finanças

Crise financeira: o que é e como se preparar?

30 nov 2022 | 4 min de leitura

O termo crise financeira causa-lhe arrepios? Saiba como estar preparado para o que der e vier.

Crise financeira

Ninguém gosta de falar de crises financeiras, pois normalmente são sinónimo de dificuldades económicas e sociais. Mas é importante estar preparado para enfrentar o pior cenário possível. Afinal as crises são naturais, acontecem com alguma frequência e, com a inflação a bater recordes, a crise da energia e a subida das taxas de juro, é possível que uma crise financeira e económica esteja à espreita.

 

 

O que é a crise financeira?

Habitualmente, falamos em crise financeira quando instituições ou ativos financeiros - como ações ou imóveis - sofrem uma desvalorização repentina. Estes acontecimentos são, muitas vezes, precedidos de períodos de expansão económica e excesso de concessão de crédito.

 

Causas da crise financeira

Um declínio financeiro pode ter várias causas, nomeadamente a sobrevalorização de ativos, e pode ser exacerbada por comportamentos irracionais dos investidores ou cidadãos (a chamada corrida aos bancos ou aos mercados). Se não for controlada, pode levar uma economia à recessão ou depressão.

 

 

Qual a diferença entre crise económica e financeira?

A economia é cíclica. O termo crise económica refere-se a um período de transição entre uma fase de crescimento e uma fase de recessão ou de depressão económica. Nestes períodos, há uma diminuição no crescimento económico do país, devido a uma quebra na atividade em vários setores (e não apenas no setor financeiro).

 

A crise económica está tradicionalmente associada a uma queda do PIB (Produto Interno Bruto), aumento das taxas de juro, redução do consumo, da produção e ao aumento do desemprego e da pobreza na população.

 

Em resumo: uma crise financeira afeta diretamente o setor financeiro, enquanto numa crise económica todos os setores da economia, como um todo, são afetados.

 

 

Como se preparar para uma crise em Portugal

A inflação que vivemos neste momento, a crise da energia e a subida da Euribor tem colocado muita pressão nas famílias portuguesas (e não só). Porém, o Governo ainda não assume um cenário de recessão (o Orçamento do Estado para 2023 prevê crescimento económico e uma taxa de desemprego controlada). No entanto, as famílias portuguesas já sentem na sua carteira o efeito do aumento dos preços. Se quer preparar o seu orçamento para uma crise financeira em Portugal, deixamos-lhe algumas dicas.

 

1. Reavalie as suas despesas

Avalie o orçamento familiar todos os meses para ver que despesas podem ser reduzidas. Está a gastar muito dinheiro com bens ou serviços acessórios, como subscrições de streaming? Elimine ou reduza essas despesas. A conta da energia ou da água está mais elevada do que o comum? Encontre formas de poupar. Está a deixar mais dinheiro no supermercado do que em meses anteriores? Compre apenas o que precisa e opte por produtos de marca branca para poupar dinheiro.

 

2. Reforce o fundo de emergência

Depois de cortar nos gastos, é importante aumentar a sua capacidade de poupança. Num plano ideal, 20% dos seus rendimentos devem seguir para as suas poupanças, nomeadamente para reforçar o fundo de emergência. Este mecanismo será bastante útil caso fique desempregado, devido a um declínio financeiro ou económico.

 

3. Mantenha as suas poupanças para o futuro

Se tem um Plano de Poupança Reforma ou um seguro financeiro para o qual faça contribuições mensais, não deixe de fazer os reforços. Mesmo que esteja numa situação complicada, pense a longo prazo.

 

4. Concentre-se em pagar dívidas com juros elevados

Numa situação de crise económica, em vez de cortar nas poupanças é preferível perceber se os créditos estão a pesar demasiado na sua situação financeira. Neste caso, deve focar-se em pagar mais rapidamente os empréstimos com taxas de juro mais elevadas, como os créditos ao consumo e os cartões de crédito.

 

5. Seja racional com os investimentos

Se tem investimentos (fundos de investimento ou ações, por exemplo), evite tomar decisões emocionais sobre dinheiro. Mesmo que o mercado esteja em queda, deve pensar bem antes de tomar a decisão de resgatar o valor investido e perder dinheiro.

 

6. Desenvolva as suas capacidades profissionais

Independentemente de cortar nas despesas, deve sempre tentar aumentar os rendimentos mensais. Para tal, procure aprender novas competências, que aumentem o seu valor no mercado de trabalho. Se não tem disponibilidade financeira para investir na carreira, opte pelas plataformas de curso online gratuitas. Desta forma terá novos argumentos para negociar um aumento salarial na empresa onde trabalha ou melhorar o currículo para encontrar novo emprego.

 

7. Pense em formas inovadoras de ganhar dinheiro extra

Uma crise financeira pode ser o momento para se reinventar. Tem alguma paixão que pode rentabilizar? Considere começar um projeto para gerar rendimentos extra. Pode ser um blog, a criação de um e-book sobre um tema que domine ou um curso online são formas que pode utilizar para obter rendimentos passivos.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Salto Santander Poupança no Santander

Poupar para ganhar

Faça da poupança o seu melhor aliado: pequenos gestos, grandes conquistas.

Poupar para ganhar

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).