Período de carência: seguros

finanças

Período de carência nos seguros: o que é e como funciona

14 dez 2022 | 3 min de leitura

Quer contratar um seguro de saúde? Saiba o que é o período de carência e que cuidados ter.

Quando subscreve um seguro, imagina que pode começar a usufruir das suas vantagens imediatamente. Certo? Por regra sim, mas nem sempre acontece desta forma. Por isso, quando está a contratar é importante que pergunte pelo período de carência. Neste artigo, iremos explicar o que é e como funciona.

 

 

O que é o período de carência?

É o tempo entre o início do contrato de seguro e uma determinada data, na qual certas coberturas ainda não estão ativas. Durante esse prazo não é possível acionar as coberturas e garantias contratadas.

 

Nota: Embora seja mais comum nos seguros, este também pode ser aplicado no reembolso das prestações do crédito habitação. Ao pedir um período de carência, define um prazo durante o qual não amortiza capital em dívida, ficando apenas a pagar os juros, ou seja, uma prestação mais reduzida.

 

 

Todos os seguros têm período de carência?

Não. Mas, por regra, os seguros de saúde têm um tempo, durante o qual não poderá acionar as coberturas.

 

 

Existem seguros de saúde sem período de carência?

Este período não é transversal a todos os seguros de saúde. Alguns têm garantias que podem ser ativadas imediatamente - no entanto, são raros. A ausência deste é mais comum em produtos concebidos para utilização imediata, como os cartões de saúde.
 

 

Como funciona o período de carência nos seguros de saúde?

Não existe uma legislação para o mesmo nos seguros de saúde. Este prazo pode variar consoante o produto contratado e, inclusivamente, pode ser diferente para as várias coberturas. Por exemplo, um produto pode ter algumas coberturas sem prazo de carência, como consultas ou estomatologia, mas as restantes, como de parto ou internamento hospitalar, incluírem este tempo em que não pode acioná-las.

 

Neste caso, poderá ativar as garantias sem período de carência assim que contratar o seguro, mas terá de esperar até ao final do prazo definido para acionar as restantes. Sublinhe-se que, por regra, as coberturas de parto são as que têm maior período de carência - entre nove meses a um ano. Assim, se pretender ter filhos e recorrer à medicina privada, deverá contratar um seguro, pelo menos, nove meses antes da data prevista para engravidar.

 

Por este motivo, deve sempre informar-se sobre os períodos de carência nas diferentes coberturas antes de subscrever um seguro de saúde.

 

 

Para que serve o período de carência?

Os seguros de saúde são investimentos a longo prazo que não devem ser contratados no momento da emergência, mas sim como prevenção para o futuro. O período de carência existe para salvaguardar as seguradoras, evitando situações de fraude ou aproveitamento de clientes que pretendam contratar o seguro para cobrir despesas já previstas e cancelá-lo de seguida.

 

Para que possa fazer a escolha mais benéfica para o seu caso, é aconselhável que pesquise as ofertas no mercado e conheça as condições que cada seguro tem para lhe oferecer. Saiba como escolher um seguro de saúde.
 

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Quando subscreve um seguro, imagina que pode começar a usufruir das suas vantagens imediatamente. Certo? Por regra sim, mas nem sempre acontece desta forma. Por isso, quando está a contratar é importante que pergunte pelo período de carência. Neste artigo, iremos explicar o que é e como funciona.

 

 

O que é o período de carência?

É o tempo entre o início do contrato de seguro e uma determinada data, na qual certas coberturas ainda não estão ativas. Durante esse prazo não é possível acionar as coberturas e garantias contratadas.

 

Nota: Embora seja mais comum nos seguros, este também pode ser aplicado no reembolso das prestações do crédito habitação. Ao pedir um período de carência, define um prazo durante o qual não amortiza capital em dívida, ficando apenas a pagar os juros, ou seja, uma prestação mais reduzida.

 

 

Todos os seguros têm período de carência?

Não. Mas, por regra, os seguros de saúde têm um tempo, durante o qual não poderá acionar as coberturas.

 

 

Existem seguros de saúde sem período de carência?

Este período não é transversal a todos os seguros de saúde. Alguns têm garantias que podem ser ativadas imediatamente - no entanto, são raros. A ausência deste é mais comum em produtos concebidos para utilização imediata, como os cartões de saúde.
 

 

Como funciona o período de carência nos seguros de saúde?

Não existe uma legislação para o mesmo nos seguros de saúde. Este prazo pode variar consoante o produto contratado e, inclusivamente, pode ser diferente para as várias coberturas. Por exemplo, um produto pode ter algumas coberturas sem prazo de carência, como consultas ou estomatologia, mas as restantes, como de parto ou internamento hospitalar, incluírem este tempo em que não pode acioná-las.

 

Neste caso, poderá ativar as garantias sem período de carência assim que contratar o seguro, mas terá de esperar até ao final do prazo definido para acionar as restantes. Sublinhe-se que, por regra, as coberturas de parto são as que têm maior período de carência - entre nove meses a um ano. Assim, se pretender ter filhos e recorrer à medicina privada, deverá contratar um seguro, pelo menos, nove meses antes da data prevista para engravidar.

 

Por este motivo, deve sempre informar-se sobre os períodos de carência nas diferentes coberturas antes de subscrever um seguro de saúde.

 

 

Para que serve o período de carência?

Os seguros de saúde são investimentos a longo prazo que não devem ser contratados no momento da emergência, mas sim como prevenção para o futuro. O período de carência existe para salvaguardar as seguradoras, evitando situações de fraude ou aproveitamento de clientes que pretendam contratar o seguro para cobrir despesas já previstas e cancelá-lo de seguida.

 

Para que possa fazer a escolha mais benéfica para o seu caso, é aconselhável que pesquise as ofertas no mercado e conheça as condições que cada seguro tem para lhe oferecer. Saiba como escolher um seguro de saúde.
 

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).