O Santander foi eleito o Banco Mais Responsável – ESG em Portugal, ao ocupar o primeiro lugar do setor no ranking da Merco ESG 2021

O estudo segue uma metodologia de avaliação exaustiva para aferir as empresas mais responsáveis em termos de ESG : com o meio ambiente; no âmbito interno, clientes e sociedade; e a nível ético e de governança.

A elaboração do ranking baseou-se na avaliação de diretores e de vários especialistas, entre os quais analistas financeiros, jornalistas de informação económica, organizações não governamentais (ONGs), sindicatos e associações de consumidores. Teve também o contributo dos monitores Merco Consumo, através do qual foi auscultada a população em geral, e do Merco Digital, para além do benchmarking, em que se procedeu à avaliação dos méritos reputacionais.

Comentário Este prémio dá-nos um alento extra no longo e importante trabalho que temos pela frente. Temos a responsabilidade de dar o exemplo em matéria de ESG, não só em termos climáticos, como na parte social e de governo. Mas, é também uma oportunidade privilegiada de ajudar os nossos clientes na transição climática, de criar impacto e de contribuir para tornar a sociedade mais inclusiva e sustentável”.

Inês Oom de Sousa, presidente da Fundação Santander Portugal e responsável de ESG do Santander na Europa.

O Santander tem vindo a incorporar os critérios ESG para se tornar numa empresa mais responsável

Gerar energia elétrica de forma menos poluente

No pilar E (Environment)

tem vindo a trabalhar para cumprir os objetivos do Acordo de Paris e apoiar os nossos clientes na transição para uma economia baixa em carbono

Apoiar projetos energéticos mais amigos do ambiente

No pilar S (Social)

a maximizar o seu impacto, caminhando para uma sociedade cada vez mais justa inclusiva

Dizer “não” à exploração de recursos não renováveis

No pilar G (Governance)

a fazer as coisas The Right Way, através de processos claros e robustos.

O banco definiu importantes metas de descarbonização, nomeadamente, alinhando a sua carteira de crédito para ser zero em carbono até 2050 e atingir 220 mil milhões de euros em green finance, mantendo um objetivo claro de apoiar os clientes na transição para uma economia de baixo carbono e reduzindo ao máximo a própria pegada ambiental.

Por outro lado, o caminho para uma sociedade mais inclusiva e sustentável também se faz através do empoderamento financeiro, do fomento à educação, empreendedorismo e emprego. Nesse sentido, o Grupo Santander já empoderou financeiramente mais de 7,4 milhões de pessoas em todo o mundo desde 2019 e quer que este objetivo exceda as 10 milhões de pessoas até 2025. Através dos seus programas de suporte à comunidade, com a colaboração de instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e outras entidades sociais, mais de 4 milhões de pessoas foram ajudadas nos últimos quatro anos e temos um objetivo de chegar a 10 milhões em 2025.

Recentemente, o Santander criou a Fundação Santander Portugal para reforçar o impacto do banco na sociedade. Com uma dotação inicial de 22,5 milhões de euros, a fundação irá desenvolver programas com elevando impacto social, económico e ambiental, intervindo em áreas chave como a educação, a empregabilidade, a ecologia e o social.