Síndrome de burnout: o que é e sintomas

bem-estar

Síndrome de burnout: quais os sintomas e como prevenir

08 jun 2022 | 5 min de leitura

Já se sentiu perto do limite das capacidades físicas no cumprimento das tarefas profissionais? Não ignore essa sensação. Pode estar perante um quadro de burnout, uma situação que afeta mais de um milhão de portugueses. Saber como identificar e prevenir esta doença profissional é, por isso, fundamental.

A intensidade que a palavra “burnout” sugere é um primeiro indício da gravidade desta condição. O termo inglês significa “queimar até ao fim” e, no glossário médico, remete para uma síndrome cujas causas são intrínsecas à vida profissional.

 

Excesso de tarefas ou de carga horária, dificuldade em gerir momentos de stress ou um contacto diário muito exigente com outras pessoas podem desencadear uma rutura na capacidade de trabalhar e de viver com qualidade. Se não estiver atento aos sinais do organismo, este pode colapsar. Em 2016, a síndrome de burnout afetava 13,7% dos portugueses, segundo a Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde, com um impacto significativo na sua saúde física e psicológica.

 

 

Síndrome de burnout: o que é

A síndrome de burnout é um tipo específico de stress causado pelo trabalho. “Carateriza-se, sobretudo, pela exaustão emocional e pela diminuição do envolvimento pessoal no trabalho”, especifica a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP).

 

Apesar de ter origem em contexto laboral, o esgotamento profissional tem consequências importantes na vida privada. A desmotivação, a fadiga e o sentimento geral de insatisfação são três exemplos de sintomas que se estendem desde o escritório até ao contexto familiar.

 

 

Quais os sintomas do burnout?

Os sintomas desenvolvem-se progressivamente. Podem começar por se manifestar como sinais ligeiros, suaves, quase impercetíveis, até se tornarem numa perturbação incapacitante. O esgotamento profissional “é pautado por sintomas de ansiedade, angústia, desorganização e até depressivos”, pormenoriza Catarina Lucas, psicóloga clínica. O cansaço emocional e físico associa-se a “uma perceção de incapacidade para gerir o dia a dia”.

 

Mas quais as caraterísticas exclusivas desta síndrome? “A grande diferença para outros quadros psicológicos é que o burnout tem origem no contexto profissional e no stress provocado por aquele”, elucida a profissional.

 

Para prevenir o aparecimento ou agravamento do burnout, esteja atento aos seguintes sinais:

 

1. Exaustão emocional

2. Insatisfação profissional

3. Desmotivação e menor dedicação no trabalho

4. Sensação de mal-estar e insatisfação com a vida

5. Perda de qualidade das relações sociais e familiares

 

Os sintomas do burnout são também físicos:

 

6. Perda da capacidade de empatia

7. Fadiga

8. Dores musculares

9. Enxaquecas

10. Alterações do sono

11. Alteração dos níveis de tensão arterial

 

 

Quais as possíveis causas do burnout?

As causas estão sempre relacionadas com a atividade laboral. Um contexto ou carga de trabalho que não sejam favoráveis ao bem-estar profissional e pessoal podem induzir situações de desgaste bastante agudas. Eis algumas fontes de stress que podem estar na origem da síndrome:

 

  • Carga de trabalho excessivo
  • Falta de autonomia e controlo sobre as tarefas e a organização do trabalho
  • Pouco significado atribuído às tarefas ou à missão da organização
  • Realização de atividades perigosas ou de grande exigência emocional
  • Carga horária excessiva (superior a oito horas diárias), trabalho por turnos ou poucas pausas durante o dia
  • Dificuldades relacionais com colegas e/ou superiores hierárquicos
  • Desequilíbrio entre a vida pessoal e profissional

 

 

Quais as consequências de um burnout não tratado?

Ignorar uma situação de burnout é praticamente impossível, já que a síndrome incapacita o indivíduo para o trabalho e para a vida social. Um esgotamento profissional não tratado pode desencadear “quadros de ansiedade e depressivos graves, o isolamento, a desvalorização pessoal e, no limite, a ideação suicida”, explica a psicóloga.

 

Afeta, ainda, as relações interpessoais. O relacionamento com os colegas de trabalho é o primeiro a sair prejudicado. Mas também danifica as relações com os amigos e familiares, pelo aumento do número de conflitos, tensão e falta de empatia. “O burnout representa um risco não apenas para nós próprios, mas também para os nossos colegas, uma vez que é ‘contagioso’”, alerta a OPP.

 

Além disso, pode ter consequências económicas. Em primeiro lugar, se houver lugar a baixa médica, pode perder uma parte dos rendimentos. Por outro lado, aumentam os gastos com consultas e tratamentos. Para as organizações, situações como o absentismo, erros e acidentes de trabalho e a diminuição da produtividade geram um grande impacto. “Só em Portugal, estima-se que o stress e o burnout custem às empresas 3,2 mil milhões de euros por ano”, segundo a OPP.

 

 

O que fazer se estiver em burnout

Uma vez confirmados os sintomas, existem algumas alterações comportamentais e outras medidas a tomar para travar o desenvolvimento da síndrome. Eis os conselhos da psicóloga clínica Catarina Lucas sobre como tratar o burnout, numa primeira fase:

 

  • Tentar abrandar o ritmo de imediato
  • Reorganizar o trabalho e delegar tarefas
  • Respeitar as pausas e diminuir a carga e horas de trabalho, se estiverem a ser excessivas
  • Procurar ajuda médica

 

 

Neste âmbito, o psicólogo pode ajudar a “gerir melhor a ansiedade e o stress, bem como o equilíbrio entre a vida/necessidades pessoais e profissionais”, diz a OPP. Dependendo da gravidade da situação, um período de descanso poderá ser necessário. No regresso ao trabalho, é ainda fundamental impor uma nova disciplina para evitar eventuais recaídas e, se necessário, tentar melhorar as condições laborais, recorrendo ao apoio da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

 

 

Como prevenir o burnout

Evitar o burnout é uma prioridade para as organizações e para os trabalhadores, sendo que ambos os lados têm uma responsabilidade quanto a este objetivo.

 

O que deve fazer o trabalhador

  • “Conciliar a vida pessoal/familiar com a vida profissional, de modo a que a balança esteja equilibrada”, aconselha Catarina Lucas
  • Cuidar da saúde mental
  • Promover o bem-estar pessoal
  • Ter hobbies
  • Praticar exercício físico regularmente e de forma moderada
  • Estabelecer limites. “A nós mesmos, aos chefes e colegas, no que diz respeito ao volume e número de horas de trabalho”, nota a psicóloga.

 

O que devem fazer as organizações

  • Contribuir para um bom ambiente de trabalho
  • Respeitar e promover o respeito pelos horários de trabalho
  • Melhorar a comunicação e a liderança
  • Envolver os trabalhadores nas organizações
  • Garantir o desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional dos trabalhadores
  • Mostrar reconhecimento pelo trabalho prestado
  • Promover a colaboração com psicólogos, que “podem, além de contribuir para a avaliação do stress e burnout de trabalhadores ou grupos de trabalhadores ou administradores, participar e contribuir para a criação de ambientes de trabalho psicologicamente saudáveis”, diz a OPP.

 

Se sente que está a entrar em burnout, não hesite em pedir ajuda. Com um seguro de saúde, pode marcar uma consulta com um psicólogo e começar a cuidar da sua saúde mental.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

A intensidade que a palavra “burnout” sugere é um primeiro indício da gravidade desta condição. O termo inglês significa “queimar até ao fim” e, no glossário médico, remete para uma síndrome cujas causas são intrínsecas à vida profissional.

 

Excesso de tarefas ou de carga horária, dificuldade em gerir momentos de stress ou um contacto diário muito exigente com outras pessoas podem desencadear uma rutura na capacidade de trabalhar e de viver com qualidade. Se não estiver atento aos sinais do organismo, este pode colapsar. Em 2016, a síndrome de burnout afetava 13,7% dos portugueses, segundo a Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde, com um impacto significativo na sua saúde física e psicológica.

 

 

Síndrome de burnout: o que é

A síndrome de burnout é um tipo específico de stress causado pelo trabalho. “Carateriza-se, sobretudo, pela exaustão emocional e pela diminuição do envolvimento pessoal no trabalho”, especifica a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP).

 

Apesar de ter origem em contexto laboral, o esgotamento profissional tem consequências importantes na vida privada. A desmotivação, a fadiga e o sentimento geral de insatisfação são três exemplos de sintomas que se estendem desde o escritório até ao contexto familiar.

 

 

Quais os sintomas do burnout?

Os sintomas desenvolvem-se progressivamente. Podem começar por se manifestar como sinais ligeiros, suaves, quase impercetíveis, até se tornarem numa perturbação incapacitante. O esgotamento profissional “é pautado por sintomas de ansiedade, angústia, desorganização e até depressivos”, pormenoriza Catarina Lucas, psicóloga clínica. O cansaço emocional e físico associa-se a “uma perceção de incapacidade para gerir o dia a dia”.

 

Mas quais as caraterísticas exclusivas desta síndrome? “A grande diferença para outros quadros psicológicos é que o burnout tem origem no contexto profissional e no stress provocado por aquele”, elucida a profissional.

 

Para prevenir o aparecimento ou agravamento do burnout, esteja atento aos seguintes sinais:

 

1. Exaustão emocional

2. Insatisfação profissional

3. Desmotivação e menor dedicação no trabalho

4. Sensação de mal-estar e insatisfação com a vida

5. Perda de qualidade das relações sociais e familiares

 

Os sintomas do burnout são também físicos:

 

6. Perda da capacidade de empatia

7. Fadiga

8. Dores musculares

9. Enxaquecas

10. Alterações do sono

11. Alteração dos níveis de tensão arterial

 

 

Quais as possíveis causas do burnout?

As causas estão sempre relacionadas com a atividade laboral. Um contexto ou carga de trabalho que não sejam favoráveis ao bem-estar profissional e pessoal podem induzir situações de desgaste bastante agudas. Eis algumas fontes de stress que podem estar na origem da síndrome:

 

  • Carga de trabalho excessivo
  • Falta de autonomia e controlo sobre as tarefas e a organização do trabalho
  • Pouco significado atribuído às tarefas ou à missão da organização
  • Realização de atividades perigosas ou de grande exigência emocional
  • Carga horária excessiva (superior a oito horas diárias), trabalho por turnos ou poucas pausas durante o dia
  • Dificuldades relacionais com colegas e/ou superiores hierárquicos
  • Desequilíbrio entre a vida pessoal e profissional

 

 

Quais as consequências de um burnout não tratado?

Ignorar uma situação de burnout é praticamente impossível, já que a síndrome incapacita o indivíduo para o trabalho e para a vida social. Um esgotamento profissional não tratado pode desencadear “quadros de ansiedade e depressivos graves, o isolamento, a desvalorização pessoal e, no limite, a ideação suicida”, explica a psicóloga.

 

Afeta, ainda, as relações interpessoais. O relacionamento com os colegas de trabalho é o primeiro a sair prejudicado. Mas também danifica as relações com os amigos e familiares, pelo aumento do número de conflitos, tensão e falta de empatia. “O burnout representa um risco não apenas para nós próprios, mas também para os nossos colegas, uma vez que é ‘contagioso’”, alerta a OPP.

 

Além disso, pode ter consequências económicas. Em primeiro lugar, se houver lugar a baixa médica, pode perder uma parte dos rendimentos. Por outro lado, aumentam os gastos com consultas e tratamentos. Para as organizações, situações como o absentismo, erros e acidentes de trabalho e a diminuição da produtividade geram um grande impacto. “Só em Portugal, estima-se que o stress e o burnout custem às empresas 3,2 mil milhões de euros por ano”, segundo a OPP.

 

 

O que fazer se estiver em burnout

Uma vez confirmados os sintomas, existem algumas alterações comportamentais e outras medidas a tomar para travar o desenvolvimento da síndrome. Eis os conselhos da psicóloga clínica Catarina Lucas sobre como tratar o burnout, numa primeira fase:

 

  • Tentar abrandar o ritmo de imediato
  • Reorganizar o trabalho e delegar tarefas
  • Respeitar as pausas e diminuir a carga e horas de trabalho, se estiverem a ser excessivas
  • Procurar ajuda médica

 

 

Neste âmbito, o psicólogo pode ajudar a “gerir melhor a ansiedade e o stress, bem como o equilíbrio entre a vida/necessidades pessoais e profissionais”, diz a OPP. Dependendo da gravidade da situação, um período de descanso poderá ser necessário. No regresso ao trabalho, é ainda fundamental impor uma nova disciplina para evitar eventuais recaídas e, se necessário, tentar melhorar as condições laborais, recorrendo ao apoio da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

 

 

Como prevenir o burnout

Evitar o burnout é uma prioridade para as organizações e para os trabalhadores, sendo que ambos os lados têm uma responsabilidade quanto a este objetivo.

 

O que deve fazer o trabalhador

  • “Conciliar a vida pessoal/familiar com a vida profissional, de modo a que a balança esteja equilibrada”, aconselha Catarina Lucas
  • Cuidar da saúde mental
  • Promover o bem-estar pessoal
  • Ter hobbies
  • Praticar exercício físico regularmente e de forma moderada
  • Estabelecer limites. “A nós mesmos, aos chefes e colegas, no que diz respeito ao volume e número de horas de trabalho”, nota a psicóloga.

 

O que devem fazer as organizações

  • Contribuir para um bom ambiente de trabalho
  • Respeitar e promover o respeito pelos horários de trabalho
  • Melhorar a comunicação e a liderança
  • Envolver os trabalhadores nas organizações
  • Garantir o desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional dos trabalhadores
  • Mostrar reconhecimento pelo trabalho prestado
  • Promover a colaboração com psicólogos, que “podem, além de contribuir para a avaliação do stress e burnout de trabalhadores ou grupos de trabalhadores ou administradores, participar e contribuir para a criação de ambientes de trabalho psicologicamente saudáveis”, diz a OPP.

 

Se sente que está a entrar em burnout, não hesite em pedir ajuda. Com um seguro de saúde, pode marcar uma consulta com um psicólogo e começar a cuidar da sua saúde mental.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quer receber o ''Guia completo sobre seguros de saúde''?

Insira o seu e-mail para subscrever a newsletter e descarregar o e-book

Já pode ler o e-book ''Guia seguros de saúde''

O e-book foi descarregado. Vai também passar a receber os artigos do Salto no seu e-mail

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).

 

A sua saúde não pode esperar

Conheça as vantagens do nosso seguro de saúde

Seguro Saúde