Maximixar os benefícios fiscais do PPR

finanças

Maximize os benefícios fiscais do seu PPR com estas dicas

Atualizado a 30 nov 2022
09 fev 2022 | 4 min de leitura

Os planos poupança reformas (PPR) são aplicações financeiras que têm diversos benefícios fiscais. Descubra como ter o benefício fiscal máximo no seu plano poupança reforma.

Temos debatido há bastante tempo o tema da sustentabilidade do sistema público de reforma e apresentado ideias para que consiga proteger-se da esperada queda da sua pensão. Neste artigo damos destaque aos benefícios fiscais associados aos PPR e mostramos como pode ter o benefício fiscal máximo com menos esforço.

 

Conheça os benefícios fiscais associados à poupança para reforma

O primeiro passo neste processo é ganhar a real consciência da importância dos benefícios fiscais associados aos produtos de poupança para a reforma. Na realidade, tanto os PPR como os Fundos de Pensões têm associados benefícios fiscais, tanto no momento da constituição como no momento do resgate. Aliás, com alguma probabilidade a sua empresa tem um destes produtos disponíveis para si e com vantagens adicionais (várias empresas contribuem para estes produtos em seu nome).

 

Determine o valor do benefício máximo e ganhe no reembolso do IRS

O benefício máximo associado ao PPR ou ao Fundo de Pensões depende da sua idade. Na prática, quanto mais novo for maior o benefício, mas maior o montante que tem de poupar para o conseguir captar. O passo seguinte é dividir o montante máximo pelo número de meses até ao fim do ano e definir um programa de entregas programadas. Na pior das hipóteses, deverá poupar 167 euros por mês. Poderá parecer muito mas implicará que ganha automaticamente, em forma de dedução à coleta, 400 euros no seu próximo IRS.

 

O que fazer ao reembolso do seu IRS?

Em breve iremos retomar o período de entrega do IRS; altura que costuma ser muito aguardada pois contamos obter algum reembolso do imposto retido na fonte. Por que não aproveitar parte deste reembolso para reforçar o seu PPR e, com isso, reduzir o seu esforço de poupança mensal?

 

Como começar?

Para começar a captar os benefícios fiscais associados ao seu PPR tem de perceber qual o espaço que tem no seu orçamento para destinar para este fim. De seguida, escolher um PPR adequado ao seu perfil (pode pedir apoio ao seu gestor de conta) e definir um programa de entregas automático. Depois, apenas terá de aproveitar a vida sabendo que o seu dinheiro está a ser gerido por uma equipa de profissionais que cuidam dele ao longo do ano.

 

 

Novas condições especiais de resgate

De acordo com o artigo 6.º da Lei n.º 19/2022, de 21 de outubro, entre 1 de outubro de 2022 e 31 de dezembro de 2023, os planos de poupança (PPR, PPE e PPR/E) podem ser reembolsados antecipadamente, pelo seu titular, até ao limite mensal do valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS) - 443,20€ em 2022, estimando-se, em 2023, que seja atualizado em 8% para 478,70€ -, sem qualquer penalização associada. Para mais informações, fale com o seu gestor de conta.

Temos debatido há bastante tempo o tema da sustentabilidade do sistema público de reforma e apresentado ideias para que consiga proteger-se da esperada queda da sua pensão. Neste artigo damos destaque aos benefícios fiscais associados aos PPR e mostramos como pode ter o benefício fiscal máximo com menos esforço.

 

Conheça os benefícios fiscais associados à poupança para reforma

O primeiro passo neste processo é ganhar a real consciência da importância dos benefícios fiscais associados aos produtos de poupança para a reforma. Na realidade, tanto os PPR como os Fundos de Pensões têm associados benefícios fiscais, tanto no momento da constituição como no momento do resgate. Aliás, com alguma probabilidade a sua empresa tem um destes produtos disponíveis para si e com vantagens adicionais (várias empresas contribuem para estes produtos em seu nome).

 

Determine o valor do benefício máximo e ganhe no reembolso do IRS

O benefício máximo associado ao PPR ou ao Fundo de Pensões depende da sua idade. Na prática, quanto mais novo for maior o benefício, mas maior o montante que tem de poupar para o conseguir captar. O passo seguinte é dividir o montante máximo pelo número de meses até ao fim do ano e definir um programa de entregas programadas. Na pior das hipóteses, deverá poupar 167 euros por mês. Poderá parecer muito mas implicará que ganha automaticamente, em forma de dedução à coleta, 400 euros no seu próximo IRS.

 

O que fazer ao reembolso do seu IRS?

Em breve iremos retomar o período de entrega do IRS; altura que costuma ser muito aguardada pois contamos obter algum reembolso do imposto retido na fonte. Por que não aproveitar parte deste reembolso para reforçar o seu PPR e, com isso, reduzir o seu esforço de poupança mensal?

 

Como começar?

Para começar a captar os benefícios fiscais associados ao seu PPR tem de perceber qual o espaço que tem no seu orçamento para destinar para este fim. De seguida, escolher um PPR adequado ao seu perfil (pode pedir apoio ao seu gestor de conta) e definir um programa de entregas automático. Depois, apenas terá de aproveitar a vida sabendo que o seu dinheiro está a ser gerido por uma equipa de profissionais que cuidam dele ao longo do ano.

 

 

Novas condições especiais de resgate

De acordo com o artigo 6.º da Lei n.º 19/2022, de 21 de outubro, entre 1 de outubro de 2022 e 31 de dezembro de 2023, os planos de poupança (PPR, PPE e PPR/E) podem ser reembolsados antecipadamente, pelo seu titular, até ao limite mensal do valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS) - 443,20€ em 2022, estimando-se, em 2023, que seja atualizado em 8% para 478,70€ -, sem qualquer penalização associada. Para mais informações, fale com o seu gestor de conta.

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).