Renegociar crédito habitação

finanças

Conheça as novas medidas para renegociar o crédito habitação

09 dez 2022 | 4 min de leitura

A subida da taxa de juros está a refletir-se na sua prestação de crédito? Conheça as novas medidas para conter o impacto deste aumento na mensalidade e como pode renegociar o crédito habitação.

A subida das taxas Euribor já se faz sentir nas prestações mensais do empréstimo da casa da maioria dos portugueses, que têm crédito habitação indexado às taxas Euribor. Nesse sentido, o Governo implementou medidas para incentivar a banca a antecipar e prevenir possíveis situações de sobreendividamento, que podem levar as famílias a uma situação de degradação da sua capacidade financeira.

 

Assim, quando as instituições financeiras detetarem indícios de um agravamento da taxa de esforço devido ao aumento da taxa de juro, devem agir imediatamente analisando a situação dos clientes e, caso haja degradação da capacidade financeira do cliente, apresentar propostas para renegociar o crédito habitação, que permitam minimizar o impacto da subida da Euribor.

 

 

Quem pode beneficiar destas medidas?

Quem tiver os contratos de crédito para comprar ou construir habitação própria e permanente, de valor até 300 000 euros, com taxa de juro variável e estiver em situação de agravamento significativo da taxa de esforço ou com taxa de esforço significativa. Saiba, neste artigo, o que é e como calcular a taxa de esforço de um crédito.

 

 

Qual a diferença entre agravamento significativo da taxa de esforço e taxa de esforço significativa?

A legislação distingue estas duas situações. Assim:

 

  • Agravamento significativo da taxa de esforço. Situação em que a taxa de esforço aumenta mais de 5 pontos percentuais em comparação com o período homólogo. Se o crédito tiver sido feito nos últimos 12 meses, a comparação é efectuada com o valor da taxa de esforço na data de celebração. Adicionalmente, a taxa de esforço atual tem que corresponder a mais de 36% do rendimento.

 

  • O legislador considera também que se verifica um agravamento significativo da taxa de esforço quando o indexante (Euribor) aumentar três pontos percentuais face à data da celebração do contrato. Também neste caso, a taxa de esforço atual tem que corresponder a mais de 36% do rendimento.

 

  • Taxa de esforço significativa. Nesta situação, a taxa de esforço já representa mais de 50% do rendimento.

 

 

Como funciona o mecanismo de antecipação da atuação?

As instituições bancárias devem estar atentas aos indícios de agravamento da taxa de esforço e sinalizar a situação, pelo menos, 60 dias antes da refixação da taxa de juro.

 

O banco pode solicitar informações e documentos atualizados, designadamente a mais recente declaração de rendimentos e comprovativos de rendimentos. Por sua vez, o cliente tem 10 dias para prestar a informação e entregar os documentos solicitados.

 

 

O que acontece depois?

Caso se confirmem os indícios de dificuldade em cumprir com o pagamento das prestações, a instituição deve apresentar propostas adequadas para renegociar o crédito habitação, que podem incluir alteração das condições do empréstimo ou a celebração de um novo contrato, com o objetivo de refinanciamento da dívida existente, como iremos explicar de seguida.

 

Como renegociar o empréstimo?

Segundo a legislação, o banco deve apresentar soluções de renegociação de crédito que visem a prevenção de situações de incumprimento, tais como:

 

  • Alargamento do prazo de amortização
  • Diferimento de parte do capital para uma prestação em data futura
  • Consolidação de vários contratos de crédito
  • Fixação de um período de carência de reembolso do capital ou de reembolso do capital e de pagamento de juros.

 

Ao abrigo desta legislação, os bancos estão proibidos de cobrar comissões pela renegociação das condições do contrato de crédito, assim como de agravar a taxa de juro.

 

 

O que saber sobre o alargamento do prazo de amortização com opção de retoma

Caso a instituição financeira sugira o alargamento do prazo de pagamento, deve apresentar uma proposta de calendário de amortização ajustado, que inclua o impacto financeiro desse aumento.

 

A qualquer momento, o cliente pode retomar o plano de pagamentos inicialmente contratado. O pedido deve ser feito à instituição financeira, que, por sua vez, deve apresentar novo calendário de pagamento. Caso decida voltar atrás nesta decisão, não poderá voltar a beneficiar deste alargamento com opção de retoma.

 

 

Suspensão temporária da comissão por reembolso antecipado

Outra novidade é a suspensão temporária (até 31 de dezembro de 2023) da comissão por amortização antecipada para créditos habitação de habitação própria permanente e com taxa de juros variável. Significa isto que, caso pretenda transferir o seu empréstimo para outro banco ou caso pretenda amortizar parte ou a totalidade da sua dívida, a instituição bancária de origem não poderá cobrar a comissão de reembolso antecipado.

 

 

O que implica constar crédito renegociado no mapa de responsabilidades?

Se aceitar uma solução prevista neste Decreto-lei, esta operação será comunicada ao Banco de Portugal como “crédito renegociado”. Assim, se pedir o mapa de responsabilidades de crédito irá verificar essa informação. As políticas de atuação perante um cliente com uma operação renegociada variam consoante o banco. Contudo, é natural que a aprovação de novos créditos ou renovação de atuais (incluindo cartões de crédito) seja mais morosa e bastante mais exigente.

A subida das taxas Euribor já se faz sentir nas prestações mensais do empréstimo da casa da maioria dos portugueses, que têm crédito habitação indexado às taxas Euribor. Nesse sentido, o Governo implementou medidas para incentivar a banca a antecipar e prevenir possíveis situações de sobreendividamento, que podem levar as famílias a uma situação de degradação da sua capacidade financeira.

 

Assim, quando as instituições financeiras detetarem indícios de um agravamento da taxa de esforço devido ao aumento da taxa de juro, devem agir imediatamente analisando a situação dos clientes e, caso haja degradação da capacidade financeira do cliente, apresentar propostas para renegociar o crédito habitação, que permitam minimizar o impacto da subida da Euribor.

 

 

Quem pode beneficiar destas medidas?

Quem tiver os contratos de crédito para comprar ou construir habitação própria e permanente, de valor até 300 000 euros, com taxa de juro variável e estiver em situação de agravamento significativo da taxa de esforço ou com taxa de esforço significativa. Saiba, neste artigo, o que é e como calcular a taxa de esforço de um crédito.

 

 

Qual a diferença entre agravamento significativo da taxa de esforço e taxa de esforço significativa?

A legislação distingue estas duas situações. Assim:

 

  • Agravamento significativo da taxa de esforço. Situação em que a taxa de esforço aumenta mais de 5 pontos percentuais em comparação com o período homólogo. Se o crédito tiver sido feito nos últimos 12 meses, a comparação é efectuada com o valor da taxa de esforço na data de celebração. Adicionalmente, a taxa de esforço atual tem que corresponder a mais de 36% do rendimento.

 

  • O legislador considera também que se verifica um agravamento significativo da taxa de esforço quando o indexante (Euribor) aumentar três pontos percentuais face à data da celebração do contrato. Também neste caso, a taxa de esforço atual tem que corresponder a mais de 36% do rendimento.

 

  • Taxa de esforço significativa. Nesta situação, a taxa de esforço já representa mais de 50% do rendimento.

 

 

Como funciona o mecanismo de antecipação da atuação?

As instituições bancárias devem estar atentas aos indícios de agravamento da taxa de esforço e sinalizar a situação, pelo menos, 60 dias antes da refixação da taxa de juro.

 

O banco pode solicitar informações e documentos atualizados, designadamente a mais recente declaração de rendimentos e comprovativos de rendimentos. Por sua vez, o cliente tem 10 dias para prestar a informação e entregar os documentos solicitados.

 

 

O que acontece depois?

Caso se confirmem os indícios de dificuldade em cumprir com o pagamento das prestações, a instituição deve apresentar propostas adequadas para renegociar o crédito habitação, que podem incluir alteração das condições do empréstimo ou a celebração de um novo contrato, com o objetivo de refinanciamento da dívida existente, como iremos explicar de seguida.

 

Como renegociar o empréstimo?

Segundo a legislação, o banco deve apresentar soluções de renegociação de crédito que visem a prevenção de situações de incumprimento, tais como:

 

  • Alargamento do prazo de amortização
  • Diferimento de parte do capital para uma prestação em data futura
  • Consolidação de vários contratos de crédito
  • Fixação de um período de carência de reembolso do capital ou de reembolso do capital e de pagamento de juros.

 

Ao abrigo desta legislação, os bancos estão proibidos de cobrar comissões pela renegociação das condições do contrato de crédito, assim como de agravar a taxa de juro.

 

 

O que saber sobre o alargamento do prazo de amortização com opção de retoma

Caso a instituição financeira sugira o alargamento do prazo de pagamento, deve apresentar uma proposta de calendário de amortização ajustado, que inclua o impacto financeiro desse aumento.

 

A qualquer momento, o cliente pode retomar o plano de pagamentos inicialmente contratado. O pedido deve ser feito à instituição financeira, que, por sua vez, deve apresentar novo calendário de pagamento. Caso decida voltar atrás nesta decisão, não poderá voltar a beneficiar deste alargamento com opção de retoma.

 

 

Suspensão temporária da comissão por reembolso antecipado

Outra novidade é a suspensão temporária (até 31 de dezembro de 2023) da comissão por amortização antecipada para créditos habitação de habitação própria permanente e com taxa de juros variável. Significa isto que, caso pretenda transferir o seu empréstimo para outro banco ou caso pretenda amortizar parte ou a totalidade da sua dívida, a instituição bancária de origem não poderá cobrar a comissão de reembolso antecipado.

 

 

O que implica constar crédito renegociado no mapa de responsabilidades?

Se aceitar uma solução prevista neste Decreto-lei, esta operação será comunicada ao Banco de Portugal como “crédito renegociado”. Assim, se pedir o mapa de responsabilidades de crédito irá verificar essa informação. As políticas de atuação perante um cliente com uma operação renegociada variam consoante o banco. Contudo, é natural que a aprovação de novos créditos ou renovação de atuais (incluindo cartões de crédito) seja mais morosa e bastante mais exigente.

 

 

 

Os conteúdos apresentados não dispensam a consulta das entidades públicas ou privadas especialistas em cada matéria.

Achou este artigo útil?

Queremos continuar a trazer-lhe artigos úteis.

Obrigado pela sua opinião!

A sua ajuda é importante.

Salto Santander

Obrigado pela sua opinião!

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).