Crédito pessoal para jovens

finanças

Crédito pessoal para jovens

15 dez 2022 | 4 min de leitura

Precisas de dinheiro para estudar, realizar um projeto ou fazer uma viagem? Sabe como funciona o crédito pessoal para jovens.

A falta de dinheiro pode ser um entrave para os jovens que pretendam emancipar-se dos seus pais ou entrar na universidade. A solução pode passar por contratar um crédito pessoal para jovens. Mas será que é possível ter acesso a um empréstimo destes quando ainda se é tão novo? É o que vamos descobrir de seguida, assim como os fatores que ajudam a que o crédito seja aprovado.

 

 

Sou jovem. A partir de que idade é possível pedir crédito pessoal?

Os empréstimos pessoais estão disponíveis para pessoas acima dos 18 anos. No entanto, tal não significa que irá consegui-lo. Ao pedir empréstimo, o banco irá apurar a tua taxa de esforço e analisar diversos fatores, como os teus rendimentos ou estabilidade profissional, para avaliar se cumpres os requisitos e consegues pagar as mensalidades.

 

É boa ideia pedir um crédito pessoal para jovens?

Ser jovem e emancipar-se dos pais sem ter estabilidade profissional e financeira nem sempre é fácil. Haverá momentos em que pode precisar de dinheiro para estudar, comprar mobiliário para a primeira casa ou fazer uma viagem, por exemplo, mas não quer recorrer aos progenitores. Será que é boa ideia pedir crédito pessoal para jovens?

 

Os empréstimos pessoais são úteis para comprar bens ou pagar serviços quando não tens dinheiro disponível, permitindo que fiques a pagar prestações mensais por determinado período de tempo (até sete anos).

 

É, assim, um compromisso financeiro que ainda poderá durar alguns anos. Portanto, se vale a pena fazer um crédito pessoal jovem, depende do quão confiante te sentes em relação às tuas finanças e à tua capacidade de cumprir as obrigações do empréstimo.
 

 

Como funciona o crédito pessoal jovem?

Os empréstimos pessoais para jovens são iguais a qualquer empréstimo padrão. Pedes emprestado um determinado valor, ficando a pagar o montante emprestado e os juros durante o prazo definido. Tipicamente, o prazo dos empréstimos pessoais varia entre os dois e os sete anos, mas poderão existir oscilações temporais em função da instituição bancária. Se o jovem tiver uma situação pessoal e profissional estável, a instituição bancária não exigirá a apresentação de uma garantia (como fiadores ou bens pessoais). No entanto, os jovens sem rendimentos ou que apresentem uma situação profissional instável devem apresentar um fiador: uma pessoa que, em caso de incumprimento de contrato, se responsabiliza pela dívida.

 

A maioria dos créditos pessoais disponibiliza taxas de juros fixas, o que significa que o valor da prestação mensal é fixada no início do contrato e mantém-se igual até à última prestação.

Se, a qualquer momento, quiseres amortizar o crédito pessoal com taxa fixa, terás de pagar uma comissão que não pode ultrapassar:

 

  • 0,5% do capital reembolsado se faltar mais do que um ano acabar de pagar o crédito
  • 0,25% do montante de capital reembolsado, se faltar menos do que um ano.

 

Não há lugar ao pagamento de qualquer comissão de reembolso antecipado se o crédito pessoal for de taxa variável.
 

 

Por que é mais difícil para os jovens conseguirem empréstimos?


Pode ser mais difícil os jovens contraírem crédito pessoal. Isto porque é normal que, nesta fase da vida, não tenham estabilidade profissional nem rendimentos que assegurem à instituição bancária que conseguirão pagar as prestações mensais.


Apesar disso, existem créditos pessoais que são concebidos para jovens (embora não sejam exclusivamente para esta faixa etária), como o crédito pessoal para estudar, que oferece condições de reembolso vantajosas para quem pretende investir na sua formação, nomeadamente a atribuição de uma taxa de juro reduzida ou de um período de carência, em que o jovem paga apenas juros no prazo de carência solicitado. Na maioria dos casos consegue carência por todo o prazo do curso/formação escolhida.

 

 

Como conseguir crédito pessoal jovem

Talvez os teus rendimentos ainda não sejam elevados, nem tenhas a estabilidade profissional e financeira desejada pelas entidades bancárias, no entanto, tal não significa que não consigas o crédito. Alguns requisitos essenciais que irão ajudar são:
 

  • Ter o nome limpo no Banco de Portugal
    Sempre que um banco avalia um novo pedido de crédito, um dos passos é verificar se o teu nome está na Central de Responsabilidades de Crédito, uma base de dados do Banco de Portugal na qual constam as informações relacionadas com empréstimos, incluindo se existem prestações em atraso. Assim, se és jovem e queres um crédito pessoal, é essencial que tenhas o “nome limpo”.

 

  • Ter um bom histórico bancário
    O histórico da conta bancária é considerado como um indicador da capacidade do cliente em cumprir compromissos financeiros. Se a tua conta tiver estado várias vezes negativa, o banco irá considerá-lo como um cliente que contrai dívidas acima das suas possibilidades, podendo ser penalizado por isso.

 

  • Equilibrar a taxa de esforço
    A taxa de esforço é o peso dos créditos em relação aos rendimentos. Se os teus rendimentos forem reduzidos, procura aumentar o dinheiro que consegues ganhar, nem que seja através de trabalhos freelance, que permitam ganhar dinheiro em horários mais flexíveis.

 

  • Pedir um valor e prazo razoável
    Ainda que um prazo maior possa parecer mais apelativo pela redução da mensalidade, a verdade é que isso torna a amortização mais demorada e os juros mais caros. Assim, ajusta o prazo de acordo com aquilo que consegues pagar, e não optes por um período maior só para ter uma prestação mais baixa. Caso contrário, acabas por pagar mais e o crédito fica mais caro.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

A falta de dinheiro pode ser um entrave para os jovens que pretendam emancipar-se dos seus pais ou entrar na universidade. A solução pode passar por contratar um crédito pessoal para jovens. Mas será que é possível ter acesso a um empréstimo destes quando ainda se é tão novo? É o que vamos descobrir de seguida, assim como os fatores que ajudam a que o crédito seja aprovado.

 

 

Sou jovem. A partir de que idade é possível pedir crédito pessoal?

Os empréstimos pessoais estão disponíveis para pessoas acima dos 18 anos. No entanto, tal não significa que irá consegui-lo. Ao pedir empréstimo, o banco irá apurar a tua taxa de esforço e analisar diversos fatores, como os teus rendimentos ou estabilidade profissional, para avaliar se cumpres os requisitos e consegues pagar as mensalidades.

 

É boa ideia pedir um crédito pessoal para jovens?

Ser jovem e emancipar-se dos pais sem ter estabilidade profissional e financeira nem sempre é fácil. Haverá momentos em que pode precisar de dinheiro para estudar, comprar mobiliário para a primeira casa ou fazer uma viagem, por exemplo, mas não quer recorrer aos progenitores. Será que é boa ideia pedir crédito pessoal para jovens?

 

Os empréstimos pessoais são úteis para comprar bens ou pagar serviços quando não tens dinheiro disponível, permitindo que fiques a pagar prestações mensais por determinado período de tempo (até sete anos).

 

É, assim, um compromisso financeiro que ainda poderá durar alguns anos. Portanto, se vale a pena fazer um crédito pessoal jovem, depende do quão confiante te sentes em relação às tuas finanças e à tua capacidade de cumprir as obrigações do empréstimo.
 

 

Como funciona o crédito pessoal jovem?

Os empréstimos pessoais para jovens são iguais a qualquer empréstimo padrão. Pedes emprestado um determinado valor, ficando a pagar o montante emprestado e os juros durante o prazo definido. Tipicamente, o prazo dos empréstimos pessoais varia entre os dois e os sete anos, mas poderão existir oscilações temporais em função da instituição bancária. Se o jovem tiver uma situação pessoal e profissional estável, a instituição bancária não exigirá a apresentação de uma garantia (como fiadores ou bens pessoais). No entanto, os jovens sem rendimentos ou que apresentem uma situação profissional instável devem apresentar um fiador: uma pessoa que, em caso de incumprimento de contrato, se responsabiliza pela dívida.

 

A maioria dos créditos pessoais disponibiliza taxas de juros fixas, o que significa que o valor da prestação mensal é fixada no início do contrato e mantém-se igual até à última prestação.

Se, a qualquer momento, quiseres amortizar o crédito pessoal com taxa fixa, terás de pagar uma comissão que não pode ultrapassar:

 

  • 0,5% do capital reembolsado se faltar mais do que um ano acabar de pagar o crédito
  • 0,25% do montante de capital reembolsado, se faltar menos do que um ano.

 

Não há lugar ao pagamento de qualquer comissão de reembolso antecipado se o crédito pessoal for de taxa variável.
 

 

Por que é mais difícil para os jovens conseguirem empréstimos?


Pode ser mais difícil os jovens contraírem crédito pessoal. Isto porque é normal que, nesta fase da vida, não tenham estabilidade profissional nem rendimentos que assegurem à instituição bancária que conseguirão pagar as prestações mensais.


Apesar disso, existem créditos pessoais que são concebidos para jovens (embora não sejam exclusivamente para esta faixa etária), como o crédito pessoal para estudar, que oferece condições de reembolso vantajosas para quem pretende investir na sua formação, nomeadamente a atribuição de uma taxa de juro reduzida ou de um período de carência, em que o jovem paga apenas juros no prazo de carência solicitado. Na maioria dos casos consegue carência por todo o prazo do curso/formação escolhida.

 

 

Como conseguir crédito pessoal jovem

Talvez os teus rendimentos ainda não sejam elevados, nem tenhas a estabilidade profissional e financeira desejada pelas entidades bancárias, no entanto, tal não significa que não consigas o crédito. Alguns requisitos essenciais que irão ajudar são:
 

  • Ter o nome limpo no Banco de Portugal
    Sempre que um banco avalia um novo pedido de crédito, um dos passos é verificar se o teu nome está na Central de Responsabilidades de Crédito, uma base de dados do Banco de Portugal na qual constam as informações relacionadas com empréstimos, incluindo se existem prestações em atraso. Assim, se és jovem e queres um crédito pessoal, é essencial que tenhas o “nome limpo”.

 

  • Ter um bom histórico bancário
    O histórico da conta bancária é considerado como um indicador da capacidade do cliente em cumprir compromissos financeiros. Se a tua conta tiver estado várias vezes negativa, o banco irá considerá-lo como um cliente que contrai dívidas acima das suas possibilidades, podendo ser penalizado por isso.

 

  • Equilibrar a taxa de esforço
    A taxa de esforço é o peso dos créditos em relação aos rendimentos. Se os teus rendimentos forem reduzidos, procura aumentar o dinheiro que consegues ganhar, nem que seja através de trabalhos freelance, que permitam ganhar dinheiro em horários mais flexíveis.

 

  • Pedir um valor e prazo razoável
    Ainda que um prazo maior possa parecer mais apelativo pela redução da mensalidade, a verdade é que isso torna a amortização mais demorada e os juros mais caros. Assim, ajusta o prazo de acordo com aquilo que consegues pagar, e não optes por um período maior só para ter uma prestação mais baixa. Caso contrário, acabas por pagar mais e o crédito fica mais caro.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).