como escolher um seguro de saude

bem-estar

Como escolher um seguro de saúde? Eis o que precisa de saber

27 abr 2021 | 6 min de leitura
Saiba o que deve ter em conta ao escolher um seguro de saúde. Conheça as regras deste tipo de seguro e os conceitos essenciais para poder decidir.

Basta fazer uma pesquisa pelas palavras “seguro de saúde” e o resultado são dezenas de anúncios. Afinal, o que oferece cada um? E o que deve ter em conta ao escolher um seguro de saúde?

 

Como em qualquer tipo de seguro, o preço é importante, mas não deve ser o fator decisivo. Há que saber o que inclui o seguro e o que não está abrangido (coberturas e exclusões), se tem de esperar até poder marcar consultas ou fazer tratamentos e quais as condições que o seguro oferece para o seu caso concreto.

 

Ou seja, há várias condições - incluindo a sua idade ou o facto de ter doenças preexistentes - que vão influenciar o preço do seguro. Por isso, o melhor é saber o que lhe está a ser oferecido por aquele preço, para que depois possa comparar com outros.

 

Como funciona um seguro de saúde?

Definido por lei como um seguro em que “o segurador cobre riscos relacionados com a prestação de cuidados de saúde”, o seguro de saúde permite recorrer a uma rede de prestadores do setor privado e pagar menos do que pagaria enquanto um cliente “normal”.

 

Ou seja, é uma alternativa ou um complemento ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), que ganhou ainda mais popularidade a partir de 2020, devido aos constrangimentos causados pela pandemia.

 

Um seguro de saúde é um contrato de seguro. Tem, por isso, regras definidas por lei e a supervisão da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

 

Mediante o pagamento de um valor mensal, denominado prémio, o segurado e/ou a sua família podem recorrer a estes prestadores de cuidados de saúde.

 

Nos seguros de saúde há duas modalidades que dizem respeito à comparticipação das despesas:

 

  • Na modalidade de reembolso, o segurado recorre ao prestador, faz o pagamento na totalidade, envia a fatura para a seguradora e é reembolsado de uma parte do que gastou. Os termos da comparticipação, ou seja, o valor que recebe da seguradora, estão definidos no contrato.
  • Na opção de copagamento, que só se aplica à rede convencionada, o segurado tem de escolher um prestador que tenha acordo com a seguradora. Nesse caso, paga apenas uma parte do ato médico e a seguradora o resto.

 

A maioria dos seguros de saúde combinam estas duas modalidades.

 

3 coisas a que deve ter atenção ao escolher um seguro de saúde

Coberturas, doenças preexistentes e períodos de carência são 3 pontos importantes que deve analisar ao escolher um seguro de saúde.

 

O seguro de saúde não abrange todos os tratamentos ou especialidades médicas. Ou seja, há riscos que estão cobertos e outros que não são comparticipados. São as chamadas exclusões, que podem incluir, por exemplo, cirurgias estéticas, check-ups, tratamento de dependências ou tratamentos de fertilidade.

 

Assim, antes de assinar o contrato, informe-se sobre as coberturas e exclusões. Perante duas propostas de seguradoras diferentes, analise também o que está incluído em cada uma.

 

Um seguro de valor mais baixo pode querer dizer que tem menos coberturas ou que poderá ter de esperar algum tempo até usufruir delas (período de carência). Tenha também em conta o valor máximo de cada cobertura. Pode ser diferente de seguro para seguro.

 

Além disso, há que ter em conta as regras relativamente a doenças preexistentes. Se forem conhecidas e declaradas no momento em que o seguro é efetuado poderão estar cobertas pelo seguro. Mas não é obrigatório que estejam.

 

A lei (Regime jurídico do contrato de seguro) diz que o contrato pode prever “um período de carência não superior a um ano para a cobertura de doenças preexistentes”. Por isso, é importante clarificar este ponto, sobretudo se tem alguma condição que possa requerer mais cuidados médicos.

 

A existência de um período de carência pode fazer a diferença e influenciar o preço do seguro. Isto quer dizer que durante aquele período não poderá utilizar algumas coberturas.

 

Estes períodos de carência são muito comuns nos seguros de saúde. Procuram evitar que o seguro seja contratado para fazer face a despesas relacionadas com doenças que já existam à data da contratação. Por isso, o melhor é verificar se aquele preço tão baixo não implica um período de carência mais longo.

 

Por último, é importante saber que nos seguros de saúde, e ao contrário do que acontece noutros seguros, não se pode aplicar o regime de agravamento de risco relativamente às alterações do estado de saúde do tomador.

 

 

7 conceitos essenciais

Para que possa comparar e escolher o seguro de saúde é importante conhecer os conceitos e saber o que querem dizer as “letras miudinhas” no seu contrato. Neste guia infográfico do Santander encontra um glossário com os termos mais importantes da “gíria” das seguradoras.

 

Conheça alguns desses conceitos.

 

 

Apólice

É o documento que contém as condições do contrato de seguro que foram acordadas pelas partes (seguradora e segurado). Inclui as condições gerais, isto é, as que definem o enquadramento e os princípios gerais do contrato e que se aplicam a todos os contratos do mesmo ramo, modalidade ou operação.

 

Na apólice encontra igualmente as condições especiais, ou seja, as que completam ou especificam as condições gerais. Inclui também as condições particulares que, como o nome indica, são acrescentadas ao contrato para o adaptar a um caso particular. Referem-se ao risco coberto, a duração e o início do contrato, o capital seguro, prémio e outros dados.

 

 

Cobertura ou garantia

Refere-se às situações ou acontecimentos previstos no contrato que, caso ocorram, permitem acionar a apólice. No caso dos seguros de saúde, são cobertos os riscos relacionados com a prestação de cuidados de saúde, de acordo com as coberturas previstas nas condições do contrato.

 

 

Doença preexistente

Doença que já existia na data em que o seguro foi efetuado.

 

 

Exclusão

É uma cláusula do contrato de seguro que define aquilo que o seguro não cobre.

 

 

Período de carência

Período entre o início do contrato de seguro e o momento em que certas coberturas podem ser acionadas. Exemplo: Se o período de carência para tratamentos dentários for de 90 dias, isso significa que durante esse espaço de tempo o seguro não comparticipa os tratamentos dentários realizados.

 

 

Prémio

Valor total que deve pagar pelo seguro. Inclui taxas e impostos. O prémio pode ser pago de uma só vez ou fracionado.

 

 

Proposta de seguro

É o documento em que o tomador do seguro expressa a vontade de celebrar o contrato e dá a conhecer ao segurador o risco que pretende segurar.

 

 

Como escolher o melhor seguro de saúde?

Analisar, comparar e não se precipitar na tomada de decisão são princípios que deve seguir antes de escolher um seguro de saúde.

 

É importante perceber quais as suas necessidades e se vai pagar a mais pelo que não precisa ou se, pelo contrário, o preço baixo restringe demasiado as suas opções.

 

Assim, é importante analisar as características dos produtos disponíveis no mercado e ver qual é o mais adequado para o seu caso, bem como fazer simulações, o que permite ter uma ideia do que lhe é oferecido.

 

Numa questão tão importante como a saúde, é fundamental escolher uma entidade que seja merecedora da sua confiança. Se já teve uma boa experiência ou se foi recomendado por alguém em quem confia, tudo indica que poderá ser uma boa opção.

 

Conheça também outros seguros para a família que deve considerar contratar.

 



 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Basta fazer uma pesquisa pelas palavras “seguro de saúde” e o resultado são dezenas de anúncios. Afinal, o que oferece cada um? E o que deve ter em conta ao escolher um seguro de saúde?

 

Como em qualquer tipo de seguro, o preço é importante, mas não deve ser o fator decisivo. Há que saber o que inclui o seguro e o que não está abrangido (coberturas e exclusões), se tem de esperar até poder marcar consultas ou fazer tratamentos e quais as condições que o seguro oferece para o seu caso concreto.

 

Ou seja, há várias condições - incluindo a sua idade ou o facto de ter doenças preexistentes - que vão influenciar o preço do seguro. Por isso, o melhor é saber o que lhe está a ser oferecido por aquele preço, para que depois possa comparar com outros.

 

Como funciona um seguro de saúde?

Definido por lei como um seguro em que “o segurador cobre riscos relacionados com a prestação de cuidados de saúde”, o seguro de saúde permite recorrer a uma rede de prestadores do setor privado e pagar menos do que pagaria enquanto um cliente “normal”.

 

Ou seja, é uma alternativa ou um complemento ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), que ganhou ainda mais popularidade a partir de 2020, devido aos constrangimentos causados pela pandemia.

 

Um seguro de saúde é um contrato de seguro. Tem, por isso, regras definidas por lei e a supervisão da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

 

Mediante o pagamento de um valor mensal, denominado prémio, o segurado e/ou a sua família podem recorrer a estes prestadores de cuidados de saúde.

 

Nos seguros de saúde há duas modalidades que dizem respeito à comparticipação das despesas:

 

  • Na modalidade de reembolso, o segurado recorre ao prestador, faz o pagamento na totalidade, envia a fatura para a seguradora e é reembolsado de uma parte do que gastou. Os termos da comparticipação, ou seja, o valor que recebe da seguradora, estão definidos no contrato.
  • Na opção de copagamento, que só se aplica à rede convencionada, o segurado tem de escolher um prestador que tenha acordo com a seguradora. Nesse caso, paga apenas uma parte do ato médico e a seguradora o resto.

 

A maioria dos seguros de saúde combinam estas duas modalidades.

 

3 coisas a que deve ter atenção ao escolher um seguro de saúde

Coberturas, doenças preexistentes e períodos de carência são 3 pontos importantes que deve analisar ao escolher um seguro de saúde.

 

O seguro de saúde não abrange todos os tratamentos ou especialidades médicas. Ou seja, há riscos que estão cobertos e outros que não são comparticipados. São as chamadas exclusões, que podem incluir, por exemplo, cirurgias estéticas, check-ups, tratamento de dependências ou tratamentos de fertilidade.

 

Assim, antes de assinar o contrato, informe-se sobre as coberturas e exclusões. Perante duas propostas de seguradoras diferentes, analise também o que está incluído em cada uma.

 

Um seguro de valor mais baixo pode querer dizer que tem menos coberturas ou que poderá ter de esperar algum tempo até usufruir delas (período de carência). Tenha também em conta o valor máximo de cada cobertura. Pode ser diferente de seguro para seguro.

 

Além disso, há que ter em conta as regras relativamente a doenças preexistentes. Se forem conhecidas e declaradas no momento em que o seguro é efetuado poderão estar cobertas pelo seguro. Mas não é obrigatório que estejam.

 

A lei (Regime jurídico do contrato de seguro) diz que o contrato pode prever “um período de carência não superior a um ano para a cobertura de doenças preexistentes”. Por isso, é importante clarificar este ponto, sobretudo se tem alguma condição que possa requerer mais cuidados médicos.

 

A existência de um período de carência pode fazer a diferença e influenciar o preço do seguro. Isto quer dizer que durante aquele período não poderá utilizar algumas coberturas.

 

Estes períodos de carência são muito comuns nos seguros de saúde. Procuram evitar que o seguro seja contratado para fazer face a despesas relacionadas com doenças que já existam à data da contratação. Por isso, o melhor é verificar se aquele preço tão baixo não implica um período de carência mais longo.

 

Por último, é importante saber que nos seguros de saúde, e ao contrário do que acontece noutros seguros, não se pode aplicar o regime de agravamento de risco relativamente às alterações do estado de saúde do tomador.

 

 

7 conceitos essenciais

Para que possa comparar e escolher o seguro de saúde é importante conhecer os conceitos e saber o que querem dizer as “letras miudinhas” no seu contrato. Neste guia infográfico do Santander encontra um glossário com os termos mais importantes da “gíria” das seguradoras.

 

Conheça alguns desses conceitos.

 

 

Apólice

É o documento que contém as condições do contrato de seguro que foram acordadas pelas partes (seguradora e segurado). Inclui as condições gerais, isto é, as que definem o enquadramento e os princípios gerais do contrato e que se aplicam a todos os contratos do mesmo ramo, modalidade ou operação.

 

Na apólice encontra igualmente as condições especiais, ou seja, as que completam ou especificam as condições gerais. Inclui também as condições particulares que, como o nome indica, são acrescentadas ao contrato para o adaptar a um caso particular. Referem-se ao risco coberto, a duração e o início do contrato, o capital seguro, prémio e outros dados.

 

 

Cobertura ou garantia

Refere-se às situações ou acontecimentos previstos no contrato que, caso ocorram, permitem acionar a apólice. No caso dos seguros de saúde, são cobertos os riscos relacionados com a prestação de cuidados de saúde, de acordo com as coberturas previstas nas condições do contrato.

 

 

Doença preexistente

Doença que já existia na data em que o seguro foi efetuado.

 

 

Exclusão

É uma cláusula do contrato de seguro que define aquilo que o seguro não cobre.

 

 

Período de carência

Período entre o início do contrato de seguro e o momento em que certas coberturas podem ser acionadas. Exemplo: Se o período de carência para tratamentos dentários for de 90 dias, isso significa que durante esse espaço de tempo o seguro não comparticipa os tratamentos dentários realizados.

 

 

Prémio

Valor total que deve pagar pelo seguro. Inclui taxas e impostos. O prémio pode ser pago de uma só vez ou fracionado.

 

 

Proposta de seguro

É o documento em que o tomador do seguro expressa a vontade de celebrar o contrato e dá a conhecer ao segurador o risco que pretende segurar.

 

 

Como escolher o melhor seguro de saúde?

Analisar, comparar e não se precipitar na tomada de decisão são princípios que deve seguir antes de escolher um seguro de saúde.

 

É importante perceber quais as suas necessidades e se vai pagar a mais pelo que não precisa ou se, pelo contrário, o preço baixo restringe demasiado as suas opções.

 

Assim, é importante analisar as características dos produtos disponíveis no mercado e ver qual é o mais adequado para o seu caso, bem como fazer simulações, o que permite ter uma ideia do que lhe é oferecido.

 

Numa questão tão importante como a saúde, é fundamental escolher uma entidade que seja merecedora da sua confiança. Se já teve uma boa experiência ou se foi recomendado por alguém em quem confia, tudo indica que poderá ser uma boa opção.

 

Conheça também outros seguros para a família que deve considerar contratar.

 



 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer receber o ''Guia completo sobre seguros de saúde''?

Insira o seu e-mail para subscrever a newsletter e descarregar o e-book

Já pode ler o e-book ''Guia seguros de saúde''

O e-book foi descarregado. Vai também passar a receber os artigos do Salto no seu e-mail

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).

 

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde