família

Como manter a casa fresca no verão (sem ligar o ar condicionado)

28 jun 2022 | 6 min de leitura

Quando chegam os dias quentes e começa a sentir o ambiente abafado costuma ligar o ar condicionado? Saiba como manter a casa fresca no verão e evitar que a conta da eletricidade dispare.

Como manter a casa fresca no verão

De toda a energia que os portugueses gastam nas habitações, apenas 0,5% é destinada ao arrefecimento. Uma das razões é o custo dos equipamentos que promovem o arrefecimento das casas, como o ar condicionado, e o peso que têm na fatura da eletricidade. Mas isso significa que as nossas casas são frescas e confortáveis? Não, o conforto térmico não é o ponto forte da habitação em Portugal, tal como explica a ADENE - Agência para a Energia.

 

Para resolver o problema de raiz seria necessário apostar em casas sustentáveis ou, pelo menos, apostar em medidas que melhorem a eficiência energética, como trocar as janelas antigas por janelas eficientes. No entanto, se a sua casa é arrendada ou se as despesas com obras desencorajam qualquer investimento, é melhor pensar em pequenas medidas do dia a dia que podem fazer a diferença na sua qualidade de vida.

 

 

Como manter a casa fresca no verão: 7 dicas essenciais

No verão, a temperatura ideal em casa deve rondar os 24.º e os 25.º. Para saber como deixar a casa fresca nos dias quentes, é imprescindível conhecer a exposição solar da casa, saber quando deve fechar ou manter as janelas e portas abertas e ter atenção à ventilação. Ponto por ponto, explicamos como.

 

1. Corra as cortinas e mantenha as persianas fechadas

Estar em casa durante o dia ajuda a controlar a temperatura ambiente. Só assim conseguimos proteger os espaços da incidência direta do sol nas horas de maior calor. Mas se não é o seu caso, a prudência manda fechar os estores ou persianas durante o dia.

 

Instalar cortinas ou estores de interior pode ajudar a proteger a casa e prevenir o sobreaquecimento. Se tiver varandas, outro truque é colocar toldos que atrasem a chegada do sol à superfície das janelas, como se faz há décadas em muitas localidades do sul da Europa. Lembre-se: quanto maior a área envidraçada, maiores cuidados deve ter na proteção solar.

 

2. Plantas em casa: as suas melhores amigas!

Pense nisto: costuma estar mais fresco numa praça sem árvores ou num jardim frondoso? A resposta é evidente, mas nem sempre aplicamos esta sabedoria ao quotidiano. Árvores, arbustos e trepadeiras colocadas em lugares estratégicos proporcionam sombras naturais e, ao mesmo tempo, deixam passar alguma luminosidade para o interior da casa.

 

Poderá optar por colocar plantas no exterior – como a hera ou a buganvília –, formando uma barreira de proteção, mas também no interior, funcionando como filtros. Ao mesmo tempo, estará a melhorar a qualidade do ar e os níveis de humidade da sua habitação. Por exemplo, as plantas de folha caduca permitem que a luz solar aqueça a casa no inverno, enquanto no verão as folhas proporcionam uma sombra útil à habitação.

 

3. Portas: ora fechadas, ora abertas

A que horas é conveniente abrir as portas e janelas? E quando deve mantê-las fechadas? Arejar a casa é indispensável, mas, nas horas de maior calor, é melhor fechar as portas das divisões onde incide o sol. Desta forma, evita que o calor se espalhe pelo resto da casa e as janelas deixam de ser um canal de entrada de ar quente. Assim que a temperatura exterior reduzir, abra as portas e janelas, para gerar alguma brisa no interior da casa.

 

4. Lave a roupa e a louça à noite

Aparelhos como as máquinas de lavar a roupa e a louça emitem calor. O aconselhável é, por isso, utilizá-los durante a noite, evitando o sobreaquecimento da casa. Se tiver um contador bi-horário, é mais uma razão para optar por este modelo, já que estará a poupar na conta de eletricidade.

 

Ao mesmo tempo, elimine os assados dos seus planos e tente reduzir os cozinhados ao mínimo, optando por pratos simples e frios. As temperaturas da sua casa – e do seu corpo – agradecem.

 

5. Opte por lâmpadas LED

Além de gastarem menos energia, as lâmpadas LED não emitem calor. Se ainda não tinha encontrado motivos suficientes para trocar as lâmpadas da sua casa, aqui tem mais uma.

 

6. Use ventoinhas

O que fazer para refrescar a casa? Aposte nas ventoinhas. São simples, menos dispendiosas e permitem poupar na fatura da energia. As ventoinhas (de teto, de mesa ou de pé) são uma solução eficiente e agradável para arrefecer a casa. Pode potenciar a sua utilização colocando uma taça com água e alguns cubos de gelo à sua frente. O ar húmido dará uma ótima sensação de frescura ao ambiente.

 

7. Evite os tecidos escuros

As regras que servem para nós, também podem aplicar-se à sua habitação. Assim, vista-a de cores claras, para que os tecidos não absorvam o calor. Se tem um sofá escuro, experimente estender uma colcha branca por cima. Verá aumentar a sua sensação de conforto.

 

8. Invista em janelas eficientes

Se há uma parte da sua casa com muitas horas de exposição ao sol (virada a sul ou a oeste), pondere trocar as janelas por um equipamento eficiente, que inclua vidros duplos e caixilharia com corte térmico. “Existem no mercado várias opções quanto ao tipo de material de caixilho – madeira, alumínio, pvc – e quanto ao vidro – duplo, triplo, baixa emissividade – devendo optar-se pela conjugação que tenha melhor desempenho para a função pretendida”, informa a ADENE.

 

Também deve ter em conta o tipo de abertura das janelas. As oscilobatentes (que abrem na horizontal e vertical) são uma boa opção, já que permitem trocas de ar essenciais para arrefecer a casa no verão.

 

Caso o seu orçamento não permita um investimento desta natureza, pense em calafetar (aplicar fitas isoladoras) nas portas e janelas. É uma forma de reduzir a entrada de ar nos meses quentes, mas também de vento e frio durante o inverno.

 

 

Será que consegue poupar na fatura da eletricidade?

Estas dicas para manter a casa fresca vão ajudá-lo a arrefecer o ambiente e manter a conta da eletricidade reduzida. No entanto, se estiver a pagar mais do que deveria, ponha os pés ao caminho e descubra se consegue encontrar uma alternativa mais rentável para o seu bolso.

 

Por exemplo, a Endesa atribui um desconto na fatura mensal aos clientes Santander e, se contratar eletricidade e gás, oferece ainda um montante de boas-vindas sob a forma de desconto em faturas.

 

Agora que já sabe como manter a casa fresca no verão, ponha estas dicas em prática! A sua carteira agradece e o meio ambiente também.


 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).