finanças

Cartão de crédito: como usar (bem) este meio de pagamento

10 mar 2022 | 4 min de leitura

Alguma vez sentiu que recorria demasiadas vezes ao cartão de crédito? Uma utilização desregrada pode originar problemas financeiros sérios, por isso, descubra como usar bem os cartões de crédito.

Cartão de crédito: como usar

Se manuseados de modo inteligente, os cartões de crédito podem ser uma opção vantajosa nas compras ou até para poupar (se tiver a modalidade cashback, por exemplo). Por isso, reunimos alguns conselhos para que possa utilizar este meio de pagamento de forma equilibrada.

 

Quando usar o cartão de crédito?

cartão de crédito tem inúmeras vantagens. Pode ser muito útil numa emergência, como, por exemplo, para pagar uma despesa de saúde não programada ou o arranjo de um eletrodoméstico, para aproveitar uma boa oportunidade de negócio ou quando pretende fazer uma compra de valor elevado, mas não tem disponibilidade financeira para pagar a pronto.

 

Como usar bem o cartão de crédito

Se tiver uma utilização regrada, o cartão de crédito pode ser um grande aliado na gestão das finanças pessoais. Pode, inclusive, aceder ao crédito sem ter de pagar juros. O primeiro passo é saber quais as modalidades de pagamento disponíveis.

 

Existem duas formas de pagar o valor em dívida:

 

  • Pagamento integral (100%) do valor em dívida dentro do prazo definido, sem ter de pagar juros
  • Pagamento parcial do valor em dívida, de acordo com as percentagens definidas (5%, 10%, 15% ou 20%, por exemplo) ou uma mensalidade de valor fixo.

 

Assim, se pretende utilizar o cartão de crédito sem pagar juros, há um conceito que deve ter em mente: data-limite de pagamento.

 

Trata-se da data a partir da qual são contabilizados os juros do montante utilizado, e não pago, nesse mês. Ou seja:

 

  • Se optar pelo pagamento a 100% do saldo do cartão de crédito até à data-limite, não tem de pagar juros
  • Se optar pelo pagamento parcial do cartão de crédito, terá de pagar juros sobre o montante de crédito que não reembolsou.

 

5 boas práticas para utilizar o cartão de crédito
 

1. Ponderar a necessidade da compra

Será que precisa mesmo de fazer essa compra ou pode esperar mais uns meses, até conseguir juntar o dinheiro necessário?

 

2. Conhecer os custos do cartão de crédito

Existem vários. Desde logo a anuidade (taxa anual de utilização do cartão), mas também a taxa de juro, as comissões que algumas operações pedem, como levantamento de dinheiro, o Imposto do Selo sobre a comissão de disponibilização, juros e capital em dívida.

 

Alguns cartões de crédito têm, ainda, outros custos, como a taxa gasolineira, de inatividade e de processamento internacional (cobrada em compras em países fora do Espaço Económico Europeu). Nem todos os cartões têm estes custos associados, mas conhecê-los é fundamental para uma boa utilização.

 

3. Pagar a totalidade da compra dentro da data-limite

Desta forma, pode beneficiar de uma linha de crédito sem pagar juros.

 

4. Escolher parcelar os pagamentos

Se não conseguir reembolsar o valor dentro da data-limite e tiver de parcelar os pagamentos, opte por pagar uma percentagem superior. Por exemplo, pode escolher pagar, por mês, 20% do valor em dívida, em vez de 5%.

 

5. Fazer o possível para não falhar pagamentos

Se tal acontecer, terá de pagar juros adicionais, penalizações e uma eventual comunicação à Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal, o que poderá afetar a atribuição de futuros créditos.

 

Quais as vantagens de usar cartão de crédito

Além da possibilidade de beneficiar de uma linha de crédito sem pagar juros, muitos cartões de crédito têm benefícios associados, que podem representar poupanças para os seus utilizadores. Por exemplo:

 

  • Cashback (devolução de uma percentagem do valor das compras, geralmente na ordem dos 1%)
  • Seguros com coberturas variadas, que vão desde furto, roubo ou extravio a assistência em viagem
  • Descontos em lojas
  • Programas de acumulação de milhas.

 

O cartão de crédito pode, ainda, ser útil numa situação de emergência, para fazer compras online ou para fazer pagamentos no estrangeiro.

 

Quero ter um cartão de crédito. O que tenho de fazer?

É possível pedir um cartão de crédito através da instituição bancária na qual tem conta bancária ou junto de instituições especializadas em crédito pessoal.

Por regra, as instituições bancárias permitem que faça o pedido online, através do homebanking ou da app. Ou, em alternativa, pode requisitar ao balcão.

 

No caso do Santander, o cliente pode pedir um cartão de crédito online no NetBanco ou App Santander, mas também num balcão.

 

Atualmente, a maioria das instituições de crédito pessoal permitem que peça um cartão, associando-o a uma conta bancária de outro banco. Geralmente, estas instituições fazem a cobrança das mensalidades através de débitos diretos nas contas associadas.

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

 

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).