Euribor o que é e previsão para os próximos anos

finanças

Euribor: o que é e como a subida desta taxa o afeta

Atualizado 04 jul 2022
11 mai 2022 | 4 min de leitura

Se tem um crédito, por exemplo de habitação, deve saber o que é a Euribor e quais as consequências da alteração desta taxa para o seu bolso.

Se tem menos de 30 anos, é possível que não se recorde daquele período - setembro de 2008 - em que as taxas Euribor atingiram o seu máximo histórico. A Euribor a 12 meses fixou-se nos 5,489%, a Euribor a 6 meses em 5,431% e esta taxa a 3 meses alcançou os 5,381%. Para muitas famílias portuguesas esta foi uma época conturbada, que culminou em sérios problemas de sobre-endividamento e deu origem a uma crise económica que se estendeu até aos primeiros anos da década de 2010.

 

Desde então, a Euribor seguiu um percurso decrescente, tendo chegado, nos últimos anos, a terreno negativo, o que representa um alívio financeiro para as famílias com créditos à habitação. No entanto, nos últimos meses, muito se tem especulado acerca da subida da Euribor, assim como no que isso representa para as famílias e para a economia. Será que a Euribor vai subir? E quais as consequências desta alteração? É o que explicamos de seguida.

 

 

O que é a Euribor?

Se não sabe o que é a Euribor e como se define, começamos por aí.

 

Em primeiro lugar, é importante lembrar que, na realidade, não existe uma taxa Euribor, mas sim cinco taxas de juro Euribor, cada uma com um prazo diferente:

 

  • Uma semana
  • Um mês
  • 3 meses
  • 6 meses
  • 12 meses

 

As Euribor (Euro Interbank Offered Rate) são taxas de juro de referência do mercado interbancário europeu. Por outras palavras, é o preço a que os bancos emprestam dinheiro entre si. Por exemplo: se o banco n.º 1 necessita de pedir emprestado ao banco n.º 2, este último cobra uma taxa de juro com base na taxa de referência.

 

Essa taxa de referência irá, depois, refletir-se em vários produtos financeiros, nomeadamente no crédito habitação com taxa de juro variável.

 

 

Como são determinadas as taxas Euribor?

Estas taxas são definidas diariamente pela Federação Europeia de Bancos. São obtidas através da média das taxas de juro praticadas por um painel de Bancos de primeira linha - os "prime banks" - que emprestam dinheiro entre si e apresentam diferentes valores consoante o prazo a que se referem.

 

Embora não sejam determinadas pelo Banco Central Europeu (BCE), qualquer alteração nos juros que este cobra para emprestar dinheiro aos bancos comerciais, tem impacto nas Euribor.

 

 

Qual o impacto da subida da Euribor na prestação do crédito habitação?

Tem um crédito habitação com taxa de juro variável? Neste caso, deve estar muito atento. A taxa de juro destes empréstimos resulta de duas componentes:

 

Euribor + spread

 

O spread é fixo e contratualizado com o banco quando subscreve o crédito. Já a parte relacionada com a Euribor oscila consoante o comportamento desta taxa. As Euribor com prazos de 3, 6 e 12 meses são as mais usadas em contratos de crédito habitação.

 

Isto significa que a sua taxa de juro irá mudar consoante o prazo escolhido. Por exemplo, a Euribor a 3 meses é revista a cada três meses e, no final deste tempo, a taxa de juro do crédito habitação altera tendo em conta a média da Euribor a três meses do mês anterior.

 

 

Porque é que a Euribor está a subir?

Em 2016, as Euribor a todos os prazos entraram em terreno negativo. Este comportamento foi influenciado pela política monetária definida pelo BCE que, após a crise financeira de 2008, fixou as taxas de juro cobradas aos bancos em valores negativos. O objetivo era incentivar as instituições financeiras a emprestar dinheiro a taxas mais baixas, para que pessoas e empresas pudessem fazer créditos mais baratos e, assim, dinamizar a economia.

 

No entanto, em fevereiro de 2022, o BCE admitiu que poderia subir as taxas de juro para travar a inflação na Zona Euro. Desde então, as taxas têm estado instáveis e desde maio que as principais Euribor entraram em terreno positivo. As previsões apontam para que continuem a subir nos próximos anos. Veja o seguinte quadro com os valores das Euribor a três, seis e 12 meses nos primeiros seis meses de 2022.

Mês Euribor 3M Euribor 6M Euribor 12M
Janeiro -0,582%
-0,545% -0,502%
Fevereiro
-0,560%
-0,527%
-0,477%
Março -0,532% -0,476% -0,355%
Abril -0,495% -0,418% -0,237%
Maio -0,448% -0,311% -0,013%
Junho -0,386% -0,144% 0,287%

 

A minha prestação mensal está a subir. O que fazer?

Se a sua taxa de esforço já está no limite e o orçamento familiar não suporta a volatilidade da Euribor, existem algumas medidas que pode tomar, por forma a minimizar o impacto da subida da prestação mensal.

 

Fixar a taxa de juro

É uma das medidas mais recomendadas para fazer face a uma subida imprevista da prestação mensal. Ao fixar a taxa de juro do seu empréstimo habitação está a garantir que o valor que paga todos os meses se mantém igual e não oscila ao sabor da Euribor. No Santander pode optar por contratar uma taxa mista, que pode ser de 5 ou 10 anos. Após esse período, o empréstimo passa a ser de taxa variável.

 

Para quem valoriza a segurança, esta pode ser uma solução adequada. No entanto, é possível que, numa primeira fase, a prestação com taxa fixa seja mais elevada do que se tiver um crédito indexado à Euribor. Porém, com a tendência de subida da Euribor, esta diferença pode dissipar-se.

 

Se pretende mudar da taxa variável para a taxa fixa tem duas hipóteses: renegociar as condições do seu contrato de crédito ou, em alternativa, procurar uma solução melhor noutro banco e pedir uma transferência de crédito.

 

Pedir um período de carência de capital

Pode negociar um período de carência de capital, ou seja, um prazo durante o qual não amortiza capital e apenas paga os juros. Durante esse prazo, ficará a pagar uma prestação mais reduzida. Mas é importante olhar para o reverso da medalha: quando o período de carência terminar, o valor que irá pagar por mês irá aumentar, pois a prestação já será composta por capital e juros. Além disso, acabará por pagar mais juros, pois não reduz o capital em dívida durante o prazo da carência.

 

Negociar o diferimento de capital ou valor residual

Através desta modalidade pode adiar o pagamento de uma parte do capital (por exemplo, 10% ou 20%) para a última prestação do empréstimo. A mensalidade fica mais reduzida, mas, em contrapartida, a última prestação será bastante elevada. Se optar pelo diferimento de capital, pagará mais juros no total, pois o capital em dívida reduz mais lentamente.

 

Aumentar o prazo do crédito

Se for possível, pode aumentar o prazo do empréstimo à habitação. A prestação fica mais reduzida, pois aumenta o tempo de pagamento do empréstimo, mas acabará por pagar juros durante mais tempo, o que significa que o custo total do crédito aumenta.

 

Lembramos, ainda, que devem ser respeitados os limites recomendados pelo Banco de Portugal, que define os seguintes prazos máximos, consoante a idade do mutuário:

 

  • Máximo de 40 anos para quem tiver menos de 30 anos
  • Máximo de 37 anos para aqueles que têm entre 30 e 35 anos
  • Máximo de 35 anos a partir dos 35 anos de idade

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Se tem menos de 30 anos, é possível que não se recorde daquele período - setembro de 2008 - em que as taxas Euribor atingiram o seu máximo histórico. A Euribor a 12 meses fixou-se nos 5,489%, a Euribor a 6 meses em 5,431% e esta taxa a 3 meses alcançou os 5,381%. Para muitas famílias portuguesas esta foi uma época conturbada, que culminou em sérios problemas de sobre-endividamento e deu origem a uma crise económica que se estendeu até aos primeiros anos da década de 2010.

 

Desde então, a Euribor seguiu um percurso decrescente, tendo chegado, nos últimos anos, a terreno negativo, o que representa um alívio financeiro para as famílias com créditos à habitação. No entanto, nos últimos meses, muito se tem especulado acerca da subida da Euribor, assim como no que isso representa para as famílias e para a economia. Será que a Euribor vai subir? E quais as consequências desta alteração? É o que explicamos de seguida.

 

 

O que é a Euribor?

Se não sabe o que é a Euribor e como se define, começamos por aí.

 

Em primeiro lugar, é importante lembrar que, na realidade, não existe uma taxa Euribor, mas sim cinco taxas de juro Euribor, cada uma com um prazo diferente:

 

  • Uma semana
  • Um mês
  • 3 meses
  • 6 meses
  • 12 meses

 

As Euribor (Euro Interbank Offered Rate) são taxas de juro de referência do mercado interbancário europeu. Por outras palavras, é o preço a que os bancos emprestam dinheiro entre si. Por exemplo: se o banco n.º 1 necessita de pedir emprestado ao banco n.º 2, este último cobra uma taxa de juro com base na taxa de referência.

 

Essa taxa de referência irá, depois, refletir-se em vários produtos financeiros, nomeadamente no crédito habitação com taxa de juro variável.

 

 

Como são determinadas as taxas Euribor?

Estas taxas são definidas diariamente pela Federação Europeia de Bancos. São obtidas através da média das taxas de juro praticadas por um painel de Bancos de primeira linha - os "prime banks" - que emprestam dinheiro entre si e apresentam diferentes valores consoante o prazo a que se referem.

 

Embora não sejam determinadas pelo Banco Central Europeu (BCE), qualquer alteração nos juros que este cobra para emprestar dinheiro aos bancos comerciais, tem impacto nas Euribor.

 

 

Qual o impacto da subida da Euribor na prestação do crédito habitação?

Tem um crédito habitação com taxa de juro variável? Neste caso, deve estar muito atento. A taxa de juro destes empréstimos resulta de duas componentes:

 

Euribor + spread

 

O spread é fixo e contratualizado com o banco quando subscreve o crédito. Já a parte relacionada com a Euribor oscila consoante o comportamento desta taxa. As Euribor com prazos de 3, 6 e 12 meses são as mais usadas em contratos de crédito habitação.

 

Isto significa que a sua taxa de juro irá mudar consoante o prazo escolhido. Por exemplo, a Euribor a 3 meses é revista a cada três meses e, no final deste tempo, a taxa de juro do crédito habitação altera tendo em conta a média da Euribor a três meses do mês anterior.

 

 

Porque é que a Euribor está a subir?

Em 2016, as Euribor a todos os prazos entraram em terreno negativo. Este comportamento foi influenciado pela política monetária definida pelo BCE que, após a crise financeira de 2008, fixou as taxas de juro cobradas aos bancos em valores negativos. O objetivo era incentivar as instituições financeiras a emprestar dinheiro a taxas mais baixas, para que pessoas e empresas pudessem fazer créditos mais baratos e, assim, dinamizar a economia.

 

No entanto, em fevereiro de 2022, o BCE admitiu que poderia subir as taxas de juro para travar a inflação na Zona Euro. Desde então, as taxas têm estado instáveis e desde maio que as principais Euribor entraram em terreno positivo. As previsões apontam para que continuem a subir nos próximos anos. Veja o seguinte quadro com os valores das Euribor a três, seis e 12 meses nos primeiros seis meses de 2022.

Mês Euribor 3M Euribor 6M Euribor 12M
Janeiro -0,582%
-0,545% -0,502%
Fevereiro
-0,560%
-0,527%
-0,477%
Março -0,532% -0,476% -0,355%
Abril -0,495% -0,418% -0,237%
Maio -0,448% -0,311% -0,013%
Junho -0,386% -0,144% 0,287%

 

A minha prestação mensal está a subir. O que fazer?

Se a sua taxa de esforço já está no limite e o orçamento familiar não suporta a volatilidade da Euribor, existem algumas medidas que pode tomar, por forma a minimizar o impacto da subida da prestação mensal.

 

Fixar a taxa de juro

É uma das medidas mais recomendadas para fazer face a uma subida imprevista da prestação mensal. Ao fixar a taxa de juro do seu empréstimo habitação está a garantir que o valor que paga todos os meses se mantém igual e não oscila ao sabor da Euribor. No Santander pode optar por contratar uma taxa mista, que pode ser de 5 ou 10 anos. Após esse período, o empréstimo passa a ser de taxa variável.

 

Para quem valoriza a segurança, esta pode ser uma solução adequada. No entanto, é possível que, numa primeira fase, a prestação com taxa fixa seja mais elevada do que se tiver um crédito indexado à Euribor. Porém, com a tendência de subida da Euribor, esta diferença pode dissipar-se.

 

Se pretende mudar da taxa variável para a taxa fixa tem duas hipóteses: renegociar as condições do seu contrato de crédito ou, em alternativa, procurar uma solução melhor noutro banco e pedir uma transferência de crédito.

 

Pedir um período de carência de capital

Pode negociar um período de carência de capital, ou seja, um prazo durante o qual não amortiza capital e apenas paga os juros. Durante esse prazo, ficará a pagar uma prestação mais reduzida. Mas é importante olhar para o reverso da medalha: quando o período de carência terminar, o valor que irá pagar por mês irá aumentar, pois a prestação já será composta por capital e juros. Além disso, acabará por pagar mais juros, pois não reduz o capital em dívida durante o prazo da carência.

 

Negociar o diferimento de capital ou valor residual

Através desta modalidade pode adiar o pagamento de uma parte do capital (por exemplo, 10% ou 20%) para a última prestação do empréstimo. A mensalidade fica mais reduzida, mas, em contrapartida, a última prestação será bastante elevada. Se optar pelo diferimento de capital, pagará mais juros no total, pois o capital em dívida reduz mais lentamente.

 

Aumentar o prazo do crédito

Se for possível, pode aumentar o prazo do empréstimo à habitação. A prestação fica mais reduzida, pois aumenta o tempo de pagamento do empréstimo, mas acabará por pagar juros durante mais tempo, o que significa que o custo total do crédito aumenta.

 

Lembramos, ainda, que devem ser respeitados os limites recomendados pelo Banco de Portugal, que define os seguintes prazos máximos, consoante a idade do mutuário:

 

  • Máximo de 40 anos para quem tiver menos de 30 anos
  • Máximo de 37 anos para aqueles que têm entre 30 e 35 anos
  • Máximo de 35 anos a partir dos 35 anos de idade

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!