O Santander em Portugal vai criar uma fundação com o propósito de desenvolver programas com elevado impacto social, económico e ambiental. Com uma dotação inicial de 22,5 milhões de euros, a Fundação Santander Portugal pretender contribuir para ajudar as pessoas e as empresas a progredirem de uma forma justa, inclusiva e sustentável.

Os projetos do banco na educação, no emprego, na ecologia e no social dirigidos à sociedade serão executados pela fundação.

Estamos num momento decisivo. É crucial aproveitar as lições da pandemia para acelerar a transição necessária e evidente a urgência da COP26 ser um sucesso, de forma a evitar consequências desastrosas para as sociedades e economias.

Inês Oom de Sousa, no Santander há 25 anos, tem estado à frente das áreas de Banca Responsável e Universidades, duas áreas críticas para reforçar o nosso impacto não apenas na sociedade mas no nosso negócio e na nossa marca. Vai também liderar a agenda de ESG a nível da Europa com o objetivo de maximizar o impacto da performance do banco no ambiente e na sociedade e fazer a diferença como Grupo.

Ana Botín

Queremos deixar a nossa marca na sociedade, ser reconhecidos pelos nossos clientes e colaboradores como uma instituição que tem impacto e se preocupa verdadeiramente com a sociedade. Que se preocupa em reduzir as desigualdades sociais e económicas e em contribuir para uma comunidade mais inclusiva”, sublinha Inês Oom de Sousa. E acrescenta: “Temos um propósito que é de todos nós. E acredito que vamos fazer a diferença”.