• Informações

Relatórios de Banca responsável

Estamos comprometidos com o desenvolvimento da sociedade, atuando de forma simples, próxima e justa. A nossa missão é contribuir para o desenvolvimento das pessoas e das empresas, apoiando um crescimento inclusivo e sustentável.

Crescimento Inclusivo e Sustentável

Contríbuimos para o desenvolvimento das pessoas e das empresas, apoiando um crescimento inclusivo e sustentável.

The Right Way

É a nova webletter do Santander em Portugal para os temas ambientais, sociais e de governança (ASG). Estamos empenhados em seguir, promover e partilhar as nossas boas práticas. Boas leituras.

Reciclar cartões para poupar o ambiente

O seu cartão expirado é transformado em mobiliário urbano e contribui para plantar uma árvore.

Zero emissões de carbono até 2050

Apoiamos a transição para uma economia sustentável no combate às alterações climáticas. Conheça a nossa estratégia Net Zero e junte-se a este compromisso.

Santander e Café Joyeux juntos para promover a inclusão de pessoas com diferença cognitiva

O Santander juntou-se ao projeto Café Joyeux Portugal, que abriu o seu primeiro estabelecimento esta semana, na Calçada da Estrela, em Lisboa. Esta iniciativa tem como objetivo promover a empregabilidade de pessoas com dificuldades intelectuais e de desenvolvimento, ao possibilitar a sua integração no mercado de trabalho e a sua formação profissional certificada.

 

Saber mais no comunicado de imprensa (em PDF).

Notícias Santander

Intensify World e Kryar+ foram os projetos mais votados na 2.ª edição do Prémio Santander Mais Comunidade

 

Já são conhecidos os projetos distinguidos na 2.ª edição do Prémio Santander Mais Comunidade.

 

Desta vez, o público elegeu um projeto que promove a economia circular na zona de Barcelos e Esposende e um projeto de atividades ocupacionais e ateliers criativos para pessoas com doença mental em Lisboa.

 

Com 845 votos, o projeto de recolha e recondicionamento de eletrodomésticos e materiais eletrónicos velhos para distribuição entre famílias vulneráveis da Intensify World - Associação Tecnológica e Recreativa foi o mais votado pelo público na 2. ª edição do Prémio Santander Mais Comunidade. Esta associação, que atua em Barcelos e Esposende, e cujo projeto terá impacto positivo para 170 pessoas e para o ambiente, receberá um donativo de 5 000€.

 

Com 637 votos, o segundo projeto mais votado pelo público foi o Kryar+, do Instituto das Irmãs Hospitaleiras Sagrado Coração de Jesus – Clínica Psiquiátrica de S. José. Este projeto consiste em atividades ocupacionais e ateliers criativos para proporcionar às pessoas com doença mental internadas uma maior valorização pessoal e a estimulação das suas capacidades, ao mesmo tempo que permite a criação de produtos diferenciados com procura no mercado. Esta iniciativa, que conta com 75 beneficiários na região de Lisboa, será contemplada com um donativo de 2 500€.

Notícias Santander

Santander entre os 10 bancos mais sustentáveis do mundo no Dow Jones Sustainability Index 2021

 

O Banco Santander foi reconhecido como o décimo banco mais sustentável do mundo pelo Dow Jones Sustainability Index (DJSI) 2021. O Santander faz parte deste índice de referência internacional, que mede o impacto económico, ambiental e social de 245 bancos em todo o mundo, desde há 21 anos.

 

O banco atingiu uma pontuação total de 85 pontos em 100, colocando-o no percentil 97 de todos os bancos analisados. O banco obteve pontuações elevadas em todas as dimensões do índice: económica (percentil 96), ambiental (98.º) e social (97.º).

 

O Santander obteve a pontuação mais alta em várias áreas importantes como a inclusão financeira e os relatórios ambientais, e melhorou significativamente este ano em aspetos como o capital humano e as finanças sustentáveis.

Saber mais em Santander.com

Notícias Santander

Santander, uma empresa socialmente responsável

 

No âmbito da parceria editorial entre o Santander e o jornal Público, foi criado o projeto "Muito Mais", com o objetivo de evidenciar a proximidade do banco às pessoas, empresas e sociedade como um todo, com foco em temas como educação, empregabilidade, sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida.

 

O Público publicou um artigo sobre empregabilidade de pessoas com deficiência com o testemunho da presidente da Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA). Estima-se que mais de 40 mil pessoas sofram de Síndrome de Asperger em Portugal.

 

E se, até há uns anos. estas pessoas, os seus familiares e amigos, tinham de enfrentar o diagnóstico sem ninguém que os ajudasse a entender, hoje a situação é muito diferente. "Culpa" da Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger e de empresas como o Santander.

Notícias Santander

Santander em contagem decrescente para a COP26

 

A poucos dias da COP26, a Conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas, importa reiterar o compromisso do Santander com o combate às alterações climáticas

O Santander Portugal assinou, juntamente com mais de 90 empresas portuguesas, o Manifesto "Rumo à COP26" do BCSD Portugal, que detalha 11 aspetos fundamentais para alcançar o objetivo de limitar o aquecimento da Terra a 1,5⁰C.

 

A COP 26 é a conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas, que este ano acontece de 31 de outubro a 12 de novembro em Glasgow, na Escócia. Trata-se de um encontro anual de líderes para monitorizar e rever a implementação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas.

 

Consciente de que estamos num “momento crítico para se cumprir o Acordo de Paris sobre o clima” e da relevância da COP26, o BCSD Portugal elaborou o Manifesto "Rumo à COP26", do qual o Santander Portugal é signatário. 

 

O documento detalha 11 aspetos que a associação empresarial pelo desenvolvimento sustentável considera fundamentais para alcançar os objetivos de descarbonização e combate às alterações climáticas. Saiba mais em bcsdportugal.org/manifesto-rumo-cop-26 e ukcop26.org.

Notícias Santander

Santander participa na Semana da Sustentabilidade: Contagem decrescente para a COP26

 

Durante a 1.ª semana de outubro, realizou-se o encontro A Semana da Sustentabilidade: Contagem decrescente para a COP26, evento online organizado pela The Economist e patrocinado pelo Santander no Reino Unido, no qual participaram grandes empresas mundiais, responsáveis políticos e investidores empenhados na luta contra as alterações climáticas através de fórmulas inovadoras.

Com mais de 8 000 inscritos nas 65 sessões previstas no programa, mais de 150 oradores(as) de alto nível debateram em torno da questão se os governos, as empresas e os investidores privados serão capazes de mudar o modo como funciona a sociedade para cumprir os objetivos do Acordo de Paris a tempo, por outras palavras, garantir zero emissões líquidas em 2050 e limitar o aumento global da temperatura a 1,5 graus no final do século.


Com a COP 26 em perspetiva, conferência que terá lugar durante as duas primeiras semanas de novembro em Glasgow, especialistas globais analisaram em profundidade os métodos para reduzir as emissões, melhorar a sustentabilidade e a transição para as energias renováveis que protegem de forma ativa o ambiente. Através de debates e estudos de casos disruptivos, oportunidades de investimento inovadoras e hackathons, este evento visa promover o nascimento de uma economia sustentável.


Entre os patrocinadores do evento encontra-se o Santander, consciente do importante papel que as instituições financeiras têm de desempenhar para abordar os desafios em questões sistémicas globais como a transformação digital e as alterações climáticas. Em representação do Santander intervieram Benoit Félix (SCIB) e Ana Rivero (Wealth Management& Insurance). Ana Rivero, responsável global de estratégia de mercado e sustentabilidade na Santander Asset Management, participou no painel The Art of Sustainable Investment.

 

Juntamente com outros especialistas na classificação de ativos ASG - quer de outras gestoras quer de agências de rating e universidades - discutiram o esforço que representa posicionar a sustentabilidade no centro das carteiras padrão (ou seja, as que não são ASG) e o que isso implicará nas suas atividades quotidianas.

 

Ana Rivero afirmou: "A integração da ESG no coração das empresas de gestão de activos envolve uma transformação dos processos de investimento, risco, relatórios e relacionamento com o cliente que molda uma forma mais holística de compreender a gestão de activos, tendo em conta todos os aspectos do investimento. É um novo horizonte de investimento que nos permite captar as oportunidades que surgem na transformação das economias e sociedades em direcção ao desenvolvimento sustentável".

 

Por seu lado, Benoit Felix, responsável global de Structured Finance no SCIB, afirmou: "Foi gratificante participar no debate interessantíssimo sobre a expansão do financiamento das energias renováveis e partilhar o que fazemos nessa matéria no Santander. Fomos um dos primeiros a adotar as energias renováveis quando começámos a financiar centrais fotovoltaicas em Espanha há duas décadas. Desde então, mantivemos a nossa liderança na área até nos tornarmos o líder mundial em consultoria e financiamento de renováveis em todo o mundo, especialmente no setor eólico marinho. Também foi uma boa oportunidade para debater as tensões atuais no mercado da energia e o papel das novas tecnologias (hidrogénio verde, captura de carbono, etc.) para acelerar a transição energética".

 

Veja o vídeo da estratégia do Santander para se tornar “Net zero”

 

Tecnologias limpas para reduzir emissões

A sessão inaugural da conferência ficou a cargo de Bill Gates, fundador da organização Breakthrough Energy Catalyst. Gates contou que as soluções com baixas emissões de carbono, como o hidrogénio produzido a partir de energias renováveis, os combustíveis sustentáveis para a aviação, a tecnologia para absorber o CO2 da atmosfera e o armazenamento de energia de longa duração, são consideradas com frequência demasiado caras para competir com as alternativas mais baratas dos combustíveis fósseis. Para enfrentar este desafio, a Breakthrough Energy Catalyst associou-se à Comissão Europeia durante os próximos cinco anos para investir nas tecnologias limpas que são fundamentais para reduzir as emissões.

 

Bill Gates refletiu sobre quais as maiores prioridades de investimento para reduzir as emissões eficazmente; a forma como os governos, a indústria, as ONG, as empresas e os financiadores devem colaborar para alcançar uma mudança positiva e sobre as suas expetativas para a COP26.

Notícias Santander

Santander reforça o seu compromisso ambiental com a reflorestação em Espanha e na Escócia

 

O Banco Santander associou-se ao projeto Motor Verde promovido pela Fundação Repsol juntamente com o Grupo Sylvestris. Trata-se de uma iniciativa de compensação de emissões de dióxido de carbono, centrada na reflorestação e na regeneração de florestas, que pretende tornar Espanha uma referência europeia no setor da compensação, promovendo simultaneamente uma economia social, verde e sustentável, com um efeito transformador no meio local, que criará emprego para 15 000 pessoas, com especial atenção para a inclusão dos grupos mais vulneráveis.

O Banco Santander está a promover a criação de três florestas Santander que irão cobrir uma área de mais de 300 hectares, a primeira das quais começará a ser plantada neste outono na região da Estremadura, a primeira comunidade autónoma a aderir ao Motor Verde e à qual se seguiu recentemente o Principado das Astúrias.

 

Com a sua contribuição, o Santander irá compensar a emissão de 82 000 toneladas de CO2, promover o cuidado da biodiversidade e a luta contra as alterações climáticas, bem como apoiar o desenvolvimento rural e a criação de emprego no quadro da sua estratégia de banca responsável e das suas políticas de gestão ambiental.

 

Além disso, os National Parks UK e o Santander Reino Unido anunciaram uma nova associação pioneira que evidencia como a restauração da natureza nos Parques Nacionais pode contribuir para a luta contra as alterações climáticas.

 

O Santander tornou-se sócio-fundador da estratégia "Net Zero With Nature", que define o papel que os Parques Nacionais britânicos podem desempenhar na luta do Reino Unido contra as alterações climáticas e a crise da biodiversidade.

 

O Santander financiará um novo projeto de restauração de 220 hectares de turfeiras danificadas no Parque Nacional de Cairngorms, na Escócia. Este projeto tem o potencial de evitar mais de 16 000 toneladas de emissões de CO2 durante os seus primeiros 5 anos.

 

Banca Responsável

O Santander, que quer construir um banco cada vez mais responsável, continuará a dar impulso ao trabalho de conservação dos ecossistemas dos países onde opera, como no Brasil, onde apoia o desenvolvimento sustentável da Amazónia, o Chile, onde participa em projetos de restauração de áreas degradadas e implementa corredores biológicos para a fauna nativa, ou a Polónia, onde a entidade se tornará conservadora de um dos ecossistemas protegidos do país, na Baixa Silésia.

 

Paralelamente, somam-se os objetivos que o Santander estabeleceu a médio e longo prazo, tais como facilitar mais de 120 000 milhões de euros em financiamento verde entre 2019 e 2025 e até 220 000 milhões de euros em 2030, ou deixar de oferecer serviços financeiros a clientes de geração de energia elétrica cujas receitas dependam em mais de 10% de carvão térmico em 2030, entre outras medidas implementadas no seu caminho para alcançar zero emissões líquidas em 2050.

 

Veja o vídeo da estratégia do Santander para se tornar “Net zero”

Notícias Santander

Santander, um banco onde diversidade e inclusão é igual a mais produtividade

 

No âmbito da parceria editorial entre o Santander e o jornal Observador, foi criado o projeto "Muito Mais", com o objetivo de evidenciar a proximidade do banco às pessoas, empresas e sociedade como um todo, com foco em temas como educação, empregabilidade, sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida.

 

O Observador publicou um artigo sobre empregabilidade de pessoas com deficiência, em que se dá a conhecer a abordagem do Santander ao recrutamento inclusivo e em que Filipa Pinto Coelho, presidente da Associação VilacomVida, apresenta o caso de sucesso dos Cafés Joyeux na integração profissional de pessoas com dificuldades intelectuais de desenvolvimento.

 

Formar equipas diversas e criar ambientes acolhedores é uma preocupação constante nas empresas comprometidas com a responsabilidade social e a igualdade de oportunidades.


Ler artigo no Observador