esteja atento ao espelho retrovisor para detetar condutores que possam querer ultrapassá-lo.

 

  • Quando há viaturas estacionadas na estrada, ou em segunda fila, junto a passadeiras ou cruzamentos, abrande a marcha para perceber se algum peão ou automóvel se prepara para fazer o atravessamento.

 

3. Usar a sinalização correta

Se pretende ultrapassar um automóvel, estacionar, mudar de direção ou parar deve sempre assinalar a sua intenção, utilizando o pisca ou os quatro-piscas, se necessário. Este ato, além de ser obrigatório ao abrigo do Código da Estrada, é importante para que os outros condutores saibam que está prestes a sair da sua trajetória e poderem adaptar-se às circunstâncias.

 

4. Estabelecer contacto com outros condutores

Nem sempre é possível saber se os outros condutores estão atentos à sua sinalização. Por isso, sempre que for necessário, deve certificar-se que o outro veículo compreendeu a manobra que irá realizar. Pode recorrer a sinais visuais, luminosos, gestuais ou, se perceber que existe perigo, aos sinais sonoros (a buzina).

 

Mas tenha atenção que estes podem ser interpretados de formas diferentes. Por exemplo, se fizer sinais de luzes ao chegar a um cruzamento, pode estar a passar duas mensagens distintas:

 

  • “Eu cedo a passagem, pode avançar”
  • “Atenção que estou aqui e vou passar”

 

Para que a mensagem chegue de forma correta aos restantes condutores, poderá ter de associar estes sinais a outros, como a posição do veículo, um sinal gestual ou um sinal de mudança de direção.

 

5. Recorrer aos espelhos retrovisores

São os seus melhores amigos numa condução defensiva, permitindo-lhe ter uma visão mais ampla em relação ao que se passa nas partes laterais e traseira do veículo.

 

Apesar de serem extremamente úteis, lembre-se que existe um ângulo morto. São zonas sem visibilidade que não conseguem ser vistas através dos espelhos e retrovisores. Por isso, antes de realizar uma manobra, olhe para os dois lados do automóvel, para certificar-se de que não existe nenhum veículo ao seu lado.

 

6. Manter a distância

Talvez seja uma das técnicas de condução defensivas mais importantes. Deve manter uma distância de segurança em relação aos veículos que estão à sua frente e à retaguarda, garantindo que tem visibilidade e espaço de ação e reação.

 

O Código da Estrada não determina uma distância de segurança mínima entre veículos, apenas define que esta deve ser “suficiente para evitar acidentes em caso de súbita paragem ou diminuição de velocidade”.

 

No entanto, caso conduza um veículo motorizado e um ciclista circule na estrada, deve manter uma distância lateral de, pelo menos, 1,5 metros, para evitar acidentes.

 

 

Condução com condições atmosféricas desfavoráveis

Chuva, nevoeiro, gelo e neve alteram substancialmente as condições da circulação rodoviária e podem contribuir para má visibilidade, perda de aderência ou maior desgaste da viatura.

 

Cuidados que deve ter com o automóvel

É possível conduzir de forma segura com condições atmosféricas desfavoráveis desde que tenha alguns cuidados, nomeadamente verificar regularmente as condições técnicas do seu automóvel. Assim, deve:

 

Verificar os pneus

O piso molhado ou escorregadio diminui a aderência, o que pode ser agravado por pneus em mau estado de conservação. Por isso, verifique o estado e a pressão dos pneus, antes de começar a circular.

 

Garantir o sistema de iluminação e sinalização

Os mínimos, médios, máximos, luzes de nevoeiro e de marcha atrás, assim como os stops ou os piscas, devem encontrar-se em boas condições de funcionamento. Também deve manter os vidros limpos. Por exemplo, se os faróis estiverem sujos, podem reduzir a intensidade em 40%.

 

Assegurar o funcionamento do automóvel

É ainda importante garantir que o sistema de travagem, a bateria, os amortecedores, o limpa pára-brisas e as escovas estão em bom estado de conservação e em pleno funcionamento.

 

Cuidados que deve ter na estrada

Na condução sob condições atmosféricas adversas evite manobras desnecessárias, sobretudo as ultrapassagens, e reforce a adoção de uma condução defensiva. Alguns comportamentos que minimizam o risco de acidente são:

 

  • Aumentar a distância de segurança. Se o piso estiver molhado ou escorregadio, a distância de travagem aumenta. Assim, deve aumentar a distância de segurança para que, se o condutor do veículo da frente tiver que fazer uma travagem brusca, tenha tempo para agir e minimizar o risco de colisão.

 

  • Reduzir da velocidade. Quanto maior a velocidade, maior a distância de travagem e os riscos de derrapagem. Se a visibilidade está comprometida pelas condições atmosféricas, deve diminuir a velocidade.

 

  • Circular com médios acesos. Os faróis são essenciais para ser visto por outros condutores, quando a visibilidade é reduzida. Em caso de nevoeiro deve ligar o farol de nevoeiro. Para ver melhor, deve evitar o embaciamento dos vidros, através da regulação do sistema de aquecimento.

 

 

Como preparar uma viagem de carro?

Quer seja uma longa, média ou curta viagem, a preparação é uma componente essencial da condução defensiva.

 

  • Antes. Verificar o estado do veículo, o trânsito, as condições atmosféricas, estudar o percurso e prever alternativas em caso de tráfego.

 

  • Durante. Assegurar que tem o GPS com destino final e o melhor percurso para lá chegar. Caso se trate de uma viagem grande, deve ainda ter os números de emergência perto de si, equipamentos em caso de avaria, saber que postos de combustível existem no percurso e levar mantimentos para evitar paragens desnecessárias - no entanto, lembre-se que deve parar de duas em duas horas para descansar.. Em caso de avaria, imobilize o veículo na berma e coloque o colete e triângulo de sinalização de forma visível.

 

  • Depois. Saber onde pode estacionar o automóvel e conhecer as regras específicas de condução, caso tenha como destino principal um país estrangeiro.

 

Mesmo que tenha uma condução defensiva e cumpra as regras de segurança rodoviária, os acidentes automóveis podem acontecer. Neste caso, é importante contar com um seguro automóvel que o apoie em todos os momentos. Quer precise de um reboque, de ser transportado para um hospital, de proteção jurídica ou de um automóvel de substituição, o Seguro Proteção Auto, da MAPFRE Santander Portugal, está pronto para ir em seu auxílio e apoiá-lo quando mais precisa.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!