PRR - Plano de Recuperação e Resiliência

Um programa de fundos europeus focado na resiliência, na transição climática e na transição digital, com 16,6 mil milhões de euros para apoiar empresas portuguesas como a sua.

Portugal recebe 16,6 mil milhões de euros: 13,9 mil milhões de euros em subvenções e 2,7 mil milhões de euros em empréstimos. O PRR tem 3 dimensões, 20 componentes, 37 reformas e 83 investimentos.

PRR - Plano de Recuperação e Resiliência - Fundos Europeus no Santander
Equipa

1. Resiliência

Investimento: 11 125 milhões de euros (67% do orçamento total)

O PRR tem 9 componentes na dimensão da resiliência:

* componentes para empresas
equipamente de energias renováveis

2. Transição climática

Investimento: 3 059 mil milhões de euros (18% do orçamento total)

O PRR tem 6 componentes na dimensão da transição climática:

* componentes para empresas
Administração

3. Transição digital

 Investimento: 2 460 milhões de euros (15% do orçamento total)

O PRR tem 5 componentes na dimensão da transição digital:

* componentes para empresas
Saber mais

Aviso N.º 08/C16-i02/2022

 

Concurso para a Apresentação de Candidaturas para Desenvolvimento de Projetos no âmbito da medida “Internacionalização via E-commerce”.

 

O prazo para a apresentação de candidaturas mantém-se aberto até à receção do número de candidaturas limite apurado em função da dotação orçamental definida.

Objetivo

O presente concurso visa o investimento no desenvolvimento de serviços de suporte aos processos de internacionalização das PME, nomeadamente em sensibilização, capacitação e consultoria, com duas vertentes: (1) a internacionalização das PME através de um programa que visa aprofundar a promoção do comércio eletrónico para novas exportadoras e (2) o lançamento de um novo programa de apoio individualizado para a promoção digital orientado à diversificação de mercados para empresas que já tenham experiência internacional consolidada através de canais digitais.

 

Beneficiários

São beneficiários as PME, de qualquer natureza ou sob qualquer forma jurídica.

 

Condições de acesso

Encontra-se definido como condição de acesso ao presente Aviso a realização de um Diagnóstico E-commerce através do website Portugal Exporta e a obtenção de uma pontuação final superior a 20 pontos. As empresas com Diagnóstico já realizado deverão proceder à sua atualização.

 

O beneficiário deverá possuir situação líquida positiva no exercício fiscal completo anterior ao ano da candidatura. As empresas que à data da candidatura tenham menos de um ano de atividade não se encontram sujeitas à presente condição de acesso.

 

Tipologia das operações

As operações elegíveis, no âmbito do presente Aviso, enquadram-se em duas tipologias:

 

a) “Mais Mercados”: projetos de Internacionalização promovidos pelas PME que demonstram melhores condições para promover o alargamento e a diversificação de mercados de exportação através de canais digitais, traduzidas numa pontuação final igual ou superior a 75 pontos obtida no resultado do Diagnóstico E-commerce realizado

 

b) “Novas Exportadoras”: projetos de Internacionalização promovidos pelas PME que tenham obtido uma pontuação final igual ou superior a 20 pontos e inferior a 75 pontos no resultado do Diagnóstico E-commerce realizado.

 

A cada tipologia correspondem determinados limiares mínimos e máximos de despesa elegível:

 

i. 10 000€ e 25 000€, para projetos da tipologia “Novas Exportadoras”

 

ii. 25 000€ e 85 000€, para projetos da tipologia “Mais Mercados”

 

Âmbito setorial e/ou geográfico

O presente Aviso tem aplicação no território de Portugal Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

 

Despesas elegíveis

São elegíveis as seguintes tipologias de despesa:

 

a) Aquisição de equipamentos e software diretamente relacionados com a implementação do projeto

 

b) Despesas relacionadas com a aquisição de serviços a terceiros relativas a:

 

i. Desenho e implementação de estratégias aplicadas a canais digitais para gestão de mercados, canais, produtos ou segmentos de cliente

 

ii. User-Centered Design (UX): desenho, implementação e otimização de estratégias digitais centradas na experiência do cliente que maximizem a respetiva atração, interação e conversão

 

iii. Desenho, implementação, otimização de plataformas de Web Content Management (WCM), Campaign Management, Customer Relationship Management e E-commerce

 

iv. Criação de lojas próprias online, inscrição e otimização da presença em marketplaces eletrónicos, incluindo despesas de subscrição e fees de adesão durante o período de execução do projeto

 

v. Search Engine Optimization (SEO) e Search Engine Advertising (SEA): melhoria da presença e ranking dos sítios de comércio eletrónico nos resultados da pesquisa, em motores de busca, por palavras-chave relevantes para a notoriedade e tráfego de cada sítio

 

vi. Social Media Marketing: Desenho, implementação e otimização da presença e interação com clientes via redes sociais

 

vii. Content Marketing: criação e distribuição de conteúdos digitais (texto curto, texto longo, imagens, animações ou vídeos) dirigidos a captar a atenção e atrair os clientes-alvo para as ofertas comercializadas pela empresa

 

viii. Display Advertising: colocação de anúncios à oferta da empresa em sítios de terceiros, incluindo páginas de resultados de motor de busca

 

ix. Mobile Marketing: tradução das estratégias inscritas nos pontos anteriores para visualização e interação de clientes em dispositivos móveis, nomeadamente smartphones e tablets

 

x. Business Inteligence e Web Analytics: recolha, tratamento, análise e visualização de grandes volumes de dados gerados a partir da navegação e interação de clientes em ambiente digital por forma a identificar padrões, correlações e conhecimento relevante que robusteçam os processos de gestão e tomada de decisão.

 

c) Custos com pessoal técnico diretamente afeto à implementação do projeto, devendo ser evidenciadas as competências/valências em e-commerce e marketing digital e corresponder a um nível mínimo de qualificação VI (QNQ).

 

Natureza do apoio

Incentivo não reembolsável.

 

Taxa de apoio

O financiamento a conceder às empresas é calculado com base na aplicação de uma taxa de 50% às despesas consideradas elegíveis.

 

Prazo de candidatura

O prazo para a apresentação de candidaturas mantém-se aberto até à receção do número de candidaturas limite apurado em função da dotação orçamental definida, sem prejuízo de poder ser suspensa a receção de candidaturas a qualquer momento, através de comunicação prévia a publicar nos sítios de internet do PRR, do IAPMEI e da AICEP, com uma antecedência mínima de 3 dias úteis em relação à data estabelecida para a suspensão.

 

Consultar aviso

 

Enviar candidatura

Saber mais

Aviso N.º 04/SI/2022

 

Concurso para a Apresentação de Candidaturas para o Desenvolvimento de Projetos no âmbito da Internacionalização das PME - Projetos Conjuntos.

 

Candidatura até 30 de dezembro de 2022.

Objetivo

Reforçar a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, através de projetos que (i) permitam potenciar o aumento da sua base e capacidade exportadora, bem como o respetivo reconhecimento internacional, e (ii) visem o desenvolvimento de um programa estruturado de intervenção num conjunto de PME, o qual, por via da ação conjunta, deve permitir uma maior eficácia e eficiência de utilização dos vários recursos, reforçar as sinergias resultantes da partilha de conhecimentos e experiências, e a visibilidade nos mercados pela dimensão da presença coordenada, devendo apresentar soluções comuns e coerentes face a problemas ou oportunidades a explorar, claramente identificadas e justificadas num plano de ação conjunto, no quadro das empresas a envolver.

 

Beneficiários

São beneficiários empresas PME de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica, integrados em projetos conjuntos promovidos por entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos, de natureza associativa e com competências específicas dirigidas às PME, nomeadamente associações empresariais, câmaras de comércio e indústria, agências regionais de promoção turística, assim como outras entidades não empresariais do Sistema Nacional de I&I que se proponham desenvolver projetos de investimento que satisfaçam os objetivos e prioridades referidos no Aviso e cumpram com os critérios de acesso, elegibilidade e de seleção.

 

Condições de acesso

As entidades e/ou os projetos deverão cumprir os seguintes critérios de elegibilidade:

 

a) Contribuir para os objetivos e prioridades enunciadas no Aviso

 

b) Ser sustentados por um plano de ação conjunto adequadamente fundamentado e que vá ao encontro do esforço de promoção/comunicação internacional definido no âmbito das políticas públicas de internacionalização

 

c) Assinar um Acordo de Pré-Adesão e os termos da Minuta publicada conjuntamente com o Aviso, declarando expressamente que se comprometem a não participar em ações que estejam já incluídas em projetos individuais de internacionalização ou em outros projetos conjuntos de internacionalização em que também participem

 

d) Obter ou atualizar a correspondente Certificação Eletrónica para efeitos de comprovação do estatuto PME

 

e) Ter uma duração máxima de execução de 24 meses

 

f) Utilizar o ano de 2021 como referência de pré-projeto.

 

g) O promotor do Projeto conjunto deve comprometer-se a verificar que cada empresa beneficiária cumpre com os critérios de elegibilidade estabelecidos nas alíneas anteriores à data do acordo de pré-adesão

 

h) No caso das entidades promotoras com projetos aprovados ao abrigo do Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 10/SI/2021, constitui condição de admissibilidade ao presente Aviso a demonstração da natureza incremental do projeto candidato

 

i) No caso de entidades promotoras com projetos aprovados e contratados no âmbito dos Avisos n.º 29/SI/2015, 21/SI/2016, 28/SI/2017 e 35/SI/2018 - Projetos Conjuntos de Internacionalização, constituem condições adicionais de admissibilidade ao presente Aviso:

 

i. Ter submetido o respetivo PTRF – Pagamento a Título de Reembolso Final relativamente ao projeto anterior apoiado no âmbito dos Avisos n.º 29/SI/2015, 21/SI/2016 e 28/SI/2017 até ao encerramento do presente Aviso

 

ii. Não incluir as mesmas ações previstas em projeto anterior apoiado no âmbito dos Avisos n.º 35/SI/2018 ou n.º 10/SI/2021, a não ser que comprovadamente não tenham sido assumidos quaisquer compromissos ou realizadas despesas nessas ações, não sendo aceite a divisão ou a continuidade da mesma ação entre projetos, devendo todas as despesas relativas à mesma ação ser imputadas apenas a um projeto

 

j) Apresentar uma despesa elegível total do projeto entre 25 mil euros e 10 milhões de euros.

 

k) Declarar a aceitação do possível reenquadramento dos projetos no Portugal 2030.

 

Âmbito setorial e/ou geográfico

São elegíveis os projetos inseridos em atividades económicas que visam a produção de bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis ou que contribuam para a cadeia de valor dos mesmos e não digam respeito a serviços de interesse económico geral.

 

O presente Aviso tem aplicação nas regiões NUTS II do continente.

 

Regras e Limites à Elegibilidade de Despesas

São elegíveis os projetos que respeitem a condição de “Ter data de candidatura anterior à data de início dos trabalhos (…)”. Sem prejuízo do referido, o presente Aviso não contempla a elegibilidade de estudos de viabilidade.

 

Não obstante a existência de outros limites à elegibilidade de determinadas despesas previstos no Aviso, este determina que não são consideradas elegíveis as despesas conexas com “aquisições para aplicação de novos métodos organizacionais”, “obtenção, validação e defesa de patentes e outros custos de registo de propriedade industrial”, “formação de recursos humanos” e “custos salariais com a contratação de recursos humanos altamente qualificados”.

 

Os custos elegíveis totais da entidade promotora não podem representar mais de 20% dos custos elegíveis totais da candidatura.

 

Natureza do apoio

Incentivo não reembolsável.

 

Taxa de apoio

Os incentivos a conceder são calculados através da aplicação às despesas consideradas elegíveis das PME de uma taxa de 50%, com exceção das despesas elegíveis da entidade promotora em que a taxa máxima de incentivo é de 85%.

 

Os incentivos a conceder pelo POR Lisboa e pelo POR Algarve são calculados através da aplicação, às despesas elegíveis, de uma taxa de 40%.

 

Os incentivos a conceder às despesas relacionadas com as ações de prospeção, captação de novos clientes e de promoção encontram-se sujeitos aos auxílios de minimis..

 

Prazo de candidatura

O prazo para a apresentação das candidaturas decorre até ao dia 30 de dezembro de 2022 (18 horas). As Autoridades de Gestão podem suspender a receção de candidaturas a qualquer momento, através de comunicação prévia, com uma antecedência mínima de 3 dias úteis em relação à data estabelecida para a suspensão.

 

Consultar aviso

 

Enviar candidatura pela Plataforma de Acesso Simplificado (PAS)
ou
Enviar candidatura pelo Balcão dos Fundos

Saber mais

Aviso N.º 05/C03-i01/2022

 

Requalificação e alargamento da rede de equipamentos e respostas sociais

 

Candidatura até 19 de janeiro de 2023.

Objetivo

Financiamento de equipamentos sociais situados nos territórios particularmente afetados pelos incêndios rurais. Em concreto, são elegíveis no âmbito do Aviso as seguintes respostas sociais: (a) Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), (b) Centro de Dia, (c) Serviço de Apoio Domiciliário (SAD), e (d) Centro de Atividades e Capacitação para a Inclusão (CACI).

 

Assim, o presente aviso tem como objetivo apoiar e financiar a criação de 400 lugares nas respostas elegíveis nas seguintes tipologias:

 

a) Reconversão ou alargamento de capacidade de equipamentos sociais, para desenvolvimento de novas respostas sociais com vista a responder às necessidades territoriais diagnosticadas

 

b) Construção de raiz de novos equipamentos sociais, para reforço da resposta às necessidades mais prementes das populações, sobretudo dos territórios com uma baixa cobertura, de forma a corrigir as assimetrias existentes ao nível da distribuição da capacidade instalada, garantindo maior equidade no acesso aos cidadãos

 

c) Remodelação, ampliação e adaptação das infraestruturas, fator determinante para o bem-estar e a melhoria das condições de vida e de promoção da autonomia dos cidadãos e das famílias, e da qualidade dos serviços prestados

 

d) Aquisição de edifício ou fração e a respetiva adaptação para instalação de equipamentos sociais.

 

Beneficiários

Os beneficiários finais são as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e equiparadas, as Autarquias e outras Entidades Públicas, e outras entidades de direito privado sem fins lucrativos, de utilidade pública, que detenham no âmbito do seu objeto estatutário a área social.

 

Condições de acesso

As Entidades terão de cumprir um conjunto de disposições gerais(1) e, bem assim, os seguintes critérios específicos:

 

a) Enquadramento do projeto nas tipologias, objetivos e condições de elegibilidade estabelecidos no ponto 4 do Aviso – Respostas sociais elegíveis, tipologias de projetos a apoiar e regras de execução, a apoiar no âmbito da Nova Geração de Equipamentos e Respostas Sociais, do PRR

 

b) O projeto de investimento não ter sido objeto de qualquer apoio financeiro, nacional ou comunitário, com a mesma finalidade, nos 10 anos precedentes

 

c) Ter parecer emitido pelo Conselho Local de Ação Social da Rede Social em momento prévio à decisão de aprovação, quando aplicável

 

d) Ser proprietária do terreno ou do edifício ou fração a intervencionar, ou detentora de qualquer outro título que lhes permita afetar as infraestruturas e equipamentos objeto de financiamento no âmbito da Nova Geração de Equipamentos e Respostas Sociais do PRR, aos fins a que se destinam, durante o período mínimo de 20 anos

 

e) Ter projeto de arquitetura em fase de Anteprojeto ou Projeto base, nos termos do que se encontra definido no artigo 3.º e 6.º da Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de junho, em conformidade com as normas reguladoras das condições de instalação e funcionamento de cada uma das respostas sociais

 

f) Dispor de documentação comprovativa emitida pela autarquia relativamente às obras a realizar

 

g) No caso de aquisição de edifício ou fração terem, no mínimo, contrato de promessa de compra e venda, acompanhado da certidão de registo predial atualizada em nome do vendedor.

 

Âmbito setorial e/ou geográfico

O Aviso aplica-se aos territórios declarados como excecionais e particularmente afetados pelos incêndios rurais, nomeadamente os concelhos do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), ou seja, Celorico da Beira, Covilhã, Gouveia, Guarda, Manteigas e Seia, bem como todos os concelhos com uma área ardida acumulada, em 2022, igual ou superior a 4500 ha ou a 10 % da respetiva área.

 

Despesas elegíveis

Despesas elegíveis:

 

a) Construção de raiz, ampliação, remodelação, reabilitação e/ou reconstrução de edifício ou fração autónoma para desenvolvimento de resposta social elegível

 

b) Aquisição de edifício ou fração para desenvolvimento da resposta social elegível.

 

Natureza do apoio

Subvenção não reembolsável.

 

Taxa de apoio

A taxa máxima de cofinanciamento das operações a aprovar no âmbito deste Aviso é 100%.

 

Prazo de candidatura

19 de janeiro de 2023.

 

Consultar aviso

 

Enviar candidatura

Saber mais

Aviso N.º 03/C11-i01/2022

 

Apoio à Descarbonização da Indústria.

    

Candidatura até 17 de fevereiro de 2023.

Objetivo

Promover a adoção de medidas de eficiência e de aceleração da transição energética conducentes à redução do consumo de energia e à implementação de sistemas que permitam gerir e melhorar os consumos de energia, com base na computação e automação, no domínio industrial.

 

Beneficiários

Os beneficiários finais são as Empresas, de qualquer dimensão ou forma jurídica, do setor da indústria (categorias B - Indústrias extrativas e C - Indústrias transformadoras da CAE Rev.3).

 

Modalidades de candidatura

As candidaturas processam-se de acordo com duas modalidades:

 

a) Projetos simplificados de descarbonização da indústria;

b) Projetos de descarbonização da indústria

 

Cada empresa poderá apresentar uma candidatura em cada modalidade, devendo cada candidatura abranger conjuntos de estabelecimentos distintos por forma a permitir a autonomização dos impactos ao nível da redução de gases de efeito de estufa.

 

Condições de acesso

As Entidades terão de cumprir um conjunto de disposições gerais e as operações terão de cumprir os seguintes critérios:

 

a) Respeitar a tipologia de projetos elegíveis

 

b) Garantir o cumprimento do princípio do Não Prejudicar Significativamente (“Do No Significant Harm”, DNSH)

 

c) Demonstrar uma redução média de emissões diretas e indiretas de gases com efeito de estufa (GEE) das instalações industriais apoiadas

 

d) Contribuir para uma redução média de, pelo menos, 30% das emissões diretas e indiretas de GEE nas instalações industriais apoiadas para os projetos que se enquadram no domínio de intervenção “024ter - Eficiência energética e projetos de demonstração nas PME ou grandes empresas e medidas de apoio que cumprem os critérios de eficiência energética”

 

e) Demonstrar o enquadramento no domínio de intervenção selecionado, no caso dos projetos enquadráveis nos domínios de intervenção “022 - Processos de investigação e de inovação, transferência de tecnologias e cooperação entre empresas, incidindo na economia hipocarbónica, na resiliência e na adaptação às alterações climáticas”; “029 - Energia renovável: solar”; “032 – Outras energias renováveis (incluindo a energia geotérmica)” e “033 – Sistemas energéticos inteligentes (incluindo as redes inteligentes e sistemas de TIC) e respetivo armazenamento”

 

f) Em acréscimo, os projetos enquadráveis nos 5 domínios de intervenção referidos nas alíneas d) e e) poderão incluir, complementarmente, investimentos de economia circular na indústria, desde que estes contribuam clara e significativamente para a redução de emissões de gases com efeito de estufa, designadamente no que respeita à substituição de matérias-primas por subprodutos, à incorporação de resíduos, e às simbioses industriais

 

g) No caso das instalações abrangidas pelo Decreto-Lei n.º 12/2020, de 06 de abril, que estabelece o regime jurídico aplicável ao comércio de licenças e emissão de gases com efeito de estufa, transpondo a Diretiva (UE) 2018/410, demonstrar que o projeto permitirá à instalação ficar significativamente abaixo dos valores dos parâmetros de referência (benchmark) da(s) subinstalação(ões) relevantes, conforme Regulamento de Execução (UE) 2021/447, da Comissão, de 12 de março de 2021 que determina os valores dos parâmetros de referência revistos para a atribuição de licenças de emissão a título gratuito entre 2021 e 2025, nos termos do artigo 10.ºA, n.º2, da Diretiva 2003/87/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho

 

h) Cumprir as disposições comunitárias e nacionais a que se encontra sujeita a candidatura em matéria de Auxílios de Estado, Contratação Pública e de Igualdade de Oportunidades e de Género

 

i) Iniciar os trabalhos relativos ao projeto ou à atividade a desenvolver no âmbito da operação somente após a submissão da candidatura ao IAPMEI

 

j) Para efeitos de comprovação do estatuto PME, as empresas devem obter ou atualizar a correspondente Certificação Eletrónica através do IAPMEI

 

k) Incluir indicadores, que permitam avaliar o contributo da operação para os respetivos objetivos, bem como monitorizar o grau de execução da operação e o cumprimento dos resultados previstos.

 

Âmbito setorial e/ou geográfico

Os projetos a apoiar devem ser desenvolvidos no território nacional.

 

Despesas elegíveis

São despesas elegíveis por tipologia, as relacionadas com a aquisição de ativos tangíveis, intangíveis e serviços relacionados, que contribuam diretamente para a redução de emissões de GEE através da diminuição do consumo de eletricidade e/ou combustíveis. No caso dos projetos simplificados de descarbonização da indústria, o custo elegível é o custo de aquisição do investimento, e no caso dos projetos de descarbonização da indústria, o custo elegível tem por base os sobrecustos de investimento.

 

Natureza do apoio

Subvenção não reembolsável.

 

Taxa de apoio

No caso dos projetos simplificados de descarbonização da indústria aplica-se uma taxa base de 55%, que pode ser acrescida de 10 p.p. ou de 20 p.p. consoante se trate de médias ou pequenas empresas, respetivamente e de 10 p.p. para os estabelecimentos localizados nas regiões Norte, Centro, Alentejo, Açores e Madeira.

 

Para os projetos de descarbonização da indústria a taxa de apoio depende da tipologia de auxílio, da dimensão da Empresa, da localização do investimento e da forma de determinação dos sobrecustos de investimento. Para maior detalhe consultar o Aviso.

 

Prazo de candidatura

17 de fevereiro de 2023.

 

Para os projetos simplificados de descarbonização da indústria, o prazo para a apresentação de candidaturas mantém-se aberto até à receção do número de candidaturas limite apurado em função da dotação orçamental definida (150 milhões de euros), o que determinará o fecho do período de apresentação de candidaturas na modalidade em apreço.

 

Consultar aviso

 

Enviar candidatura

Fundos Europeus: O Santander adianta os seus incentivos

Adiantamos os seus incentivos

Com um apoio intercalar ao seu projeto, adiantamos uma parte dos incentivos para reforçar a sua tesouraria o quanto antes.

Fundos Europeus: o Santander financia o projeto

Financiamos o seu projeto

Conte com condições de financiamento complementar ajustadas às necessidades do seu projeto, a médio e longo prazo.

Fundos Europeus: O Santander trata da emissão de garantias bancárias

Tratamos da emissão de garantias bancárias

Para assegurar a antecipação dos incentivos e cumprir as exigências de cada entidade de gestão.

Fundos Europeus: O Santander comprova a capacidade financeira

Comprovamos a sua capacidade financeira

Depois de analisar o projeto, podemos emitir as declarações necessárias que comprovam a capacidade financeira da sua empresa e valorizam a candidatura.

Fundos Europeus: O Santander disponibiliza soluções de factoring

Disponibilizamos soluções de factoring

Se for uma entidade fornecedora de projetos do PRR, antecipamos as suas receitas através das nossas soluções de factoring.

Fundos Europeus: O Santander identifica soluções de financiamento

Apoiamos projetos à medida

Ajudamos a identificar soluções de financiamento adequadas à dimensão e tipologia do seu projeto de investimento.

Linhas de crédito protocoladas

Acesso a condições de crédito apoiadas pelo Governo. 

Uma filosofia digital para os seus negócios

Aproveite o tempo ao máximo para investir no seu negócio e preparar o futuro.

Saber mais sobre os fundos do PRR para o seu negócio?

Informação útil para fazer crescer o seu negócio

Queremos mantê-lo sempre atualizado, conheça o calendário fiscal, indicadores de mercado e apoios para as empresas

email

Em breve vai receber a nossa newsletter no seu e-mail.

Informação de tratamento de dados

O Banco Santander Totta, S.A. é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos.

O Banco pode ser contactado na Rua da Mesquita, 6, Centro Totta, 1070-238 Lisboa.

O Encarregado de Proteção de Dados do Banco poderá ser contactado na referida morada e através do seguinte endereço de correio eletrónico: privacidade@santander.pt.

Os dados pessoais recolhidos neste fluxo destinam-se a ser tratados para a finalidade envio de comunicações comerciais e/ou informativas pelo Santander.

O fundamento jurídico deste tratamento assenta no consentimento.

Os dados pessoais serão conservados durante 5 anos, ou por prazo mais alargado, se tal for exigido por lei ou regulamento ou se a conservação for necessária para acautelar o exercício de direitos, designadamente em sede de eventuais processos judiciais, sendo posteriormente eliminados.

Assiste, ao titular dos dados pessoais, os direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados, nomeadamente o direito de solicitar ao Banco o acesso aos dados pessoais transmitidos e que lhe digam respeito, à sua retificação e, nos casos em que a lei o permita, o direito de se opor ao tratamento, à limitação do tratamento e ao seu apagamento, direitos estes que podem ser exercidos junto do responsável pelo tratamento para os contactos indicados em cima. O titular dos dados goza ainda do direito de retirar o consentimento prestado, sem que tal comprometa a licitude dos tratamentos efetuados até então.

Ao titular dos dados assiste ainda o direito de apresentar reclamações relacionadas com o incumprimento destas obrigações à Comissão Nacional da Proteção de Dados, por correio postal, para a morada Av. D. Carlos I, 134 - 1.º, 1200-651 Lisboa, ou, por correio eletrónico, para geral@cnpd.pt (mais informações em https://www.cnpd.pt/).

Para mais informação pode consultar a nossa política de privacidade (https://www.santander.pt/politica-privacidade).