finanças

O que é a inflação e como combatê-la

13 jul 2022 | 7 min de leitura

Se costuma ir ao supermercado ou abastecer o automóvel com combustível, já deve ter sentido o aumento dos preços. Saiba o que é a inflação, quais as suas causas e como combatê-la no dia a dia.

O que é a inflação?

Gerir as suas finanças em tempos de inflação pode ser desafiante. No entanto, existem medidas que pode tomar para evitar que este fenómeno prejudique as suas poupanças.

 

 

O que é a inflação?

De forma simples, é o aumento geral dos preços. Numa economia de mercado, os preços estão sujeitos a variações: uns sobem, outros descem. Quando se verifica um aumento geral dos preços dos bens e serviços, significa que estamos em inflação. Ou seja, com cinco euros compra menos produtos hoje do que comprou ontem.

 

Por regra, é um fenómeno temporário que surge quando as economias transitam de um período de contração para um momento de expansão. É temporário, desde que os preços reduzam quando a oferta alcança a procura.

 

 

Tipos de inflação

  • Moderada ou deslizante. Quando os preços aumentam lentamente, chegando aos 3%

 

  • Trotante. Quando os preços sofrem um aumento superior a 3%

 

  • Galopante. Quando a taxa de inflação é superior a 10%.

 

  • Hiperinflação. Quando o aumento anual dos preços é superior a 50%.

 

 

Quais as causas da inflação?

Existem três principais motivos que podem estar associados à inflação:

 

Lei da oferta e da procura

Se a procura for maior do que a oferta de um produto, o seu preço aumenta. Se a população tiver mais disponibilidade para comprar, há um aumento súbito da procura que geralmente não é acompanhado pela oferta, o que eleva os preços e intensifica a inflação. O mesmo acontece quando existe uma rutura nas cadeias de abastecimento, que origina uma quebra na produção e existe menos oferta disponível.

 

Aumento dos custos de produção

Se as empresas tiverem um aumento rápido no custo de produção - porque, por exemplo, o preço das matérias-primas incrementa, têm de pagar mais impostos ou há excesso de dívidas -, isso irá refletir-se nos preços ao consumidor e a inflação sobe.

 

Excesso de dinheiro na economia

Quando existe mais dinheiro a circular e a população está mais disponível para gastar, existe a tendência para uma subida generalizada dos preços.

 

 

A inflação e o aumento de preços

Desde finais de 2021 que os preços aumentaram, consecutivamente tendo atingido o pico máximo de 10,1% em outubro de 2022. Desde então a inflação tem vindo a descer e registou uma forte desaceleração no mês de outubro de 2023, caindo para 2,1%. Segundo o INE, esta redução pode ser explicada pela desaceleração dos preços ao “efeito de base associado aos aumentos mensais de preços registados em outubro de 2022 nos produtos alimentares (2,1%) e nos produtos energéticos (6,7%), com destaque para o gás natural (77,4%)”.

 

A inflação, que é um evento mundial, deve-se a três fatores:

 

  • Os apoios que foram colocados na economia durante a pandemia (financeiros e fiscais)

 

  • Subida intensa dos preços da energia, provocada pela transição energética e agravada pela guerra na Ucrânia, que se reflete nos preços de outros produtos e serviços

 

  • Política Zero-Covid na China e guerra da Ucrânia que causou uma rutura nas cadeias de abastecimento e, consequentemente, mais procura do que oferta.

 

 

Quais as consequências da inflação na economia?

“Aos níveis que vivemos hoje em dia, a inflação pode ser bastante nociva, pois começa a ficar incorporada nas decisões dos consumidores e decisores e, se não acabarmos com este ciclo vicioso, irá criar perturbações grandes na economia”, explica Pedro Melo e Castro, especialista em Poupança e Investimentos do Santander. Isto acontece por duas vias:

 

  • Redução do poder de compra dos consumidores, pois os salários, tipicamente, não acompanham a subida dos preços

 

  • Adiamento de decisões de investimento por parte das empresas, tendo presente que o contexto está mais incerto.

 

Por este motivo, “os bancos centrais estão, de forma sincronizada e global, a querer controlar este fenómeno, no sentido de acalmar a procura”. As medidas que estão em cima da mesa passam por reduzir grande parte dos estímulos que estavam na economia devido à pandemia e aumentar as taxas de juro diretoras, para arrefecer o consumo, estabilizando os preços. “É um trade-off entre querer induzir, no curto prazo, um abrandamento mais forte para controlar os preços ou pagar a fatura de termos inflação alta durante algum tempo, mais desemprego e menos poder de compra”, prossegue o especialista.

 

 

O que provoca a inflação na sua vida privada?

 

  • Reduz o valor das suas poupanças e investimentos, caso não obtenha uma rentabilidade acima da inflação

 

  • Diminui os seus rendimentos do trabalho, caso o seu salário não acompanhe o aumento de preços

 

  • Enfraquece o seu poder de compra, como consequência da diminuição de rendimentos. Se os produtos encarecerem, mas os seus rendimentos se mantiverem, tendencialmente irá comprar menos.

 

Num cenário extremo e prolongado, a inflação poderá, ainda, levar ao aumento do desemprego.

 

 

A inflação é sempre má?

“Nem sempre”, explica Simão Ambrósio, especialista em Poupança e Investimentos do Santander, “mas não deve chegar aos valores atuais”.

 

Idealmente, é importante que exista inflação controlada, ou seja, cerca de 2%. Caso contrário, os preços podem estabilizar ou reduzir e a economia entra em deflação. Senão, vejamos o seguinte exemplo: se quiser comprar um automóvel e souber que os preços não irão aumentar nos próximos tempos, pode adiar a sua decisão de compra. “Ao fazê-lo, a empresa não vende e, se não vende, não paga aos colaboradores, podendo ter que despedi-los. Estes ficam sem dinheiro para consumir e a economia não circula”.

 

 

Como combater a inflação: medidas para reduzir o impacto na sua carteira

Ninguém gosta de perder dinheiro. E, num cenário de inflação, todos perdemos poder de compra se não tomarmos as medidas adequadas. Saiba como diminuir a inflação nas suas contas mensais, manter o poder de compra e não adiar objetivos.

 

1. Fazer o orçamento familiar

Mais do que nunca é importante ter as suas contas mensais em ordem e o orçamento familiar é a ferramenta certa para conseguir fazê-lo. Se ainda não o faz, saiba como organizar as suas despesas e receitas neste artigo.

 

Porque é que o orçamento familiar é tão importante? “É uma ferramenta que ajuda as famílias a terem mais disciplina, controlarem os gastos, sabendo exatamente quanto dinheiro entra e sai todos meses”, afirma Pedro Melo e Castro.

 

Reduzir as despesas pode não estar ao alcance de todos, mas para aqueles que o conseguem, as vantagens podem ser imensas. Ao ajustar o seu estilo de vida e diminuir as suas despesas em tempos difíceis, poderá enfrentar melhor as dificuldades, preservar as suas economias e obter uma sensação de paz financeira.

 

  • Dica: utilize a calculadora de inflação pessoal do Banco Central Europeu, para saber qual a sua taxa de inflação pessoal com base nos seus hábitos de consumo.

 

Rentabilizar as poupanças para não perder poder de compra

Em tempos de inflação elevada, a poupança e o investimento têm importância acrescida e devem ser olhados com uma perspetiva diferente: são as ferramentas que permitem que não perca poder de compra pela via do aumento de preços.

 

Assim, deve procurar que, no conjunto, os seus investimentos tenham rentabilidade acima da inflação e, se necessário, alocar o seu património de forma diferente.

 

Se quer arriscar mais e obter retornos mais elevados

 

  • Ações. “Permitem acumular património acima da inflação”, explica Pedro Melo e Castro, mas é importante que tenha noção dos riscos deste investimento e mantenha perspetiva de longo prazo, uma vez que são ativos que oscilam bastante no tempo.

 

 

Se prefere a segurança

 

 

  • Seguros financeiros. Podem ter, ou não, capital garantido, mas a grande vantagem é poder programar as entregas, assegurando que consegue poupar sempre, e ter vantagens fiscais se os mantiver por determinado período de tempo.

 

  • Fundos de investimento. Há fundos de investimento para todos os perfis de investidor, do mais arriscado ao mais conservador. No entanto, como são geridos por profissionais, oferecem maior potencial de retorno.

 

Embora estas estratégias possam não ser simples de implementar, são essenciais para a manutenção do seu estilo de vida e cumprir objetivos definidos. Se tem dúvidas sobre produtos para investir em tempos de inflação, procure informar-se e obtenha o apoio que necessita.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).