Subsídio de alimentação: legislação

finanças

Subsídio de alimentação: o que diz a legislação?

31 out 2022 | 5 min de leitura

Sabia que o subsídio de refeição não é obrigatório? Ou que não tem de o receber quando está de férias? Saiba o que diz a legislação sobre o subsídio de refeição.

O subsídio de refeição é uma das regalias mais antigas e importantes dos trabalhadores em Portugal. No entanto, nem todas as pessoas sabem que não é um direito, mas sim um benefício, e que, por esse motivo, não consta no Código do Trabalho. Saiba, neste artigo, o que diz a legislação sobre o subsídio de alimentação.

 

 

O que é o subsídio de alimentação?

O subsídio de alimentação - ou subsídio de refeição - é um valor pago pelas empresas aos colaboradores para compensar a despesa que têm com a refeição realizada durante o dia de trabalho. Embora seja, por regra, pago com o salário, não faz parte do mesmo. Pode ser pago em dinheiro ou em cartão de refeição.

 

 

O subsídio de alimentação é obrigatório?

Não. Este é considerado um benefício social. Apesar de a maior parte das empresas pagarem este valor aos trabalhadores, tanto do setor público como no privado, não é obrigatório por lei. Como tal, não consta no Código do Trabalho, ao contrário do que acontece com o subsídio de férias ou de Natal.

 

 

Qual o valor do subsídio de alimentação?

A resposta à pergunta “quanto é o subsídio de alimentação?” não é simples, principalmente porque não é um direito que consta no Código do Trabalho, mas sim um benefício. No entanto, o setor privado tem como referência o setor público e, neste caso, é o Orçamento do Estado que define o valor a pagar à função pública.

 

Assim, o valor da remuneração de refeição na função pública é de 4,77 euros por cada dia de trabalho. Este montante foi atualizado no Orçamento do Estado para 2017, tendo-se mantido igual desde então.

 

 

Quem tem direito a subsídio de alimentação?

Todos os trabalhadores da função pública, uma vez que o seu valor está definido no Orçamento do Estado. Já os trabalhadores do setor privado têm direito, desde que conste no seu contrato individual de trabalho ou no contrato coletivo do setor.

 

Trabalhadores a tempo parcial

A partir de quantas horas de trabalho tem direito a receber subsídio de alimentação? Segundo o Artigo 154.º do Código do Trabalho, que define as condições de trabalho a tempo parcial, os trabalhadores em regime de part-time têm direito à remuneração de refeição de valor igual aos restantes trabalhadores. Exceto quando o período normal de trabalho for inferior a cinco horas. Neste caso, o valor deve ser calculado em proporção ao período de trabalho semanal.

 

Subsídio de refeição em regime de teletrabalho

Se a empresa onde trabalha paga subsídio de alimentação, os trabalhadores remotos também têm direito a receber este valor, independentemente do motivo que o levou a estar neste regime de prestação de trabalho.

 

 

Como calcular o subsídio de alimentação?

Por norma, é a empresa que define qual o valor diário que paga, no entanto, este pormenor deve constar no contrato de trabalho individual ou coletivo. Para saber quanto irá receber, pegue nesse valor e multiplique por 22 (o número normal de dias de trabalho por mês). Por exemplo, se recebe 7,63 euros por dia, irá receber, ao final do mês, 167,86 euros. Atenção que este valor pode oscilar consoante o número de dias que trabalha. Por exemplo, não recebe remuneração nos dias em que está de férias ou tem faltas injustificadas.

 

 

Como é pago o subsídio de refeição?

É pago mensalmente em dinheiro, vales ou cartão de refeição.

 

Em cartão de refeição

O cartão de refeição funciona como um cartão de débito pré-pago. A empresa faz a transferência do valor para este cartão, que depois pode ser utilizado em restaurantes, lojas ou supermercados. A remuneração em cartão é cada vez mais utilizada, pois permite aos trabalhadores receberem um valor superior, sem ter de pagar IRS, tal como iremos explicar mais adiante.

 

Em dinheiro

Se não optar pelo cartão refeição, irá receber em dinheiro, na sua conta bancária, juntamente com o salário. É uma solução mais prática, mas pode limitar o valor que recebe.

 

 

O subsídio de alimentação está sujeito a IRS?

Não está sujeito a IRS até um determinado limite legal. Este teto máximo varia conforme seja pago em dinheiro ou vale ou cartão de refeição. Assim, os valores isentos de pagamento de IRS são:

Meio de pagamento Limite de isenção IRS
Dinheiro 4,77€/dia
Vale ou cartão refeição 7,63€/dia

A partir destes valores, já terá de fazer retenção da fonte.

 

Exemplo: Um trabalhador que receba 6 euros por dia, em dinheiro, apenas terá de pagar IRS sobre o excedente de 4,77 euros. Ou seja, sobre 1,23 euros. Já se este mesmo colaborador receber em cartão de refeição, não terá de pagar IRS sobre este valor, uma vez que a tributação apenas acontece a partir de 7,63 euros por dia.

 

 

O subsídio de alimentação pode ser penhorado?

Em caso de penhora de salário, dois terços do vencimento são impenhoráveis. O que significa que apenas podem penhorar um terço do seu vencimento líquido. No entanto, o valor é calculado sobre o salário líquido. Assim, se existe um complemento de salário pago em dinheiro, como o subsídio de refeição, também é tido em consideração no cálculo.

 

 

O subsídio de alimentação é pago nas férias?

Por regra, não. Este montante é pago por cada dia trabalhado, excluindo, desta forma, os dias de férias, feriados, faltas ou outros dias não trabalhados.

O subsídio de refeição é uma das regalias mais antigas e importantes dos trabalhadores em Portugal. No entanto, nem todas as pessoas sabem que não é um direito, mas sim um benefício, e que, por esse motivo, não consta no Código do Trabalho. Saiba, neste artigo, o que diz a legislação sobre o subsídio de alimentação.

 

 

O que é o subsídio de alimentação?

O subsídio de alimentação - ou subsídio de refeição - é um valor pago pelas empresas aos colaboradores para compensar a despesa que têm com a refeição realizada durante o dia de trabalho. Embora seja, por regra, pago com o salário, não faz parte do mesmo. Pode ser pago em dinheiro ou em cartão de refeição.

 

 

O subsídio de alimentação é obrigatório?

Não. Este é considerado um benefício social. Apesar de a maior parte das empresas pagarem este valor aos trabalhadores, tanto do setor público como no privado, não é obrigatório por lei. Como tal, não consta no Código do Trabalho, ao contrário do que acontece com o subsídio de férias ou de Natal.

 

 

Qual o valor do subsídio de alimentação?

A resposta à pergunta “quanto é o subsídio de alimentação?” não é simples, principalmente porque não é um direito que consta no Código do Trabalho, mas sim um benefício. No entanto, o setor privado tem como referência o setor público e, neste caso, é o Orçamento do Estado que define o valor a pagar à função pública.

 

Assim, o valor da remuneração de refeição na função pública é de 4,77 euros por cada dia de trabalho. Este montante foi atualizado no Orçamento do Estado para 2017, tendo-se mantido igual desde então.

 

 

Quem tem direito a subsídio de alimentação?

Todos os trabalhadores da função pública, uma vez que o seu valor está definido no Orçamento do Estado. Já os trabalhadores do setor privado têm direito, desde que conste no seu contrato individual de trabalho ou no contrato coletivo do setor.

 

Trabalhadores a tempo parcial

A partir de quantas horas de trabalho tem direito a receber subsídio de alimentação? Segundo o Artigo 154.º do Código do Trabalho, que define as condições de trabalho a tempo parcial, os trabalhadores em regime de part-time têm direito à remuneração de refeição de valor igual aos restantes trabalhadores. Exceto quando o período normal de trabalho for inferior a cinco horas. Neste caso, o valor deve ser calculado em proporção ao período de trabalho semanal.

 

Subsídio de refeição em regime de teletrabalho

Se a empresa onde trabalha paga subsídio de alimentação, os trabalhadores remotos também têm direito a receber este valor, independentemente do motivo que o levou a estar neste regime de prestação de trabalho.

 

 

Como calcular o subsídio de alimentação?

Por norma, é a empresa que define qual o valor diário que paga, no entanto, este pormenor deve constar no contrato de trabalho individual ou coletivo. Para saber quanto irá receber, pegue nesse valor e multiplique por 22 (o número normal de dias de trabalho por mês). Por exemplo, se recebe 7,63 euros por dia, irá receber, ao final do mês, 167,86 euros. Atenção que este valor pode oscilar consoante o número de dias que trabalha. Por exemplo, não recebe remuneração nos dias em que está de férias ou tem faltas injustificadas.

 

 

Como é pago o subsídio de refeição?

É pago mensalmente em dinheiro, vales ou cartão de refeição.

 

Em cartão de refeição

O cartão de refeição funciona como um cartão de débito pré-pago. A empresa faz a transferência do valor para este cartão, que depois pode ser utilizado em restaurantes, lojas ou supermercados. A remuneração em cartão é cada vez mais utilizada, pois permite aos trabalhadores receberem um valor superior, sem ter de pagar IRS, tal como iremos explicar mais adiante.

 

Em dinheiro

Se não optar pelo cartão refeição, irá receber em dinheiro, na sua conta bancária, juntamente com o salário. É uma solução mais prática, mas pode limitar o valor que recebe.

 

 

O subsídio de alimentação está sujeito a IRS?

Não está sujeito a IRS até um determinado limite legal. Este teto máximo varia conforme seja pago em dinheiro ou vale ou cartão de refeição. Assim, os valores isentos de pagamento de IRS são:

Meio de pagamento Limite de isenção IRS
Dinheiro 4,77€/dia
Vale ou cartão refeição 7,63€/dia

A partir destes valores, já terá de fazer retenção da fonte.

 

Exemplo: Um trabalhador que receba 6 euros por dia, em dinheiro, apenas terá de pagar IRS sobre o excedente de 4,77 euros. Ou seja, sobre 1,23 euros. Já se este mesmo colaborador receber em cartão de refeição, não terá de pagar IRS sobre este valor, uma vez que a tributação apenas acontece a partir de 7,63 euros por dia.

 

 

O subsídio de alimentação pode ser penhorado?

Em caso de penhora de salário, dois terços do vencimento são impenhoráveis. O que significa que apenas podem penhorar um terço do seu vencimento líquido. No entanto, o valor é calculado sobre o salário líquido. Assim, se existe um complemento de salário pago em dinheiro, como o subsídio de refeição, também é tido em consideração no cálculo.

 

 

O subsídio de alimentação é pago nas férias?

Por regra, não. Este montante é pago por cada dia trabalhado, excluindo, desta forma, os dias de férias, feriados, faltas ou outros dias não trabalhados.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).